Pressione ESC para fechar

Ética

Necessidade de Ecologia Política

Jorge Angel Livraga 0 810

Nos últimos anos comprovamos um interesse, a nível mundial, sobre a necessidade de harmonizar o Homem com a Natureza. Antigos preconceitos “religiosos”, unidos ao crescimento deformado da nossa civilização materialista degenerada, numa adoração aberrante do técnico–artificial e de um subjetivismo desumanizado, levaram-nos a este momento histórico altamente conflituoso e asfixiante, sumamente perigoso e com pressentimentos de um futuro apocalíptico. Imagem: Palácio de São Bento, Lisboa. Casa do Parlamento Português. Creative Commons

Continue lendo

Para uma Nova Cortesia

Jorge Angel Livraga 0 579

Devemos recrear uma nova cortesia, inspirando-nos no melhor da tradição iniciática, que permitiu a milhares de gerações uma convivência realmente humana que levou a conhecer-se a si mesmos e a perceber os demais através de um prudente culto à verdade, à beleza e à confraternidade. Pois assim como os homens evitam a companhia dos animais ferozes e repugnantes, os deuses afastam-se dos humanos degradados e desagradáveis, agressivos e vulgares. Tal é a lei da natureza que promove uma seleção dos mais aptos.

Continue lendo

O Ser Humano como coisa

Henrique Cachetas 1 985

Ver o Homem como coisa, como um pedaço de matéria animada, alterável, reprogramável, melhorável através do acrescento de peças ou da remoção e troca de partes, físicas ou psicológicas, é castrá-lo daquilo que realmente o faz humano: um ser com vontade, amor e inteligência, com um potencial infinito dentro de si, ainda por descobrir. Essa dimensão desconhecida, nas profundezas da sua subjectividade, esse mistério é aquilo que, tornado consciente, nos pode elevar desde sermos um pedaço de terra que olha o céu numa noite escura, até um pedaço céu que olha a terra para a iluminar.

Continue lendo

A honestidade, verdadeira beleza

Carmen Morales 0 846

A falta de honestidade no ser humano é um problema não só individual, como também social. Uma pessoa honesta inspira confiança enquanto que o contrário gera insegurança, desconfiança e, inclusivamente, temor. As bases das relações humanas fundam-se na confiança mútua e quando esta falta, a sociedade desintegra-se porque sentimo-nos traídos.

Continue lendo