Pressione ESC para fechar

Grécia

Conectando com as Musas

Mirta Lopez 0 610

O célebre aforismo grego “Conhece-te a ti mesmo… e conhecerás o Universo e os Deuses” é o alicerce que nos leva a conceber a nossa verdadeira identidade, o que implica a capacidade de recordar experiências essenciais. Deste modo, na sua lógica conta com que as famosas Musas, filhas de Mnemosine, a memória, inspirem o mundo dos seres humanos como a sua mãe faz no mundo dos Seres Divinos. Como teria dito o admirado Platão, nós, seres humanos, também precisamos recordar a nossa origem divina para não nos perdermos neste mundo que nos rodeia. Hesíodo é quem melhor as descreve e que lhes concede o poder do omniconhecimento. Fá-las indispensáveis para quem quer saber ou fazer algo de real importância. Cantam o passado, presente e futuro para transmitir o conhecimento e abrir uma comunicação entre nós e o mais elevado da Natureza; ou seja, as artes que representam inspiram a estabelecer um elo entre a terra e o céu, entre nós e os deuses.

Continue lendo

Múmias do Antigo Egito II. O Sacerdote Nesperennub

Juan Martín Carpio 0 322

Uma das múmias e as suas cartonagens que nos acompanham nesta exposição é a do sacerdote Nesperennub, da XXII dinastia (943 a.C. – 716 a.C.) cuja capital era a cidade de Bubastis no Delta. Corresponde a uma época de decadência que pode ser considerada como sendo do 3º Período Intermediário. Os seus governantes eram de origem líbia, do povo Meshwesh, berberes. Por que é interessante mencionar estes dados? Bem, para entender que, embora as classes governantes já não possuíssem toda a grandeza, conhecimentos e participação em sistemas iniciáticos internos, há, porém, uma casta sacerdotal que preserva, pelo menos em parte, as tradições antigas. No entanto, tendo isso em conta, nem sempre os elementos simbólicos ou rituais que mencionaremos aqui se mantiveram em vigor em todas as épocas. Nesperennub é filho de outro sacerdote chamado Ankhefenkhons. Entre os seus títulos estavam os de “Aquele que Abre as Duas Portas do Céu em Karnak”. Ou seja, que se declara como um que conhece os “caminhos celestes”, que é capaz de abrir as duas portas, ou seja o possuidor das “duas chaves”, bem como as duas chaves que foram dadas a “Pedro”. Como comenta H. P. Blavatsky em Ísis sem Véu, vol. III, o seu nome “PTR”, embora geralmente seja traduzido por “pedra”, na verdade tem a sua origem na dos antigos sacerdotes “videntes” ou “intérpretes” “peter” ou “patar”.

Continue lendo

Devemos Honrar o Deus Polvo?

José Carlos Fernández 0 1442

Talvez Aristóteles, tão devoto do sistema indutivo, tenha sido influenciado pelas aparências quando chamou o polvo de estúpido, apesar de ter destacado a sua adaptabilidade e capacidade de camuflagem. Claro, um símbolo tem inúmeros matizes, e a falta de sistema ósseo ou equivalente (sendo um molusco), também significa aqueles que não têm princípios, se mimetizam, esperam e depois nos devoram, ou tentam fazê-lo. Imagem: Ânfora do palácio micênico, encontrada na Argolida. Museu Nacional de Arqueologia de Atenas. Creative Commons.

Continue lendo

Filosofia e Simbolismo no filme Mulher-Maravilha

Cleto Saldanha 0 1543

A palavra “amazona”, segundo a etimologia popular grega, provém de a (não) e madzós (seio), ou seja, sem-seios. Segundo esta tradição, estas guerreiras, que eram situadas no Ponto Euxino, na Cítia ou na Lídia, mutilavam o seio direito para poderem manejar com maior destreza o arco. Toda a mitologia tem um aspeto simbólico e neste caso as amazonas representam a mulher que foge da sua natureza feminina para se masculinizar, ou seja, procura ocupar o papel do homem e não completá-lo.

Continue lendo

Dionísio: o Deus que regressa

Françoise Terseur 0 1521

Os mitos gregos são um manancial de sabedoria e traduzem o desejo profundo do ser humano em conquistar a sua transcendência. Liberdade que Prometeu e Dionísio promovem na defesa e emancipação do fatum ou fatalidade derrotista. Dionísio assinala a porta de saída do labirinto, Ele é o arquétipo das futuras gerações.

Continue lendo