Pressione ESC para fechar

Jorge Angel Livraga

Jorge Angel Livraga (1930 – 1991) foi Fundador da Organização Internacional Nova Acrópole.

Uma Breve História do Espírito

Carlos Paiva Neves 0 433

Em tempos, Jorge Angel Livraga (1930-1991) escreveu um artigo, muito interessante, não tanto pelo tema em si mesmo, mas sobretudo pela sua visão sobre a temática. Esse artigo foi intitulado «O que fazem os mortos no além», refletindo numa linguagem acessível, as relações que os mortos têm com os vivos, ou simplesmente, a comunicação entre desencarnados e encarnados. Em certo momento, Jorge Livraga transmite-nos a convivência com o mecanismo da mediunidade, sem referir o termo, escrevendo que «tanto os vivos como os mortos são interdependentes e fazem-nos chegar os seus desejos e temores por uma espécie de telepatia, e nós fazemos o mesmo com eles». Mas logo confessa que esta instrução que nos fornece é voluntariamente limitada. Claramente que Jorge Livraga tem a noção da complexidade deste mecanismo espiritual complexo, muitas vezes conhecido por sexto sentido. A mediunidade é de facto esta capacidade de o ser humano compartilhar o mundo físico e espiritual, apoiado no princípio universal da crença na sobrevivência da alma. A humanidade também tem o seu próprio Espírito, que podemos designar por «Espírito do Mundo», anima mundi, ou simplesmente «Espírito», o Geist ou Weltgeist, entendido como a atividade humana exercida no interior da mente do ser humano. A mediunidade é então um intermediário de si mesmo, proveniente dos níveis mais profundos da personalidade anímica, da consciência subliminar. Geist é um conceito central na obra «A fenomenologia do Espírito», de Georg Friedrich Hegel (1770-1831), que deve ser interiorizada como a história do Espírito ou da Consciência, muito difícil de entender, mas que influenciou muitos outros pensadores.

Continue lendo

Sentido do Mito em Platão

Francisco Duque Videla 0 121

A maioria dos pensadores modernos que recolhem e analisam a obra mítica da epopeia grega, digamos «primitiva», consideram que constitui uma fórmula pré-lógica de conceção dos fenómenos cósmicos e naturais que moveram os gregos. Este traço positivista não abandona a maioria dos historiadores da filosofia. Assim, a interpretação de Tales ou Empédocles é considerada uma transição do mundo mítico para o racional.
Portanto, é surpreendente para estes pensadores que Platão e mesmo Aristóteles voltem ao mito como recurso expressivo, e tentem interpretar esse facto como uma transição gradual de uma «filosofia mítica» até uma «filosofia científica».
Entre os platónicos encontramos a opinião de que Platão, através do seu sentido poético, interpreta os mitos como um meio de quebrar o rigor racional. Atribui-se a sua às ideias religiosas órficas, movimento espiritualista que teve grande influência em alguns dos pré-socráticos, especialmente em Pitágoras.
Geralmente é apresentado em oposição ao Mitos com o Logos, entendendo o primeiro como o conceito pré-lógico antecedente à conceção racional. Contudo, Platão afirma que o conhecimento lógico tende a desaparecer da memória do homem depois de algum tempo mais ou menos extenso, e então permanece fresca a imagem do mito como símbolo do conteúdo filosófico.
Vemos que o significado platónico do mito se aproxima muito de um caráter paradigmático, isto é, como modelo arquetípico de uma realidade que é apenas mimesis, imitação de outra original, eterna e imutável.

Continue lendo

Podem os Desígnios de Deus Ser Conhecidos?

Jorge Ángel Livraga 0 119

Este tema obriga-nos a estar atentos a um primeiro erro que habitualmente cometemos, mais ou menos cegos pelas religiões exotéricas que prevaleceram na nossa educação infantil. Um filósofo como amante da verdade que é, deve evitar personalizar Deus. “Aquilo” que, nós filósofos, chamamos de Deus, não tem propriedades nem podemos atribuir-Lhas. H.P. Blavatsky disse: “Se as vacas tivessem alguma forma religiosa e quisessem representar Deus, é evidente que o representariam com chifres. Não devemos esquecer que todas as religiões são formas exotéricas, adaptadas ao lugar e ao tempo, para beneficiar determinados homens. Assim, os indianos puseram a cabeça de elefante ao seu deus de sabedoria; os egípcios, cabeça de íbis. Assim também, Buda entra no Nirvana com os olhos semifechados, impoluto de toda a sujidade e adormecido; Cristo entra no Reino dos Céus, humanamente sujo e sangrando, depois de ter sofrido a última prova da dúvida, tendo como companheiros dois ladrões. Porém tudo isto é puro exoterismo; revestimento exterior de coisas mais profundas e misteriosas. Quando Platão disse que “jamais o que é vulgar será filósofo”, não cometeu nenhum erro social…; simplesmente disse a verdade. Há que deixar de ser “vulgar” – ou seja exotérico -, para alcançar a verdade do esoterismo.

Continue lendo

Devemos Preservar a Pureza da Natureza… e do Homem

Jorge Ángel Livraga 1 377

Depois da “guerra fria” ou “guerra suja” que se seguiu à Segunda Guerra Mundial, ainda que se tenha mantido o mito dos maus e dos bons, a juventude do Ocidente caiu numa grande confusão. Como se fosse uma criança assustada, na sua intenção de excluir as “palavras malditas” que sobreviveram depois de 1945, também o fez com grande parte da memória coletiva a que chamamos “História”.

Continue lendo

Nova Acrópole como Exemplo de Filosofia Natural e Ativa

José Carlos Fernández 0 340

No Dia Mundial da Filosofia, todos os Centros ou Escolas da Nova Acrópole, internacionalmente, mais de 300, celebram o poder transformador “deste princípio luminoso da razão que recebemos do Céu”. Chamamos a isto Filosofia Natural, porque em vez de se perder de forma estéril nos labirintos da mente, quer ler e lê na natureza infinita que nos rodeia, nos acontecimentos e no seu significado (a que chamamos história), e nos mesmos véus da alma humana, no seu mistério sempre vivo.

Continue lendo

Uma Aproximação à Realidade, de Nilakantha Sri Ram

José Carlos Fernández 0 435

Numa ocasião, Jinarajadasa, sendo Diretor Internacional da Sociedade Teosófica, comentou sobre Sri Ram (1889-1973), que mais tarde seria o seu sucessor no cargo, que era uma personagem, uma alma semelhante àqueles que acompanhavam como sábios e conselheiros os grandes Reis Iniciados do período védico. Todos os que puderam acompanhar as suas ações, discursos e livros diziam que a melhor qualificação para ele era o de Sábio, com maiúsculas.

Continue lendo

A Desintegração da Cultura

Jorge Ángel Livraga 0 340

O conceito de cultura poderia definir-se como o conjunto de valores permanentes, conhecimentos científicos, crenças e experiências que vão sendo acumuladas de geração em geração pela Humanidade. Sendo os componentes da Humanidade fisicamente efémeros, vencem, porém, o tempo e a morte, perpetuando-se na transmissão do melhor de si aos seus próprios descendentes, para que o homem, sempre renovado e jovem, seja “experiencialmente” cada vez mais velho e, portanto, mais apto e mais sábio.
A própria civilização não é mais do que a plasmação de uma cultura no plano concreto, tal como o vaso de barro é a plasmação da ideia que teve previamente o oleiro. Desta forma, sem cultura não há civilização. Pelo menos, não há uma civilização viva, capaz de reproduzir-se em tipos cada vez mais evoluídos. Uma civilização pode perdurar mesmo depois da dissolução da sua cultura, mas fá-lo-á como o cadáver o faz: só brevemente depois da morte. Logo virá o processo de putrefação, e a união harmónica que outrora regentara tudo, converte-se num caótico laboratório químico e físico, povoado de vermes e larvas, coberto apenas por uma mortalha fétida e pela fria lápide da recordação do que foi, mas não é mais.

Continue lendo

Necessidade de Ecologia Política

Jorge Ángel Livraga 0 377

Nos últimos anos comprovamos um interesse, a nível mundial, sobre a necessidade de harmonizar o Homem com a Natureza. Antigos preconceitos “religiosos”, unidos ao crescimento deformado da nossa civilização materialista degenerada, numa adoração aberrante do técnico–artificial e de um subjetivismo desumanizado, levaram-nos a este momento histórico altamente conflituoso e asfixiante, sumamente perigoso e com pressentimentos de um futuro apocalíptico.
É de desejar que não seja demasiado tarde.

Continue lendo

O Progresso É Sinónimo de Mudança?

Jorge Ángel Livraga 0 343

A frase, contundente e redonda como um postulado científico, resume na linguagem direta do grande escritor espanhol que viveu a cavalo entre os séculos XIX e XX, toda uma filosofia de vida. Não deixa uma brecha para introduzir a menor das perguntas: aceita-se ou nega-se.

E é um facto curioso que as asseverações mais absolutas partam, no geral, de pensadores que apresentaram características liberais. Vale a pena determo-nos nisto.

Continue lendo

O Caminho Inverso

Jorge Ángel Livraga 1 826

Quando lemos os textos de História destacam-se as figuras de um Alexandre, um Júlio César, um Napoleão, um Bolívar, como que sobressaindo do seu fundo, de tal maneira, que somente os vemos a eles. É óbvio que não sonharam, trabalharam e lutaram sozinhos, mas isso pouco importa, e as suas silhuetas tremendas cobrem todo o horizonte dos feitos humanos, quase sem deixar lugar para outra coisa que não sejam eles mesmos. Inclusive, quando os seus colaboradores são mencionados, os seus inimigos, os seus amores, as suas amizades, todos estes parecem anões, e se os conhecemos é somente pelo cruzamento circunstancial com a figura do Herói. Se Xantipa não tivesse despejado em público um balde de água sobre a cabeça de Sócrates, o seu nome jamais nos teria chegado e dela sabemos – ou importa-nos saber – pouco mais do que essa historieta.

Continue lendo

Peste!

Jorge Ángel Livraga 0 339

Li muito sobre as diferentes pestes que assolaram o planeta em diferentes épocas e lugares. Vi as maravilhas arquitetónicas que se ergueram em memória do seu término, atribuindo-lhe a intervenção divina, como é disso exemplo a famosa Coluna da Peste de Viena. Viajei repetidamente por países onde diferentes formas de doenças mortais, englobadas na palavra “peste”, são endémicas. No momento em que escrevo, Junho de 1991, a UNDRO comunica que em não menos de 60 países existe alguma forma de peste, e não parece que exagerem. Mas jamais me ocorreu viajar conscientemente até ao foco de uma peste declarada (os chamados países do Terceiro Mundo costumam ocultar as suas doenças para não se desprestigiarem, já que se consideram “em vias de desenvolvimento”, ou simplesmente para não espantar o turismo). Assim se dissimula a doença de chagas, a varíola, a febre amarela, o tétano, a raiva, a triquinose, a doença do sono, o paludismo , etc., que atingem as áreas mais deprimidas com intensidade variável, habitadas pela nossa triste Humanidade, onde pelo menos 60% vive em condições precárias, da qual uns 40% não tem uma melhor esperança de vida do que aquela que tinham os povos de há 4.000 anos na Europa.

Continue lendo

A História em Crise

Jorge Ángel Livraga 0 712

Penso que a humanidade, e nós como parte dela, estamos um pouco cansados de coisas pré-fabricadas. Não só obtemos as lentilhas enlatadas, mas também as ideias, os conceitos; tudo é pré-fabricado, tudo é pré-pensado. Na Nova Acrópole acreditamos em algo um pouco diferente: que devemos regressar à natureza, mas isto não significa beber a água com as mãos, mas sim regressar ao diálogo, falar, ser filósofos – é assim que nos designamos a nós próprios que humildemente procuramos sabedoria – com todos aqueles que também são filósofos. Já dissemos muitas vezes que a palavra filosofia significa “amor ao conhecimento”. Todos os homens e mulheres que têm amor pelo conhecimento querem saber as respostas às perguntas que muitas vezes nos fazemos em privado: de onde venho, para onde vou, por que estou aqui, porque é que o universo é como é, porque é que existem injustiças sociais, económicas ou políticas, porque é que existem erros históricos, porque é que eu sou como sou e não sou diferente, porque é que nasci homem e não mulher? Estas questões tornam cada um de nós naturalmente filósofos, uma vez que os filósofos nascem, não são feitos. Como um grande filósofo e médico disse há muito tempo: “Só Deus faz médicos e só Deus faz filósofos”. Isso é verdade.

Continue lendo

É Imparável o Efeito Estufa?(1)

Jorge Ángel Livraga 0 249

O fenómeno de um progressivo aquecimento da atmosfera está a semear inquietude entre os cientistas e um princípio de pânico entre aqueles que estão sempre preparados para anunciar o fim do mundo, com o perigo de uma psicose coletiva que vem entristecer ainda mais a nossa angustiada civilização. A Agência de Estatísticas da Comunidade Económica Europeia faz-nos saber que 1988, 1987, 1983, 1981, 1980 e 1986, nesta ordem de prioridades, foram os anos mais quentes de todo o século XX. Em detalhe, é referido que os valores mais altos da última década ocorreram no hemisfério sul. Os dados assinalam que enquanto o aumento no hemisfério norte, nos últimos cem anos, não chegou a 1ºC, no sul alcançou 3ºC. Destacamos que estas cifras não devem ser levadas ao pé da letra, pois em boa parte são estimativas resultantes do facto de não ter existido, durante a primeira metade do século2, uma preocupação por este aquecimento; e não ter existido, até há poucos anos, várias estações fiáveis comparativas no hemisfério sul. Embora não tenhamos registado um acordo total entre os especialistas, devido à complexidade teórica das causas possíveis do fenómeno, predomina a opinião generalizada –e muito provável– de que a outrora tão louvada “sociedade de consumo”, com o auge de indústrias, aerossóis, desertificação, aumento demográfico e aeronaves que voam a grande altitude; seja a responsável por um futuro desastre a nível mundial.

Continue lendo

Desde quando Sabemos que a Terra É Redonda?

Jorge Ángel Livraga 0 256

Primeiramente destacamos que o facto de o nosso planeta ser redondo não é evidente a olho nu; e quanto ao facto de que a sua forma se deduz “facilmente” pelos eclipses da lua ao projetar sobre ela a sua “silhueta”, tampouco é certo se não se tem um conhecimento prévio. O acreditar que a humanidade chegou a determinados conhecimentos científicos pela simples via da observação dos elementos naturais, é desconhecer a parte prática do problema, sacrificando a verdade no altar dos sistemas imperantes, que necessitam, para se perpetuar, de fazer crer que o homem, apenas chegando à Ilustração e ao Materialismo, pôde derrubar os mais grossos muros da sua ignorância.

Continue lendo

Porquê a Dor?

Jorge Angel Livraga 0 695

Hoje, perante esta realidade da existência, vamos tocar numa das suas facetas: a dor, o porquê da dor.

Teríamos primeiro de definir o que é a dor. Definir algo, especialmente quando não é físico, mas metafísico, insubstancial, mesmo quando nos afeta profundamente, é sempre difícil. Definir um objeto material é fácil, basta dar as suas medidas, as suas proporções, a sua cor, as suas diferentes qualidades visíveis. Falar do que é invisível, como a dor, o prazer, o amor, o ódio, é muito difícil. De um modo geral, falamos dos seus resultados.

Continue lendo

Ainda Vivem Animais Pre-históricos?

Jorge Ángel Livraga 0 255

São seis da tarde e, mesmo assim, há muito sol sobre a cidade de  Guatemala. Mais além, ao longe,  o verde quase  negro  da  selva  e, ainda mais longe,  montanhas cobertas de vegetação. Na nossa discreta casa de dois andares, uma das principais salas é ocupada por uma pequena coleção de diminutos objetos fragmentados, diferentes daqueles que normalmente se mostram aos turistas nos museus oficiais. Carecem de valor material e não são impressionantes. No entanto, são testemunhas, tão válidas como quaisquer outras, das grandes culturas proto-históricas que habitaram a costa do Pacífico e as selvas de Petén. Estas pequenas cabecinhas de barro, algumas simplesmente cozidas ao sol, ganham vida nas mãos de Alejandro, arqueólogo e filólogo profissional que trabalha para várias universidades da América Latina. Os seus vitais olhos azuis escrutinam cada peça e descobrem características escondidas; representações de deuses, muitos dos quais ignoramos até mesmo o nome, respondem ao seu eloquente conjuro e apresentam-se perante nós, por vezes entrelaçados uns com os outros.

Continue lendo

William Walker. O Mergulhador

Jorge Ángel Livraga 1 1688

Na minha última viagem a Inglaterra, tive a fortuna de visitar a antiga catedral de Winchester. Milenar centro de peregrinação e religiosidade, um dos vórtices mágicos do planeta, o lugar em que no século XI se elevou a atual catedral gótica sobre alicerces normandos que ainda são visíveis no cruzeiro, foi assento de santuários mergulhados no mais remoto passado, anterior ainda aos romanos.

Continue lendo

Perigos do Esoterismo na Era de Aquário

Jorge Ángel Livraga 0 521

No manifestado, tudo é descontínuo e dual. Como as ligações de uma longa cadeia, como os ossos num esqueleto, como as ondas no mar, tudo o que a nossos olhos se mostra, vai conservando particularidades que articulam o conjunto. Mas não devemos ver nisto uma “dialética de oposições”, pois as “oposições” não são outra coisa que complementos de uma imensa Escala Harmónica. E através de tantas coisas e seres como há no Universo, circula potente a corrente da Vida com o seu destino ou direcionalidade, à qual os antigos magos da India chamam Sadhana.

Continue lendo

A Síndrome da Revolução Permanente

Jorge Ángel Livraga 0 886

Consideramos que todo o homem e toda a mulher são naturalmente filósofos. A capacidade ingénita que temos desde a infância de perguntarmos sobre o mundo e procurar respostas atesouramo-la dentro do nosso coração. Então, a vida, com as suas distintas facetas, vai adormecendo essa aptidão, vai recobrindo-a com uma série de elementos que nos fazem olvidar esse filósofo interior.

Continue lendo

Hipnose

Jorge Ángel Livraga 0 558

Etimologicamente, a palavra hipnose advém do grego, de Hipnos, o sonho, irmão mais novo de Tanatos, a morte.

O estado de sono artificial, com a sequência de fenómenos psicológicos e parapsicológicos que se englobam nesta denominação, é conhecido pela Humanidade há muitos milénios, mas a sua imbricação noutras disciplinas mais gerais, como a magia, a feitiçaria e as antigas e modernas formas religiosas, torna impossível fixar o início da sua prática, podendo dizer-se que, tanto os homens pertencentes às altas culturas como aqueles em estado tribal e ainda nómada, a conheceram desde sempre, ainda que o primeiro dado concreto que possuímos é o atribuído à escola hipocrática, que a utilizava para combater os espasmos ou contrações nervosas. Também sabemos que as curas por meio do sono artificial por imposição da vontade do praticante, com ou sem ajuda de drogas, eram utilizadas por médicos chineses em épocas anteriores à dinastia Han, inclusivamente para intervenções cirúrgicas e em alguns casos de parto.

Continue lendo

Não Há Nada Superior à Verdade

Jorge Ángel Livraga 0 665

É notável como uma pessoa no seu são juízo, que frente a uma maçã não se atreveria jamais a afirmar que está diante de um parafuso ou de uma garrafa, mente sobre outras coisas mais importantes com a maior desenvoltura, subvertendo a sua natureza, negando evidências ou afirmando as inexistentes. É óbvio que mentir é um arrebatamento de loucura mais ou menos passageiro e que, por ser habitual, deixámos de considerá-lo seriamente.

Continue lendo

O que Fazem os Mortos no Além

Jorge Ángel Livraga 0 817

A questão da morte, já não como elemento subjetivo que incita à investigação filosófica, mas como algo real, quase tangível, que se aproxima inexoravelmente de todo o ser humano encarnado, foi, é e será algo que preocupa todo aquele que medite sobre isso de maneira autêntica, sem evasivas psicológicas. Nem o facto de estarmos interiormente seguros da nossa imortalidade é suficiente para vermos com indiferença este fenómeno natural que afeta a todos nós.

Continue lendo

Séneca e a Educação dos Príncipes

José Carlos Fernández 0 1177

Há muitos anos, numa aula com o professor Jorge Ángel Livraga (1930-1991), surgiu uma questão sobre a natureza do programa escolástico que seguíamos na Nova Acrópole, que não é só intelectual, mas também de desenvolvimento de valores morais. E ele respondeu, com toda a naturalidade, “claro, porque vós (…) estão a receber uma educação de príncipes”. Essa afirmação, com a espontaneidade e total convicção com que o disse, impressionou-me vivamente…

Continue lendo

A Balsa dos Náufragos

Jorge Ángel Livraga 0 437

À medida que nos vamos aproximando do final do século XX, torna-se mais evidente que estamos às portas de uma nova Idade Média. Os sistemas vigentes da moda tratam de o dissimular com a máscara do progresso, aparentemente imparável, no ramo da eletrónica e da cibernética, e com grandes promessas que, na melhor das hipóteses, alcançarão somente os países desenvolvidos… pois nos outros, que são a grande maioria, os problemas de sobrepopulação, higiene, medicação, reaparição de pestes que se acreditavam superadas, educação, economia, transportes e contínuas guerrilhas, somadas a vícios e toxicopedendência, terrorismo e violação dos direitos humanos fundamentais, são a única esperança que existe.

Continue lendo

A Esfinge

Jorge Ángel Livraga 0 832

Segundo uma remota tradição egípcia recolhida e poetizada pelos gregos, a esfinge é um monstro com corpo de animal e cabeça de homem, que existe e não existe.
Descartando desde já as efémeras formas de crença dos distintos povos, que atribuíram caráter objetivo e tangível a esta criatura, a esfinge é um símbolo. Um símbolo não é uma mera fantasia, mas uma realidade psicológica prenhe de significados.

Continue lendo

As Formas Mentais e como se Dominam

Jorge Ángel Livraga 0 1515

Com a popularização do “Esoterismo” (Falácia: o Esotérico, ao vulgarizar-se e dar-se a conhecer a muitos não suficientemente provados, passa a ser “Exotérico”; o Esoterismo Real jamais será divulgado “aos sete ventos”) criou muitos conceitos e opiniões evidentemente deformadas e carentes de fundamento sólido, o que, com o tempo, beneficia somente o materialismo e ceticismo histórico e produz um crescente número de pessoas destroçadas psíquica e fisicamente pelos “aficionados” das chamadas Ciências Ocultas. Por isso vamos esclarecer alguns pontos fundamentais com uma intencionalidade puramente profilática.

Continue lendo

Porque Treme a Terra?

Jorge Ángel Livraga 0 909

Pouco tempo após a minha chegada a Lima, tive a experiência, que não era nova para mim, de sentir a terra tremer. Perante este, como diante de qualquer outro fenómeno natural mais ou menos impressionante, a nossa endoculturação materialista traz-nos explicações mais empíricas do que filosóficas e, assim, o estudo final e as causas profundas morrem confortavelmente agasalhadas em razões mecânicas que, se bem que expliquem os meios, jamais explicam os fins nem os princípios.

Continue lendo

A Criança Enquanto Mistério Espiritual

Rafael Zamith Pereira 1 1785

Parece existir hoje alguma compreensão, se bem que parcial, sobre a importância da educação da criança para o futuro e para a saúde de uma sociedade. No entanto, não parece haver uma compreensão generalizada e clara sobre o que é a criança, a sua natureza profunda e o mais valoroso e legítimo contributo que pode dar ao mundo. Imagem: Detalhe da obra de Murillo “San Buenaventura e San Leandro”. Domínio Público

Continue lendo