Pressione ESC para fechar

Maya

Os Sentimentos

Delia Steinberg Guzmán 0 1315

Quando a esfera de ar se manifesta entre os humanos – e nos animais – surge a psique e a sua expressão característica: os sentimentos. É um mundo amplo, onde talvez Maya se encontre mais à vontade que em qualquer outro lugar. Nunca o homem é tão sensível nem tão falível, nunca é tão débil nem tão forte, nunca é tão grande nem tão pequeno, nunca é tão fácil de convencer como quando se encontra dentro do jogo dos sentimentos. Aqui tudo é ar: nada da solidez da terra onde apoiar-se, nem nada da profundidade racional do fogo da mente onde justificar-se. Os sentimentos movem-se, aéreos, oscilando geralmente entre os dois perigosos extremos: o prazer e a dor, o gosto e o desgosto. E à força de tanto pendular, o homem toma consciência do sofrimento: quando vive o prazer, teme perdê-lo, e então sofre; quando vive a dor, não tem outra coisa senão sofrimentos falíveis nesta esfera sentimental: porque, seja qual for o matiz afetivo que nos domina, temos sempre tendência para cair na dor.

Continue lendo

A História em Crise

Jorge Ángel Livraga 0 803

Penso que a humanidade, e nós como parte dela, estamos um pouco cansados de coisas pré-fabricadas. Não só obtemos as lentilhas enlatadas, mas também as ideias, os conceitos; tudo é pré-fabricado, tudo é pré-pensado. Na Nova Acrópole acreditamos em algo um pouco diferente: que devemos regressar à natureza, mas isto não significa beber a água com as mãos, mas sim regressar ao diálogo, falar, ser filósofos – é assim que nos designamos a nós próprios que humildemente procuramos sabedoria – com todos aqueles que também são filósofos. Já dissemos muitas vezes que a palavra filosofia significa “amor ao conhecimento”. Todos os homens e mulheres que têm amor pelo conhecimento querem saber as respostas às perguntas que muitas vezes nos fazemos em privado: de onde venho, para onde vou, por que estou aqui, porque é que o universo é como é, porque é que existem injustiças sociais, económicas ou políticas, porque é que existem erros históricos, porque é que eu sou como sou e não sou diferente, porque é que nasci homem e não mulher? Estas questões tornam cada um de nós naturalmente filósofos, uma vez que os filósofos nascem, não são feitos. Como um grande filósofo e médico disse há muito tempo: “Só Deus faz médicos e só Deus faz filósofos”. Isso é verdade.

Continue lendo

O Movimento

Delia Steinberg Guzmán 0 595

Tudo vibra. Todo o Universo está em movimento. Embora levados pela ilusão de Maya, às vezes acreditamos sentir quietude e falta de movimento, mas tudo o que está manifestado participa desta lei da ação. Já vimos que, sabiamente disposto por Maya, cada degrau da Natureza é afetado por uma particular forma de movimento. A terra move-se sobre si mesma, ao redor do Sol, dentro da galáxia; e milhares de movimentos afetam-na no seu próprio coração de planeta. A água, o ar e o fogo movem-se na Terra, correndo, soprando, queimando… e movem-se nos seus mundos especiais de vida, emoção e mente. As pedras movem-se resistindo ao movimento, e no limite das suas forças, dilatando-se e contraindo-se. As plantas movem-se crescendo, os animais fazem-no sentindo; e os homens demonstram uma ação onde se conjuga a resistência da pedra, o crescimento da planta, a emotividade do animal e o raciocínio exclusivamente humano.

Continue lendo

A Água

É um elemento tão fundamental no nosso planeta, como a parte sólida que denominamos de terra. É mais: há maior proporção de matéria líquida que de sólida na Terra, e não há parte sólida que, de certa maneira, não esteja embebida, trespassada – ou precise estar – de líquido. O protótipo do aquoso é, para nós, o mar. O mar é como o sangue do planeta, vital, salgado, cheio de energia e dador de força ao mesmo tempo. No mar estão resumidas todas as formas da água: o sal que o compõe, o doce dos rios que nele vão entrar e as chuvas verticais que nascem pela subida do vapor e a descida das gotas líquidas… Por isso os antigos falaram do mar como do sangue, e eles souberam que os seus muitos sais não eram motivo para fazer dele um ser inerte, pesado e quase denso nas profundezas do seu leito. Eles sabiam deste sangue vivo que, dentro dele, transportava várias correntes, frias e quentes, num e noutro sentido, para que essa enorme massa líquida não estivesse nunca em repouso, distribuindo sempre o seu rico caudal energético. Tal como o sangue que circula pelo corpo, usando canais, e dependendo muito das correntes de temperatura…

Continue lendo

O Dia e a Noite

São outra forma de ciclo, embora repetido num breve tempo que nós, humanos, calculamos como sendo de 24 horas. Este ciclo produz muito menos medo do que o outro maior das estações. Este é notado com mais assiduidade, e embora a nossa memória seja débil, pode recordar de um dia para o outro, de uma noite para a outra. Esta possibilidade de memória retira o medo.

Continue lendo

As Quatro Estações

Quando os cientistas tentam explicar o porquê das variações climáticas que periodicamente se produzem no nosso planeta, fazem referência à inclinação do eixo da Terra em relação ao plano que descreve à volta do sol. Isto, somado ao facto de haver momentos de maior ou menor proximidade ao Sol, faz com que haja diferentes mudanças ao longo de um ano, que agrupamos em quatro e que, tradicionalmente, denominamos estações.

Continue lendo

A Natureza

Delia Steinberg Guzmán 0 707

Nada é mais natural para o Homem que a Natureza. Mas não natural no sentido filosófico da questão, como respondendo tudo a um plano ordenado da evolução e da lei divina. Natural no sentido humano, ou seja, que tudo está ao serviço do homem. Tudo existe simplesmente para o beneficiar, ou para que ele extraia benefício das coisas

Continue lendo

O Homem

Delia Steinberg Guzmán 0 700

O homem é, talvez, a criatura mais aprisionada pelos jogos de Maya. Isto acontece porque nele há, considerando a escala evolutiva, algo de pedra, algo de planta, algo de animal e algo que o define como homem. Das pedras, temos o corpo cuja constituição material não difere em nada da das rochas e da terra. Das plantas, temos a possibilidade de vida e crescimento. Com os animais partilhamos o mundo sensível. E o raciocínio aparece como propriamente humano, ainda que sem a perfeição do corpo, a vitalidade das emoções; a mente está a meio caminho de crescimento; a mente é jovem, débil em muitos aspetos, e deixa-se enganar facilmente, caindo, sem demoras, nas redes da ilusão.

Continue lendo

Os Animais

Delia Steinberg Guzmán 0 590

Estranho é este reino da Natureza, de onde a primazia do sentimento, acima de outras características, faz com que nos homens surjam as mais diversas emoções, no que respeita aos animais. Assim, temem-se, amam-se, são-nos indiferentes… mas dificilmente os admiramos, para o qual bastaria apercebermo-nos do destaque que Maya pôs à disposição desta especial forma de vida.

Quando julgamos os animais, colocamo-nos em dois pontos de vista extremos: ou são feras nocivas das quais há que escapar, ou até tentar matar, ou são seres inferiores (aos homens, entenda-se) que podemos submeter e utilizar sem maiores escrúpulos. No intermédio cabem todos os matizes possíveis: já não está só o que caça para comer, mas também o que goza afiando a pontaria sobre um corpo vivo; e não falta o que tortura animais porque a sua cobardia especial o impede de se confrontar com outros humanos mais fortes que ele.

Continue lendo

As Plantas

Delia Steinberg Guzmán 0 776

Também nelas há vida e um maravilhoso princípio de inteligência. E também Maya joga com elas, já que precisa fazer durar e multiplicar as formas deste reino do verde.

Assim como as pedras, as plantas são filhas da terra e do céu; em busca do mistério da terra, afundam-se nas raízes, e bebendo as influências estelares, surgem os ramos, as flores e os frutos.

Continue lendo

As Pedras

Delia Steinberg Guzmán 0 677

Desde a pedra que serve para construir casas e templos até à pedra que forma os caminhos, desde a pedra que se converte num utensílio prático para a vida até à pedra que, bem-talhada, é um adorno bonito e eficaz no corpo, todas elas foram consideradas frias e mortas, e dispomos delas como se a vida no-las devesse em vista dos nossos múltiplos trabalhos.

Continue lendo

A Vida e a Morte

Delia Steinberg Guzmán 0 967

– Alvíssaras, felicidade! Acaba de nascer um menino! O nosso filho chegou à vida!
Assim festejam os homens a aparição de um novo ser sobre a terra. Tudo parece pouco para este pequeno corpito que necessita da proteção mais absoluta e dos cuidados mais carinhosos. Beijos, presentes, lágrimas de alegria e emoção marcam o acontecimento da vida.

Continue lendo

A Solidão

Delia Steinberg Guzmán 0 813

Na sinusoide da existência, há momentos que sobressaem da linha média, aos quais chamamos momentos de vida; e há outros que ficam abaixo do horizonte: são os que chamamos morte. Na realidade, tudo é existência, seja de um ou do outro lado da linha divisória. O fundamental é a passagem dessa linha, seja para nascer ou para morrer.

Continue lendo

O Jogo

Delia Steinerg Guzmán 0 928

Era uma vez uma criança muito séria, tão séria que sentia uma profunda pena das outras crianças que passavam os seus dias a brincar. Esta criança tinha notado que as bonecas, carrinhos, máscaras e outros brinquedos não tinham realidade e valor para os adultos. E assim, ele não quis ser menos e decidiu dispensar estes enganos.

Continue lendo