Pressione ESC para fechar

O que Fazem os Mortos no Além

Jorge Ángel Livraga 0 16

A questão da morte, já não como elemento subjetivo que incita à investigação filosófica, mas como algo real, quase tangível, que se aproxima inexoravelmente de todo o ser humano encarnado, foi, é e será algo que preocupa todo aquele que medite sobre isso de maneira autêntica, sem evasivas psicológicas. Nem o facto de estarmos interiormente seguros da nossa imortalidade é suficiente para vermos com indiferença este fenómeno natural que afeta a todos nós.

Continue lendo

Ciência sem Consciência É a Ruína da Alma

Manuel J. Ruiz Torres 0 73

A Academia Real Espanhola define a palavra consciência com vários significados que têm a ver com a perceção do que está bem ou está mal ou com a capacidade de conhecer e refletir sobre algo. E ambos os sentidos serão usados ao relacionar ciência e consciência.
A frase «ciência sem consciência é ruína da alma» aparece na obra Pantagruel, do humanista, médico e escritor francês François Rabelais, no século XVI, e nela encontra-se a consciência como ponto de vista ético ou moral.

Continue lendo

Plotino e os Degraus da Virtude

Hélio de Orvalho 0 104

De acordo com a tradição deixada por Platão, as virtudes cívicas são quatro: a sabedoria, a coragem, a moderação e a justiça. Estas são as virtudes que fazem o nosso eu terreno assemelhar-se tanto quanto é possível a um reflexo do mundo inteligível. Isto é possível pois todas resultam da aplicação de uma mesma Medida, ou seja, de um sentido ético profundo da alma humana, proveniente da Inteligência, que assim consegue conduzir todos os pensamentos, emoções e ações pelo caminho medido, isto é, o caminho reto e virtuoso.

Continue lendo

Séneca e a Educação dos Príncipes

José Carlos Fernández 0 169

Há muitos anos, numa aula com o professor Jorge Ángel Livraga (1930-1991), surgiu uma questão sobre a natureza do programa escolástico que seguíamos na Nova Acrópole, que não é só intelectual, mas também de desenvolvimento de valores morais. E ele respondeu, com toda a naturalidade, “claro, porque vós (…) estão a receber uma educação de príncipes”. Essa afirmação, com a espontaneidade e total convicção com que o disse, impressionou-me vivamente…

Continue lendo

Franco Battiato. Um Místico Contemporâneo. Parte II

Antony Capitão 0 103

Quando confrontado com o seu percurso, costumava dizer que começou pela filosofia indiana, e que entretanto encontrou Gurdieff, que impactou profundamente a sua vida. De forma muito resumida, podemos dizer que Battiato herdou a ideia da necessidade de um centro de gravidade permanente (fez da ideia uma das suas músicas mais conhecidas) , de harmonizar diferentes centros de uma falsa personalidade afim de dar voz e espaço a uma identidade mais profunda, identidade essa reflectida em todas as Tradições da Humanidade e que portanto faz parte de uma herança e conhecimentos universais.

Continue lendo

As Plantas

Delia Steinberg Guzmán 0 155

Também nelas há vida e um maravilhoso princípio de inteligência. E também Maya joga com elas, já que precisa fazer durar e multiplicar as formas deste reino do verde.

Assim como as pedras, as plantas são filhas da terra e do céu; em busca do mistério da terra, afundam-se nas raízes, e bebendo as influências estelares, surgem os ramos, as flores e os frutos.

Continue lendo

Franco Battiato. Um Místico Contemporâneo. Parte I

Antony Capitão 0 86

Há uma Itália que conhecemos e uma Itália profundamente desconhecida entre nós, em Portugal. Por quanto o inglês seja a língua universal hoje em dia, há uma magia muito própria em conhecer outros idiomas, pois estes abrem-nos novos horizontes para toda uma vida… e dão-nos possibilidades de enriquecimento da alma que talvez nem suspeitássemos. Podemos traduzir poesia, mas nunca teremos a mesma música; podemos ver a tradução de uma letra, mas nunca terá o mesmo impacto de sabermos os contornos de uma palavra precisa numa dada língua e cultura – e assim perdemos os picos de Beleza de um outro país.

Continue lendo

O Anjo Negro da Melancolia. Parte IV

Françoise Terseur 0 119

Nietzsche é um melancólico dionisíaco que acredita no poder libertador da vontade e do entusiasmo. O seu super homem é aquele que se recria a si mesmo, não espera o auxílio dos homens ou do céu, sobe sobre a sua própria cabeça para chegar mais alto. Este anseio de poder deixou-o de tal forma embriagado que sucumbiu à amargura da solidão e da incompreensão. No entanto, provocou um verdadeiro terramoto no seio das mentalidades vindouras. A influência de Nietzsche sobre a má consciência do Ocidente, tornou-se viral e deu lugar ao ceticismo moral e ao niilismo da modernidade.

Continue lendo

O Anjo Negro da Melancolia. Parte III

Françoise Terseur 0 87

Na Holanda, país predominantemente protestante, a melancolia assume a forma de suas famosas ”Vanitas”, pinturas muito populares  que representam o  vazio da existência terrena, considerada vã, precária e sem valor: MEMENTO MORI (lembre-se que todos iremos morrer).

De todos estes objetos, o crânio humano é um dos mais recorrentes. Mas também, frequentemente, encontramos a vela parcialmente consumida (a luz da vida que vai apagar-se), a ampulheta ou o relógio (o fim que chega de forma inexorável), a bolha de sabão (a futilidade da vida), as flores murchas (a decrepitude de tudo aquilo que nasce).

Continue lendo

O Anjo Negro da Melancolia. Parte II

Françoise Terseur 0 101

Os planetas que na astrologia tradicional interagem com a vida na Terra, influenciam todos os processos de desenvolvimento da matéria cósmica que, no laboratório da ciência alquímica, é associada ao chumbo ou matéria negra. Esta pedra filosofal sofre as dores do parto para resgatar a sua essência espiritual, pura Luz incolor que irá insuflar a alma caída na negrura da terra saturnina, o esplendor da sua coroa solar.

Continue lendo

A Teoria Integral de Ken Wilber

Julian Scott 0 125

O pensador americano Ken Wilber é bem conhecido em alguns círculos, como a psicologia transpessoal, mas apesar de ser o autor de 25 livros, ele é escassamente mencionado nos meios académicos. A sua abordagem não convencional, que tenta integrar opostos como ciência e espiritualidade, tornou-o difícil de classificar e colocou-o em conflito com o pensamento dominante.

Continue lendo

O Anjo Negro da Melancolia. Parte I

Françoise Terseur 1 158

Vivemos tempos de incerteza e de vazio, tempos difíceis que anunciam profundas mudanças para os próximos séculos. Todos os dias nos cruzamos com esta sensação de insegurança e de mal estar, ainda mais acentuado com o difícil confinamento causado pela pandemia do coronavírus. A tomada de consciência da nossa vulnerável existência obriga-nos a parar o ritmo frenético das nossas fugas para a frente, sempre à espera da tão desejada felicidade temporal, ilusão reinventada pelo materialismo secular responsável pela alienação global do ter em desfavor do ser. Curiosamente, é nestes períodos de crise que volta a aparecer a sombria melancolia, companheira do taciturno planeta Saturno que, na astrologia tradicional, caracteriza o tempo que tudo desgasta. A visita cíclica nas nossas vidas deste gigante planetário, de movimento lento, aureolado de nebulosos anéis, convoca a tempos de reflexão e pausas para a realização das mudanças necessárias para a renovação estrutural do devir humano. A trajetória da vida não é linear, pelo contrário, tem avanços e recuos, momentos altos e baixos, em que a obscuridade e a luz auxiliam no movimento pendular do relógio cósmico. Na luta dos opostos, na fricção constante dos átomos que produzem todos os fenómenos, intercalam-se a vida e a morte, o bem e o mal, o prazer e a dor, a alegria e a tristeza, estados transitórios que, progressivamente, conduzem ao derradeiro ponto sem retorno do equilíbrio, embrião eterno e indestrutivo onde tudo converge.

Continue lendo

As Pedras

Delia Steinberg Guzmán 0 136

Desde a pedra que serve para construir casas e templos até à pedra que forma os caminhos, desde a pedra que se converte num utensílio prático para a vida até à pedra que, bem-talhada, é um adorno bonito e eficaz no corpo, todas elas foram consideradas frias e mortas, e dispomos delas como se a vida no-las devesse em vista dos nossos múltiplos trabalhos.

Continue lendo

A Via de Plotino. A Caminho do Uno

Hélio de Orvalho 0 159

Quanto mais investigamos a diversidade de visões existentes acerca do Universo e do Ser Humano, mais nos apercebemos do monumental trabalho implicado na procura genuína da verdade.

São tantas e aparentemente tão diversas as filosofias do mundo e dos séculos, tão variados e aparentemente tão distintos os caminhos propostos para o entendimento humano, que é natural surgir uma certa indecisão – quando não um cepticismo – sobre qual a melhor filosofia e o caminho mais propício a conduzir-nos à meta.

Continue lendo

A Balsa dos Náufragos

Jorge Ángel Livraga 0 102

À medida que nos vamos aproximando do final do século XX, torna-se mais evidente que estamos às portas de uma nova Idade Média. Os sistemas vigentes da moda tratam de o dissimular com a máscara do progresso, aparentemente imparável, no ramo da eletrónica e da cibernética, e com grandes promessas que, na melhor das hipóteses, alcançarão somente os países desenvolvidos… pois nos outros, que são a grande maioria, os problemas de sobrepopulação, higiene, medicação, reaparição de pestes que se acreditavam superadas, educação, economia, transportes e contínuas guerrilhas, somadas a vícios e toxicopedendência, terrorismo e violação dos direitos humanos fundamentais, são a única esperança que existe.

Continue lendo

Perguntas de Natureza Filosófica e Científica

Anton Musulin 0 178

Neste número do boletim, colocamos uma série de perguntas importantes de natureza filosófica e científica e tentamos dar algumas respostas que possam colocar ainda mais perguntas. A ideia principal é esclarecer que há muito que não sabemos sobre o Universo e destacar a necessidade de reconhecer e aceitar as limitações do nosso próprio conhecimento. Ao contrário da natureza monológica dos textos e ensinamentos dogmáticos, a filosofia e a ciência são dialógicas e sugerem a busca de respostas aceitáveis e mais verdadeiras para as perguntas difíceis.

Continue lendo

Viagens Filosóficas: Os meus Amigos (Vivendo Agora) na Guerra Civil

Sabina Jarosch 0 90

Em Maio de 2010, estive mais uma vez na Síria. Além da sua riqueza cultural, é sobretudo o povo que torna este país tão impressionante. Uma vez que não consigo chegar a nenhum dos meus amigos devido à agitação da guerra civil, e uma vez que não sei como estão, se estão saudáveis ou mesmo vivos, gostaria de chamar a atenção, com estas linhas, para eles – e por meio deles para todos os outros.

Continue lendo

O Ramo Rebelde do Cipreste

José Carlos Fernández 0 140

Se há uma árvore que nos exalta com a sua verticalidade é, sem dúvida, o cipreste. Guardiães nos campos, e dando uma aura e perfume de eternidade nos jardins em que sempre reinam, a sua firmeza fá-los semelhantes a uma chama verde, ou a uma espada no alto. Silenciosos, solenes, amigos e confidentes dos tristes e meditativos, os gregos consagraram-no a Apolo, talvez por causa de sua tendência para o alto e para a unidade, erguidos para o céu fazendo convergir na ponta todo o sereno dinamismo da sua força vegetal, sem tendências laterais. Os seus braços ou galhos não se abrem querendo abraçar o horizonte e a luz. Não. Elevam-se, todos juntos, em apertado abraço, como um feixe de mistério e, raramente, parecem dispor-se em espiral ascendente junto a alguma torre de uma igreja, quase como que desafiando-o com a sua crescente perenidade.

Continue lendo

O Concerto

Alfredo Aguilar 0 109

“O Concerto” é um filme de 2009 dirigido por Radu Mihaileanu, um realizador romeno radicado em França. Nele nos apresenta em tom de comédia, dramática e emotiva, pequenas e grandes tragédias humanas com o mundo da música clássica como pano de fundo. A história gira em torno de um célebre maestro da Orquestra Bolshoi de Moscovo que caiu em desgraça, juntamente com toda a sua orquestra, por se recusar a fazer parte de uma purga de músicos judeus no final dos anos 70.

Continue lendo

Os Arquétipos em Platão e Carl Jung

María Kokolaki 0 197

Carl Gustav Jung foi um médico psiquiatra, famoso pelo seu estudo e experimentação sobre o mundo psíquico humano. A sua contribuição para a psicanálise é fundamental e marca claramente um antes e um depois no estudo da psique. Consciente da profundidade e complexidade do mundo psíquico, incorporou na sua metodologia estudos de Antropologia, Alquimia, Arte, Mitologia, Filosofia, Religiões comparadas e Sociologia. Assim, as suas próprias viagens e experiências também foram muito importantes.
Neste artigo, propomos uma reflexão sobre a noção de arquétipos nos estudos do psiquiatra suíço e nos diálogos do filósofo grego Platão, uma vez que o primeiro tomou emprestado este termo das teorias platónicas para o introduzir no mundo da psicologia. No entanto, o termo não é tratado de igual modo pelos dois pensadores, não só devido à distância temporal que os diferencia, mas também devido à utilização que lhe dão.

Continue lendo

A Vida e a Morte

Delia Steinberg Guzmán 0 276

– Alvíssaras, felicidade! Acaba de nascer um menino! O nosso filho chegou à vida!
Assim festejam os homens a aparição de um novo ser sobre a terra. Tudo parece pouco para este pequeno corpito que necessita da proteção mais absoluta e dos cuidados mais carinhosos. Beijos, presentes, lágrimas de alegria e emoção marcam o acontecimento da vida.

Continue lendo

Buracos Negros à Luz de Sete Princípios

João Porto 0 187

Em cada galáxia reside um Buraco Negro representando, segundo as concepções mais recentes, centros de energia titânica, na base da qual estão os Glóbulos de Fermi, que na nossa opinião constituem quais nodos inter-sinápticos por onde flui a informação depois de ser retida. É assim que Stephen Hawking, Maldacena, Lee Smolin e tantos outros chegam á conclusão de que a informação não se perde nos Buracos Negros.

Continue lendo

O Tempo Interior e o Tempo Circunstancial

Isabel Areias 0 277

Existe no Tempo uma magia cujo acesso intuímos mas por onde o pensamento, na sua dimensão material, se vê na impossibilidade de transitar. Platão dividia a existência humana em dois mundos: o sensível e o inteligível. Ao primeiro cabe a vida física, visível e material, dominada pelo mundo dos sentidos e das aparências e, por isso, da projeção das nossas sombras, das nossas máscaras. Ao segundo cabe a Vida interior, invisível e superior, dominada pelo mundo real onde reside a nossa Essência, e o mundo das Ideias Puras, dos Arquétipos, ou seja, o princípio de tudo e de todas as coisas.

Continue lendo

A Esfinge

Jorge Ángel Livraga 0 178

Segundo uma remota tradição egípcia recolhida e poetizada pelos gregos, a esfinge é um monstro com corpo de animal e cabeça de homem, que existe e não existe.
Descartando desde já as efémeras formas de crença dos distintos povos, que atribuíram caráter objetivo e tangível a esta criatura, a esfinge é um símbolo. Um símbolo não é uma mera fantasia, mas uma realidade psicológica prenhe de significados.

Continue lendo

Sabedoria Egípcia Escondida entre Hieróglifos e Papiros

Cláudia Barros 0 442

Conhecemos o termo sophia desde os tempos da Grécia Antiga, e já na altura, o conceito conjugava em si quatro premissas basilares: conhecimento, ação, saber e virtude. Mas mais do que um conceito grego, a “sabedoria” traduz uma forma de conduta, de atuar e de agir de acordo com a ética. Atuar sabiamente era essencial. Possuir esta capacidade era um dom que equivalia a ter conhecimento de todas as coisas e a aplicá-las da melhor maneira, podendo-se assim contemplar a verdade camuflada do Mundo.

Continue lendo

Os Desenhos de Botticelli da Divina Comédia

José Carlos Fernández 0 332

Qualquer um que tenha lido a Divina Comédia de Dante sabe que esta é uma Viagem da Alma, da de Dante, ou de cada um de nós, ou seja, de toda a Humanidade. A Alma encontra-se com paisagens de desolação, de negação do mais sagrado no Inferno, e também de esperança e de redenção na Montanha do Purgatório, e com momentos de beatitude e divina compreensão, mesmo que seja sonho nada mais, nos diferentes céus do Paraíso.

Continue lendo