Pressione ESC para fechar

Fátima Gordillo Santiago

O Meteorito de Winchcombe

Fátima Gordillo Santiago 0 746

Atribui-se a Anaxágoras a ideia de que, a matéria da qual tudo o que existe se formou foi constituída por uma espécie de composição de minúsculas partículas bem como de que “todas as coisas foram encontradas no todo”. Por isso, a teoria de panspermia buscou uma parte da sua fundamentação na ideia do filósofo pré-socrático, evidências dessa vida no planeta que habitamos para postular que a vida, presente em todo o universo, foi distribuída por ele através entre outras coisas, da poeira espacial, dos cometas e dos meteoritos, embora no momento só tenhamos evidências dessa vida no planeta que habitamos.

Continue lendo

A Linguagem das Pinturas Rupestres

Até agora, a crença mais difundida sobre a razão de ser das pinturas rupestres é que se tratava de uma espécie de magia simpática, uma ideia desenvolvida por James George Frazer nos finais do século XIX que foi rapidamente abraçada pela comunidade científica. Esse conceito assumia, basicamente, que as pinturas eram usadas pelos caçadores para invocar ritualmente as forças da natureza, e que estas lhes proporcionaram uma caça bem-sucedida. E. H. Gombrich, na sua obra A História da Arte, refere-se a estas expressões pictóricas dizendo: «É provável que sejam vestígios daquela crença universal no poder de criação das imagens. Por outras palavras: aqueles caçadores primitivos acreditavam que simplesmente pintando as suas presas, talvez com as suas lanças ou machados de pedra, os animais reais sucumbiriam também ao seu poder.

Continue lendo

Etana. O Rei que Voou Até aos Céus

No Ashmolean Museum de Oxford há uma curiosa peça de 4000 anos de antiguidade, conhecida como o «prisma de Weld-Blundell». Foi descoberta num local arqueológico da antiga cidade de Nippur, pelo investigador germano-americano Hermann Hilprecht e, desde a publicação do seu conteúdo em 1906 é, possivelmente, um dos descobrimentos que mais tem dado que falar aos estudiosos, uma vez que contém, escrita em língua suméria e caracteres cuneiformes, uma detalhada lista dos reis sumérios desde os tempos anteriores ao dilúvio até aos reis da dinastia Isin, a última a que faz referência, datada do século XVIII a.C.. 

Continue lendo