Nenhuma saga cinematográfica teve tanto sucesso quanto a Star Wars, não apenas sucesso de audiências e económico, mas também do número de filmes que foram produzidos e a sua extensão no tempo. Todos concordam que é mais do que apenas um enredo de filme, e que as interpretações de diferentes campos do conhecimento permitidas pelo seu guião lhe proporcionam uma riqueza de conteúdo adicional.

O sucesso de bilheteira que desde 1977 acompanha cada um dos legados de filmes da saga Star Wars, a exploração exaustiva de merchandising (fomentado, o mais possível, pela empresa Disney), a legião de fãs que se vestem como os personagens ou a incorporação de frases dos filmes na linguagem popular (“Eu sou o teu pai”, “Que a Força esteja contigo”, “As revoluções baseiam-se na esperança”) fizeram da saga um fenómeno da cultura de massas e um dos exemplos habituais quando se deseja definir conceitos como blockbuster ou mainstream. No entanto, essa ideia generalizada entre a maioria dos espectadores – e entre as críticas mais hostis contra o universo criado por George Lucas – é apenas a ponta do iceberg de tudo o que “a invenção de Lucas” nos oferece.

Georges Lucas. Creative Commons

Além das cenas de acção em ritmo acelerado, além dos efeitos especiais espectaculares, e do fascinante “sentido de maravilha” que revolucionou o cinema no final dos anos 70, Star Wars tem uma variedade infinita de leituras, mensagens e influências culturais que ampliam o seu conteúdo e permitem que o espectador treinado nessas chaves compreenda a profundidade do iceberg, apreciando a natureza espectacular da organização, sem ficar cego por ela.

Nesse sentido, o historiador cinematográfico Michael G. Cornelius define o conceito de subtexto como um código que só aparece em grandes obras de arte, uma mensagem que não substitui o conteúdo dos filmes, mas que os enriquece. Segundo este autor, os espectadores que decifram este código conseguem descobrir mais mensagens do que aqueles que permanecem só no evidente. Um exemplo paradigmático seriam os filmes de Alfred Hitchcock, com um invólucro de filme de suspense, atractivo para o público em geral, que esconde elementos profundos da psicanálise freudiana. O mesmo entretenimento é o que Star Wars propõe desde a sua primeira edição: um invólucro acessível e fascinante para todos os espectadores, que esconde uma variedade surpreendente de referências culturais (literária, cinematográfica, política, filosófica, religiosa …).

Analisar tantos subtemas num único artigo é complicado, mas entre todos eles, existe um que podemos considerar como a raiz e o tronco da saga. Para a maioria dos fãs de cinema, mesmo a maioria dos fãs da marca, o nome de Joseph Campbell não é familiar. No entanto, é uma personagem-chave na compreensão do sucesso de Star Wars.

Joseph Campbell foi, na segunda metade do século XX, um dos maiores especialistas em mitologia comparada, um estudioso que analisou os mitos universais a partir dos estudos de Sigmund Freud e Carl G. Jung, chegando a elaborar uma teoria complexa para compreender os mitos, uma teoria conhecida como “monomito”. Segundo Campbell, todos os mitos criados pelo ser humano, independentemente da cultura da qual eles surgem, possuem uma série de estruturas narrativas comuns, sendo “a jornada do herói” o esquema mais comum nestas narrativas. A estrutura da jornada do herói consistiria numa série de etapas ou marcos que o herói mitológico deve superar para alcançar o seu destino. Não é um espartilho de ferro, não é um modelo fixo e imutável, mas muitos dos mitos, contos de fadas, filmes e sonhos (como diria Christopher Vogler) baseiam-se nesse modelo narrativo.

Joseph Campbell. Creative Commons

A influência de Campbell e a sua teoria da jornada do herói em Star Wars são evidentes. Não apenas porque pesquisadores ou críticos a descobriram como um dos subtemas da saga, mas porque o próprio George Lucas a reconheceu em várias ocasiões. As aventuras de Anakin Vader nas prequelas e as de Luke Skywalker na trilogia original são adaptadas às etapas da “jornada heroica”. Essa influência pode ser detectada até na personagem de Rey, na nova trilogia produzida pela Disney.

Se aplicarmos as etapas da jornada do herói campbelliano à saga, podemos descobrir que as três personagens citadas aparecem originalmente no “mundo comum”, a região de onde emergem os heróis dos mitos tradicionais, um lugar desprovido de aventuras e riscos, identificado com o ambiente familiar mais básico, como La Comarca para Frodo Bolsón na aventura do Senhor dos Anéis. A chegada de um arauto (R2D2, Qui-GonJinn ou BB8) fá-los entrar no “mundo extraordinário”, embora com óbvia relutância inicial (Luke recusa-se a acompanhar Obi-Wan, Anakin não quer abandonar a sua mãe, Reyten volta para Jakku). Apesar desta rejeição, os três concordam com a aventura, enfrentam inimigos poderosos, precisam vencer a própria morte para aniquilar o ego e renascer como heróis (a cena mais evidente deste processo de morte-renascimento é a de Luke afogando-se no depósito de desperdícios da Estrela da Morte).

Leia e Luke procuram escapar pela baía de carregamento. Creative Commons

Deste modo, podemos identificar Anakin, Luke ou Rey com características muito semelhantes aos antigos heróis mitológicos. Mas esta não é a única referência que liga Star Wars com os mitos. Os mitemas, ou elementos constantes dos mitos, são geralmente um recurso comum na saga. A busca do pai por parte de Luke (obcecado com o progenitor desde o primeiro episódio, algo que também descobrimos no jovem Jyn Erso de Rogue One) iguala-o ao intrépido e imprudente Faeton, filho de Helios, o que conduz o carro solar. O amor entre Anakin e Padmé nas prequelas equivale ao “encontro com a rainha deusa do mundo”, que encontramos nos Hieros Gamos ou casamento sagrado da mitologia greco-latina. A obsessão de Anakin em evitar a morte dos seus entes queridos entronca com a busca da imortalidade pelo primeiro herói da história da humanidade, o sumério Gilgamesh; enquanto a queda da ordem Jedi pode ser identificada com o desaparecimento dos cavaleiros idealizados do rei Arthur e da Távola Redonda. Por seu lado, o confronto entre Rey e Kylo Ren parece apontar para um conflito semelhante à passagem bíblica de Caim e Abel, embora essa ideia deva ser confirmada nas próximas mudanças.

Rey e Kylo lutando na floresta perto da base Starkiller. Creative Commons

Mas o elemento que liga directamente a saga aos mitos universais é a ideia do nascimento milagroso do herói. Segundo Shmi, Anakin Skywalker nasce sem a intervenção de nenhum homem (“levei-o para dentro, dei à luz, criei-o … não sei como explicar”). Esta concepção milagrosa assemelha-se a um bom número de mitos nos quais um deus, um herói ou um fundador religioso tem um nascimento sobrenatural, pois a sua vida será excecional e, por esse motivo, ele é apontado pelos deuses desde o início. É o caso do príncipe Sidharta Gautama (o futuro Buda), do deus asteca Huitzilopochtli ou do próprio Jesus Cristo, entre muitos outros. “Ela é virgem porque o esposo é o Desconhecido Invisível”, diz Joseph Campbell. No caso de Anakin, a sua concepção por obra dos midiclorianos liga-o com o “Desconhecido Invisível” da saga, isto é, com a força. A sua jornada posterior, como a de muitos outros heróis, não está isenta da queda no Lado Negro (Hércules matou vários membros da sua família por um ataque de loucura antes de se redimir com as famosas doze provas, enquanto Gilgamesh era rei despótico até iniciar a jornada em busca da imortalidade). O caso de Anakin e a sua conversão em Darth Vader também têm um fim redentor quando ele é capaz de se sacrificar pelo bem comum, de entregar a sua vida atirando o imperador no abismo da segunda Estrela da Morte.

Sabre de luz de Anakin. Needpix

Estes são alguns dos elementos que ligam Star Wars à mitologia, e fazem dele não apenas um exemplo de cinema comercial, mas um autêntico mito contemporâneo. Certamente, os mitos surgiram nas sociedades primitivas como narrativas religiosas, mas, como recorda Carlos García Gual, também podemos encontrar mitos filosóficos, como os criados por Platão, ou mitos literários, como o ciclo Arturiano medieval. Dessa maneira, Star Wars seria uma tentativa de ressuscitar as formas e os conteúdos dos mitos tradicionais numa sociedade industrializada e globalizada. Como resultado, Lucas criou um mito contemporâneo e um dos ícones mais importantes da cultura popular atual: DarthVader, o homem máquina, um símbolo óbvio do homem pós-moderno e dos seus conflitos.

Darth Vader em frente a uma parede iluminada. Pikrepo

Manuel Benítez Bolorinos
Publicado na revista Esfinge em Dezembro de 2019