Pressione ESC para fechar

heróis

Uma Arqueologia da Noite. Primeira Parte

Ricardo Martins 0 1507

Quando a noite cai, é como uma tempestade sobre as águas, é como as aves do rio Estinfalo, que, com as suas grandes asas, ocultam a luz quando se poem a voar. Ela oculta todos os mistérios e dá a todas as coisas a melancolia de uma vida que foi interrompida, aos rios e aos mares, aos montes e aos vales, e até aos Homens. E, por vezes, esta melancolia nocturna penetra-nos tão profundamente, que a preservamos em plena luz do sol. A memória da noite torna-se em nós rainha, impede-nos de ver o dia e só traz consigo a constatação dessa mesma melancolia. É verdade, vivemos tempos nocturnos, mesmo de dia. É como se tivéssemos sido cobertos pelo pó de mil ventos ou pelo fumo de algum grande incêndio, vindo de tão longe, que nos parece vir de todo o lugar.

Continue lendo

O Herói nos Animes Japoneses

Carlos Ramos 0 418

Os animes têm-se manifestado cada vez mais relevantes no cultivo imaginário das crianças e jovens europeus e americanos, de tal forma que hoje estão, a meu ver, sistematicamente, a substituir a animação tradicional. Basta-nos passar rapidamente os olhos pelos canais de animação tradicionais, da nossa televisão, para vermos como a qualidade da animação e das temáticas abordadas, nas séries de animação ocidentais, decaíram. Nestes canais, já começam a ser transmitidas algumas séries de animação japonesas mais populares, o que nos mostra como se têm tornado populares no Ocidente.

Continue lendo

A Compaixão e a Glória: o Espírito da Ilíada

María Kokolaki 0 1154

A famosa Guerra de Troia cantada pelo poeta Homero no século VIII a.C., permaneceu no plano da mitologia até que o arqueólogo alemão Schliemann encontrou os restos da cidade durante o século XIX da nossa era. Essa história é um dos grandes fundamentos da nossa cultura globalizada e, como tudo aquilo que se entrelaça com o simbólico, não importa quantas vezes for confrontada, sempre permitirá renovadas e profundas reflexões. Pois, assim como a tragédia na antiga Grécia, os cantos poéticos que se aproximam do eterno têm a característica de permitir que o destinatário reviva o relato no seu interior.

Continue lendo