Coronavírus COVID-19 e os Ciclos Matemáticos da História

A pandemia produzida pelo coronavírus COVID-19, que já abrange praticamente todo o mundo, terá efeitos sanitários, económicos e políticos difíceis de prever. A nossa sociedade, habituada ao curto prazo, demonstrou que não é capaz de se antecipar ou estar preparada para enfrentar situações de crise como a que vivemos. Mas há investigadores que dedicam o seu esforço científico para descobrir padrões de repetição em eventos violentos ou de desestabilização da sociedade, tentando fazer da investigação da História uma ciência que nos permita antecipar essas situações. É o caso de Peter Turchin[1], cientista russo-americano especializado na evolução cultural e cliodinâmica[2], uma nova disciplina de modelação matemática e análise estatística da dinâmica das sociedades históricas[3].

Após a publicação de um artigo na revista Nature, intitulado “2020 vision”[4], no qual vários autores faziam previsões sobre os avanços científicos da próxima década, Turchin respondeu numa carta à revista argumentando que a próxima década, provavelmente será um período de crescimento da instabilidade nos Estados Unidos e na Europa Ocidental que pode minar o progresso científico que os autores do artigo descreveram. A análise histórico-quantitativa investigada por ele e S. Nefedov revela que sociedades humanas complexas sofrem ondas recorrentes e previsíveis de instabilidade política[5].

As investigações realizadas por Peter Turchin tem-se enquadrado numa nova disciplina científica denominada cliodinâmica.

A cliodinâmica é uma abordagem interdisciplinar que utiliza a modelação matemática nos processos histórico-sociais, a teoria da história e a análise histórica de bases de dados históricos. O termo foi proposto pelo próprio Peter Turchin. A cliodinâmica surgiu da cliometria, uma metodologia de análises que utiliza sistematicamente a teoria económica, a estatística e a econometria para o estudo da História económica. Peter Turchin publicou um primeiro ensaio na revista Nature[6], intitulado “Arise clidodynamics”, onde estabeleceu as bases desta nova disciplina. “Em vez de reformar a profissão de historiador, podemos precisar de uma nova disciplina. Podemos chamá-la de “cliodinâmica”, por Clio, a musa da história, e dinâmica, o estudo de processos que variam temporariamente, à busca de mecanismos causais. Deixemos à história a abordagem do particular. A cliodinâmica, por sua vez, desenvolverá teorias unificadas e se comprovarão com os dados gerados pela história, a arqueologia e disciplinas unificadas, como a numismática.”

Peter Turchin não só investiga o passado, mas foca o seu estudo no presente e tenta descobrir esses mesmos padrões no mundo atual. Na sua conferência “A History of the Near Future: What history tells us about our Age of Discord”. proferida em 2019 na Universidade de Utrecht (Holanda), disse que as perturbações sociais e políticas nos Estados Unidos e em vários países europeus aumentou nos últimos anos. A sua investigação, que combina a análise de dados históricos com as ferramentas da ciência da complexidade, identificou as forças estruturais profundas que podem minar a estabilidade social.

Skyline de Manhattan. Creative Commons CC0

Disse Turchin: “Os impérios crescem e caem, as populações e as economias crescem e quebram, as religiões mundiais difundem-se ou murcham… Quais são os mecanismos subjacentes a esses processos dinâmicos históricos? Existem “leis da história”? Abordagens matemáticas, como modelar processos históricos com equações diferenciais ou simulações, ou sofisticadas abordagens estatísticas para a análise de dados, são ingredientes-chave no programa de investigação cliodinâmica. Mas, em última análise, o objetivo é descobrir princípios gerais que expliquem o funcionamento e a dinâmica das sociedades históricas reais”[7]. Uma premissa básica da cliodinâmica é que sociedades históricas podem ser estudadas usando os mesmos métodos que usam os físicos e biólogos para estudar os sistemas naturais. Os investigadores começaram com uma teoria geral, que foi transferida para modelos matemáticos. Como resultado dessa formalização, obtiveram um conjunto específico de previsões quantitativas sobre um conjunto de variáveis demográficas, económicas, sociais e políticas[8].

Turchin[9] pergunta-se se é possível fazer isso, já que as sociedades humanas são extremamente complexas. Além disso, os mecanismos que estão sob as dinâmicas sociais variam de acordo com períodos históricos e região geográfica. A França medieval é claramente diferente da Gália da época romana, e ambas foram muito diferentes da antiga China. Muita desordem para conseguir uma teoria unificada. Mas se este argumento estiver correto, argumenta o autor, não ser encontrariam proporções empíricas como a encontrada nos seus estudos.

Investigações recentes[10] mostram que as sociedades agrárias experimentaram períodos de instabilidade de um século de duração a cada dois ou três séculos. A estes períodos de instabilidade seguiram-se períodos de crescimento da população. Por exemplo, na Europa ocidental, o rápido crescimento populacional durante o século XIII foi seguido pela crise medieval tardia, incluindo a Guerra dos Cem Anos na França, as Guerras Hussitas no Sacro Império Alemão e a Guerra das Duas Rosas na Inglaterra. Essas oscilações entre o crescimento populacional e a instabilidade têm sido chamadas de “ciclos seculares”.

Dadas as limitações dos dados históricos, é necessário um método que estabeleça uma estatística determinante significativa, um padrão. Turchin, juntamente com os seus colegas Sergey Nefedov e Andrey Korotayev, recolheram dados populacionais quantitativos (relativos à capacidade do espaço geográfico), estrutura social (especificamente, os números e níveis de consumo das elites), força do Estado (medida pela sua saúde fiscal) e instabilidade sociopolítica de algumas sociedades históricas. Aplicando a metodologia dos ciclos seculares na Idade Média e nos tempos modernos da Inglaterra, França, o Império Romano e Rússia, descobriram que o número de eventos de instabilidade por década é várias vezes superior quando a população está diminuindo do que quando a população está aumentando. O mesmo padrão foi detetado para oito dinastias que unificaram a China, desde Han aos Quing, e para o Egito, do período helenístico ao período otomano[11].

Relação entre ciclos de bem-estar/baixa desigualdade e imigração/alta desigualdade nos países e sua relação com conflitos bélicos em Inglaterra, França, Rússia e Estados Unidos. Peter Turchin – Talk Slides

Os investigadores, além do “ciclo secular”, identificaram um ciclo de 50 anos que chamaram de “ciclo pai-filho”. Turchin e Nefedov dizem em “Secular cycles”[12]: “Voltando agora aos fatores endógenos, observamos que os modelos demográficos estruturais padrão predizem uma instabilidade sociopolítica contínua e um declínio numérico gradual da classe dominante. Na realidade, porém, a instabilidade aumenta e diminui nas ondas, intercaladas com períodos relativamente pacíficos em média. Esta é uma situação geral durante as fases de desintegração de muitos ciclos seculares e tem sido chamada de ciclo “pais a filhos”. Neste ciclo, o pai responde violentamente a uma perceção de injustiça social; o filho vive com o legado do conflito e não participa nele; A terceira geração retoma as ações violentas. Turchin compara este ciclo a um incêndio florestal que se acende e se apaga, até que se acumula uma quantidade suficiente de vegetação e se reinicia o ciclo.

Ciclos de violência nos Estados Unidos de acordo com os estudos de Peter Turchin. cliodinamics.info

A imagem intitulada US Political Violence Database mostra um estudo dos ciclos de violência nos Estados Unidos causados por várias razões. O gráfico mostra o número de eventos por 5 anos (eixo das ordenadas) para vários tipos de violência: distúrbios, linchamentos, terrorismo e um gráfico que reúne todos os tipos. O gráfico do tempo (eixo das abscissas) começa na Guerra da Independência dos Estados Unidos (1776-83) e termina por volta de 2020. Nesse período, de acordo com os dados recompilados e o padrão do ciclo de pais-filhos, há um pico de violência não registada, o de 1820. Posteriormente, há três picos notáveis de violência. Em 1870 houve confrontos raciais e tensões políticas, com um ponto alto durante a Guerra Civil. Em 1920 ocorreu uma agitação trabalhista, com o sentimento anticomunista surgido após a Primeira Guerra Mundial. Na década de 1970, houve as revoltas do movimento dos direitos civis, mudanças sociais e oposição à guerra do Vietname, que marcou toda uma década. Segundo Turchin, em 2020 os Estados Unidos serão novamente abalados por algum tipo de violência interna, fruto da acumulação das tensões descritas.

Apesar do esforço dos investigadores da cliodinâmica, a história quantitativa tem os seus detratores; não apenas aqueles que pensam que a complexidade da história impede reduzir a sua valorização a umas variáveis desafiadas pela fraqueza dos dados manipulados, mas questionam o método em si. O historiador económico norte americano David S. Landes (1972) alertou para o fetichismo do número e da quantificação:

“Os números, em resumidas contas, não passam de dados. São, entre outras coisas, um auxílio para contrastar hipóteses e dar conteúdo exato a uma análise. Mas eles não são um substituto da análise; não podem dizer-nos o que não lhes perguntamos; e não constituem uma expressão autónoma e nítida de qualquer tipo de realidade objetiva”[13].
José Morales
Publicado no Instituto Internacional Hermes, 18 de março de 2020
Anotações

[1] Peter Turchin formou-se como biólogo teórico, mas nos últimos vinte anos tem trabalhado no campo das ciências sociais históricas. É professor na Universidade de Connecticut, professor externo no Complexity Science Hub-Vienna e Investigador Associado na School of Anthropology da Universidade de Oxford. Tem dirigido investigações. Realiza investigações sobre a evolução cultural e a dinâmica histórica das sociedades passadas e atuais. É autor de sete livros, incluindo War and Peace and War (2005), Secular Cycles (2009) e, mais recentemente, Ultrasociety (2016) e Ages of Discord (2016).

[2] Cliodynamics: History as Science – Peter Turchin. (2019). Recuperado em 30 de dezembro de 2019.

[3] Peter Turchin

[4] 2020 vision. Nat Ecol Evol 4, 1 (2020).

[5] (2020). Recuperado em 18 de março de 2020, em https://www.nature.com/articles/463608a.pdf

[6] Turchin, P. (2008). Surge “cliodynamics”. Nature, 454, 34.

[7] Cliodynamics: History as Science – Peter Turchin. (2019). Recuperado em 31 de dezembro de 2019

[8] Turchin, P., & Nefedov, S. (2009). Secular cycles. Princeton, N.J.: Princeton University Press

[9] Ibid., p. 34

[10] Fischer, D.H. The Great Wave: Price Revolutions and the Rhythm of History (Oxford Univ. Impresso, 1996)

[11] Turchin, P., & Nefedov, S. (2009). Secular cycles. Princeton, N. J.: Princeton University Press

[12] Ibid., p. 7

[13] Moradiellos Garcia, E. (2001). Las caras de Clío (p. 135). Madrid (Espanha): Século XXI de Espanha editores, S.A.

Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
Notificação de