Pressione ESC para fechar

Justiça

O Desafio da Convivência. Segunda Parte

Carlos Adelantado 0 401

E sempre esteve relacionado com a convivência. A zona de onde venho, antigamente fazia parte do reino da Coroa de Aragão. Há muitos anos tive que fazer um trabalho de investigação. Nos arquivos da Coroa de Aragão, muitos documentos estavam em latim, ou em catalão ou em valenciano antigo. Em documentos de cerca de 1200 é muito curioso que quando se fala de cidades, lugares, aldeias, não dizem “há dez casas” ou, por exemplo, “há 40 famílias em 40 casas”… Não dizem isso. A expressão literal em latim, catalão e valenciano é “em tal cidade há 40 fogos”. É daí que vem a palavra casa: da palavra fogo. Ou seja, quando falamos de fogo, inevitavelmente estamos a falar de convivência: os seres com fogo, os seres humanos, reúnem-se em redor do fogo, em círculos ou em linhas, porque ao fim e ao cabo o que une os seres humanos, de uma maneira ou de outra, é sempre o fogo. Se pensarmos nas características do fogo, perceberemos que, além de muitas outras, o fogo dá-nos luz e calor.

Continue lendo

O Escudo de Héracles e a Identidade do Herói

Franco Soffietti 0 995

O escudo de Héracles é um poema de Hesíodo cuja antiguidade é dificilmente calculável, mas estimada em 2800 anos aproximadamente. Esta obra, inspiradora de homens durante toda a antiguidade nas costas do Mediterrâneo e ao largo e longo da Europa, com influências directas até à modernidade, apresenta-nos um modelo simbólico, arquétipo do ser humano: o herói. Especialmente, estará centrada em Héracles, cuja força e inteligência ainda hoje inundam os corações dos filósofos para que no seu interior cresçam o valor e a virtude. A obra está situada nas cercanias do Oráculo de Delfos, umbigo do mundo helénico. Mais precisamente, nos bosques dedicados ao deus Apolo, divindade da luz, da claridade e da harmonia. Neste lugar sagrado encontrava-se Cicno e seu pai Ares, deus da guerra e “matador de homens”, “cujos gritos faziam estrondear o bosque sagrado”, despojando aqueles que levavam oferendas a Pítia.

Continue lendo

Plotino e os Degraus da Virtude

Henrique Cachetas 4 1545

De acordo com a tradição deixada por Platão, as virtudes cívicas são quatro: a sabedoria, a coragem, a moderação e a justiça. Estas são as virtudes que fazem o nosso eu terreno assemelhar-se tanto quanto é possível a um reflexo do mundo inteligível. Isto é possível pois todas resultam da aplicação de uma mesma Medida, ou seja, de um sentido ético profundo da alma humana, proveniente da Inteligência, que assim consegue conduzir todos os pensamentos, emoções e ações pelo caminho medido, isto é, o caminho reto e virtuoso.

Continue lendo

Comentários à Monarquia de Dante – Livro I

Carmen Morales 0 963

Em 1311, o escritor Dante Aligheiri, também conhecido como “o poeta supremo”, escreveu De Monarchia, um tratado no qual exporia as suas ideias políticas e que é um reflexo da sua filosofia, a cavalo entre o pensamento medieval e o florescente Renascimento. Apesar de que normalmente escrevesse em italiano – não é em vão que é considerado o pai deste idioma – esta obra foi escrita em latim, talvez com a intenção de promover a sua divulgação e fazer chegar o seu conteúdo a uma grande parte dos intelectuais da época.

Continue lendo