Pressione ESC para fechar

Sol

Duat: a Jornada da Alma-Faraó-Sol através das Horas da Noite

Alejandra Arias 0 10

Fernando Schwarz (2), ao explicar os sete níveis de manifestação, diz-nos que no plano astral ou da «manifestação invisível» é onde encontramos os deuses mais próximos dos humanos (Osíris, Ísis, Seth e Néftis). Os deuses vivem neste plano na forma de ba ou duplo divino. Esclarece que, embora o chamemos de «o duplo», na realidade é o primeiro; e são os corpos visíveis os verdadeiros «duplos» ou duplicados desta forma ou matriz. É neste plano, diz-nos, onde se encontra o Duat. Do nosso ponto de vista humano, ainda mais manifestado, o Duat não é subterrâneo, embora esteja representado abaixo do horizonte. Em vez de submundo, Carpio (3) prefere referir-se a ele como «Intra Mundo». «Embora o (a) Duat possa ser concebido como uma espécie de lugar, na realidade é menos um lugar do que uma «condição de ser» que as coisas têm quando deixam a existência física e antes de voltarem a entrar nela» (1). Não é apenas para onde vão os mortos, mas de onde vêm os vivos. «É a fonte de toda vida, saúde e fertilidade no reino físico» (1).

Continue lendo

Thot ou Hermes Trimegistos

João Porto 0 1820

Originalmente Thot é considerado o deus egípcio da sabedoria do conhecimento e da luz. Contudo, do intercâmbio da civilização grega com a egípcia, o deus Thot foi assimilado como Hermes grego, e desse sincretismo resultou o Hermes Trismegistos egípcio (três vezes grande), inventor da escrita hieroglífica, também é-lhe atribuída a revelação da aritmética, da astronomia, da música, medicina, desenho, das ciências como um todo e da magia como prática do conhecimento. Também era conhecido como o “Mestre das Palavras Divinas”, sendo-lhe atribuído a invenção do cômputo dos dias e a criação do calendário com 365 dias, muito semelhante ao que usamos ainda hoje.

Continue lendo

Et Ante Luna Sedis Eius

José Carlos Fernández 0 280

Mais de dez vezes no Museu que guarda as memórias de Emerita Augusta devo ter lido esta inscrição na pedra, e nunca me chamou a atenção. Mas não neste fim de semana, recebemos na Nova Acrópole Lisboa a visita de dois velhos amigos, Juan Carlos del Río e Helena Correas. O primeiro veio[1] para orientar um curso gratuito e público sobre “O que sabe o Google sobre nós?”, três horas fascinantes e divertidas em que nos revelou até que ponto este motor de busca e empresa de publicidade que nos fornece um fluxo quase ilimitado de informações, despe-nos para nos “vender” até um ponto onde nos teria sido difícil imaginar. No domingo fomos ao Museu Gulbenkien, sem dúvida o melhor museu artístico e histórico de Portugal, e nele havia uma Exposição Temporária de importantes peças do Museu de Mérida (entre elas o impressionante Mitra-Cronos). Vendo a placa de pedra e esta inscrição fiquei muito impressionado com o que ela diz: Et Ante Luna Sedis Eius.

Continue lendo

Fogo, Sol e Coração: sua Relação Simbólica

Javier Saura 0 864

Primeiro a ter presente é que vamos falar destes três elementos segundo o simbolismo, e que o simbolismo é a linguagem para falar do sagrado a partir da intuição e não da razão. E neste sentido, fogo, sol e coração são a mesma coisa refletida em três diferentes e complementares planos da realidade.
Quando à noite fazemos uma fogueira no acampamento, todos nos reunimos ao seu redor, tornando-se o fogo no centro dele mesmo, é o centro da união de todos. E isto é o que significam o fogo, o sol e o coração: a união em torno de um centro. Centro que no mundo simbólico é o espírito e os seus valores, que transcendem espaço e tempo.

Continue lendo

O Zodíaco de Johfra: Leão

Eva Garda 0 493

Nesta quarta parte, continuaremos a analisar as lâminas do Zodíaco por Johfra Bosschart (1919-1998). Desta vez, o signo de Leão. Recordemos que nas obras deste artista podemos encontrar ideias do neoplatonismo, passagens bíblicas, cabala judaica, astrologia hermética, gnosticismo, magia e mitologia. O Leão é um signo de Fogo, associado às características deste elemento: extroversão, energia, entusiasmo, iniciativa e auto-suficiência. O regente de Leão é o Sol, centro do Sistema Solar, e é por isso que aqueles nascidos sob este signo são geralmente egocêntricos. Tal como a ideia que formamos do leão pelos relatos e mitos, aquele nascido sob este signo é geralmente forte, corajoso, elegante, nobre, mas também ávido pelo poder. Não aceita rivais ao seu redor, muito menos outro Leão, consciente, como ele, do seu próprio valor. É bom na posição que ocupa na sociedade, tanto no trabalho como em casa, mas precisa de ser aquele que toma as rédeas, porque caso contrário, podem ocorrer confrontos.

Continue lendo

O Dia e a Noite

São outra forma de ciclo, embora repetido num breve tempo que nós, humanos, calculamos como sendo de 24 horas. Este ciclo produz muito menos medo do que o outro maior das estações. Este é notado com mais assiduidade, e embora a nossa memória seja débil, pode recordar de um dia para o outro, de uma noite para a outra. Esta possibilidade de memória retira o medo.

Continue lendo

As Quatro Estações

Quando os cientistas tentam explicar o porquê das variações climáticas que periodicamente se produzem no nosso planeta, fazem referência à inclinação do eixo da Terra em relação ao plano que descreve à volta do sol. Isto, somado ao facto de haver momentos de maior ou menor proximidade ao Sol, faz com que haja diferentes mudanças ao longo de um ano, que agrupamos em quatro e que, tradicionalmente, denominamos estações.

Continue lendo

Luz de Lisboa

José Carlos Fernández 0 741

Os cineastas vêm a Lisboa para filmar, porque sabem desta luz feiticeira. Assim como os publicitários, sendo usada para publicitar interesses menos sagrados do que ela. Os pintores, e os fotógrafos, querem desvendar os seus mistérios fazendo uso dos seus pincéis e do olho da sua câmara, os poetas dedicam-lhe versos e os escritores não se esquecem de incluí-la nos seus relatos e descrições, porque é uma das características mais distintas desta cidade. Os cientistas investigam os seus diferentes raios e frequências, estudam os ventos que formam e limpam o ar, as mini partículas em suspensão que a refletem e dispersam, o efeito diáfano das águas do Tejo que a devolve na face brilhante da sua linfa.

Continue lendo

Borges e os Kenningar da Poesia da Islândia

O que é a poesia? Quantas vezes se definiu como sinónimo de magia, mistério, encantamento. Se Pitágoras estabeleceu o par de opostos limitado–ilimitado, e o próprio Anaximandro, outro dos chamados filósofos Pré-Socráticos, mostra que o apeiron (o indefinido, o ilimitado) é princípio (arkhé), causa, fim e indefinível essência, bem poderíamos afirmar que só o limitado e racional é o prosaico, e o seu oposto, o poético, seria o maravilhoso, o admirável, o milagre portanto, o mundo da imaginação que sustém e dá sentido ao que chamamos “realidade”, o prosaico e quotidiano.

Continue lendo

Etana. O Rei que Voou Até aos Céus

No Ashmolean Museum de Oxford há uma curiosa peça de 4000 anos de antiguidade, conhecida como o «prisma de Weld-Blundell». Foi descoberta num local arqueológico da antiga cidade de Nippur, pelo investigador germano-americano Hermann Hilprecht e, desde a publicação do seu conteúdo em 1906 é, possivelmente, um dos descobrimentos que mais tem dado que falar aos estudiosos, uma vez que contém, escrita em língua suméria e caracteres cuneiformes, uma detalhada lista dos reis sumérios desde os tempos anteriores ao dilúvio até aos reis da dinastia Isin, a última a que faz referência, datada do século XVIII a.C.. 

Continue lendo