Pressione ESC para fechar

Delia Steinberg Guzmán

O Fogo

Delia Steinberg Guzmán 0 155

A Terra move-se com base em transformações que, embora não alterem a sua essência, modificam as suas apresentações. Mudanças químicas, físicas, fervilham continuamente no coração do planeta, e em conjugação com a água, o ar e mesmo o fogo, a Terra altera-se sem mudar o seu lugar no espaço. A água mostra-se dotada de uma maior mobilidade; para ela não há segredos no que diz respeito ao movimento horizontal; rios e mares deslocam-se, com maior ou menor ímpeto, e percorrem as suas bacias de um extremo ao outro, ainda que sempre apoiados na terra-mãe, no suporte necessário para poder mover-se. Só a água das chuvas assume uma atitude vertical, a que se aproxima de outro movimento de espiritualização vertical, como veremos a seguir. E o ar? Este movimenta-se na horizontal e na vertical, varrendo a superfície da terra, e sem necessidade de apoiar-se totalmente nela; não tem a sua origem nas bacias dos mares nem no leito dos rios. O fogo necessita apenas de um ponto de apoio na sua base, e daí em diante, todos os seus movimentos são verticais, uma eterna dança com aspirações à altura, o símile mais acabado da espiritualidade humana que busca o seu Deus acima, apoiando-se apenas no corpo que tem para se expressar.

Continue lendo

A Água

É um elemento tão fundamental no nosso planeta, como a parte sólida que denominamos de terra. É mais: há maior proporção de matéria líquida que de sólida na Terra, e não há parte sólida que, de certa maneira, não esteja embebida, trespassada – ou precise estar – de líquido. O protótipo do aquoso é, para nós, o mar. O mar é como o sangue do planeta, vital, salgado, cheio de energia e dador de força ao mesmo tempo. No mar estão resumidas todas as formas da água: o sal que o compõe, o doce dos rios que nele vão entrar e as chuvas verticais que nascem pela subida do vapor e a descida das gotas líquidas… Por isso os antigos falaram do mar como do sangue, e eles souberam que os seus muitos sais não eram motivo para fazer dele um ser inerte, pesado e quase denso nas profundezas do seu leito. Eles sabiam deste sangue vivo que, dentro dele, transportava várias correntes, frias e quentes, num e noutro sentido, para que essa enorme massa líquida não estivesse nunca em repouso, distribuindo sempre o seu rico caudal energético. Tal como o sangue que circula pelo corpo, usando canais, e dependendo muito das correntes de temperatura…

Continue lendo

O Dia e a Noite

São outra forma de ciclo, embora repetido num breve tempo que nós, humanos, calculamos como sendo de 24 horas. Este ciclo produz muito menos medo do que o outro maior das estações. Este é notado com mais assiduidade, e embora a nossa memória seja débil, pode recordar de um dia para o outro, de uma noite para a outra. Esta possibilidade de memória retira o medo.

Continue lendo

As Quatro Estações

Quando os cientistas tentam explicar o porquê das variações climáticas que periodicamente se produzem no nosso planeta, fazem referência à inclinação do eixo da Terra em relação ao plano que descreve à volta do sol. Isto, somado ao facto de haver momentos de maior ou menor proximidade ao Sol, faz com que haja diferentes mudanças ao longo de um ano, que agrupamos em quatro e que, tradicionalmente, denominamos estações.

Continue lendo

O Homem

Delia Steinberg Guzmán 0 322

O homem é, talvez, a criatura mais aprisionada pelos jogos de Maya. Isto acontece porque nele há, considerando a escala evolutiva, algo de pedra, algo de planta, algo de animal e algo que o define como homem. Das pedras, temos o corpo cuja constituição material não difere em nada da das rochas e da terra. Das plantas, temos a possibilidade de vida e crescimento. Com os animais partilhamos o mundo sensível. E o raciocínio aparece como propriamente humano, ainda que sem a perfeição do corpo, a vitalidade das emoções; a mente está a meio caminho de crescimento; a mente é jovem, débil em muitos aspetos, e deixa-se enganar facilmente, caindo, sem demoras, nas redes da ilusão.

Continue lendo

As Plantas

Delia Steinberg Guzmán 0 516

Também nelas há vida e um maravilhoso princípio de inteligência. E também Maya joga com elas, já que precisa fazer durar e multiplicar as formas deste reino do verde.

Assim como as pedras, as plantas são filhas da terra e do céu; em busca do mistério da terra, afundam-se nas raízes, e bebendo as influências estelares, surgem os ramos, as flores e os frutos.

Continue lendo

As Pedras

Delia Steinberg Guzmán 0 365

Desde a pedra que serve para construir casas e templos até à pedra que forma os caminhos, desde a pedra que se converte num utensílio prático para a vida até à pedra que, bem-talhada, é um adorno bonito e eficaz no corpo, todas elas foram consideradas frias e mortas, e dispomos delas como se a vida no-las devesse em vista dos nossos múltiplos trabalhos.

Continue lendo

A Vida e a Morte

Delia Steinberg Guzmán 0 650

– Alvíssaras, felicidade! Acaba de nascer um menino! O nosso filho chegou à vida!
Assim festejam os homens a aparição de um novo ser sobre a terra. Tudo parece pouco para este pequeno corpito que necessita da proteção mais absoluta e dos cuidados mais carinhosos. Beijos, presentes, lágrimas de alegria e emoção marcam o acontecimento da vida.

Continue lendo

A Solidão

Delia Steinberg Guzmán 0 569

Na sinusoide da existência, há momentos que sobressaem da linha média, aos quais chamamos momentos de vida; e há outros que ficam abaixo do horizonte: são os que chamamos morte. Na realidade, tudo é existência, seja de um ou do outro lado da linha divisória. O fundamental é a passagem dessa linha, seja para nascer ou para morrer.

Continue lendo

O Labirinto

Delia Steinberg Guzmán 0 1840

Muitas vezes, expõem-se as diferenças que existem entre o que é Mito e o que é História. Aceitamos facilmente como História todos aqueles factos que têm uma data, que aconteceram em algum lugar determinado da Terra e que se referem a personagens conhecidos; enfim, factos relevantes nos quais podemos crer porque provêm de historiadores dignos de fé. Por outro lado, falamos de Mitos como de relatos muito mais fantásticos, imprecisos no tempo, difíceis de definir e atribuídos não mais a personagens históricos e reais, mas a personagens fabulosos que, geralmente, não se sabe sequer se existiram.

Continue lendo

Pestes e Desastres

Delia Steinberg Guzmán 0 575

Hoje somos afetados, entre muitos outros males, por doenças novas e desconhecidas que podem ser comparadas às antigas pestes. Também como no passado, surgem questões inevitáveis: é Deus quem envia este castigo aos homens desorientados? São a ambição excessiva e a vaidade humana que criam vírus imbatíveis no anonimato cúmplice dos laboratórios? Maldição divina ou maldade humana? A verdade é que a peste se manifesta com a sua sequência de dor, morte e, como sempre, temor: temor de se ser o próximo, de não se conseguir escapar às suas garras. Imagem: Fiction Germany Honesty

Continue lendo

A Fortaleza Perante as Dificuldades

Delia Steinberg Guzmán 0 1240

Quando se iniciou 2020, ainda não sabíamos o alcance dos momentos difíceis que teríamos que viver. Ao fim de pouco tempo, propagou-se uma pandemia que afetou a maioria – se não todos – os países do mundo, demonstrando que, nestes casos, o que consideramos diferenças não existem. Somos todos seres humanos, somos todos vulneráveis a doenças e a todos nos afecta a dor. Imagem: Atena.

Continue lendo

A História Repete-se?

Delia Steinberg Guzmán 0 1189

Muitos foram os estudantes de história e especialistas nas várias disciplinas – sem contar com os milhares de interessados na questão – que fizeram esta pergunta. É evidente que não existe uma resposta simples e que responder sim ou não requer, no mínimo, que se tenha em conta algumas considerações. Precisamente aquelas que pretendemos abordar aqui da maneira mais humilde nestas páginas. Imagem: A Expulsão dos Judeus, por Roque Gameiro (Quadros da História de Portugal, 1917).Dominio Público

Continue lendo

Sobre a sanidade

Entre tantos valores que se sentem falta, a sanidade ocupa um lugar muito especial. Se estar lúcido é o contrário de estar louco, hoje existem características variadas de loucura em todos os níveis humanos, ao ponto que é difícil reconhecer quem é quem e de onde se encontra o subtil limite que diferencia uns dos outros. Imagem: Alegoria da Prudência. Girolamo Macchietti. Dominio Púlico

Continue lendo

Saúde para a Alma

Delia Steinberg Guzmán 0 1193

À medida que cresce no mundo todo o tipo de preocupações; à medida que as condições de sobrevivência tornam-se mais difíceis em muitos países; à medida que aumentam os confrontos pelos motivos mais absurdos, por mais importantes que até pareçam; apesar de tudo isto, aumenta a ansiedade na procura de uma saúde melhor.

Continue lendo

As Leis da Natureza

Delia Steinberg Guzmán 0 1858

O desconhecido pode ser maior, mais amplo, mais elevado, mais maravilhoso, mais forte, mais luminoso do que conhecemos, mas nunca será absolutamente diferente. Devemos ir ao encontro do desconhecido, ou seja, daquilo que nos falta saber, não com medo, mas com a alegria espiritual daquele que vai descobrindo as leis inexploradas da Natureza e os poderes latentes do homem.

Continue lendo

A Alma da Mulher

Chamou-me a atenção uma página de um jornal em que aparece o seguinte título “as mulheres avançam”. Sim, é possível. É uma longa história de reivindicações, uma longa luta para que a mulher possa ocupar um papel digno dentro da sociedade. Mas não deixo de perguntar-me, se vamos pelo caminho correto, se teremos escolhido a via justa, porque todas estas reivindicações pedem para a mulher maior desenvolvimento económico, maiores possibilidades de trabalho, maior segurança no trabalho, maior respeito, maior dignidade… mas como se fosse um posto, um sitio dentro da sociedade, como se fosse nada mais que um sitio físico. E a minha pergunta é: Vamos pelo caminho correto? Porque muito poucas vezes se toma em conta, além deste sítio, desta dignidade e deste respeito, a alma da mulher.

Continue lendo

O Homem e o Mundo: uma filosofia em ação

Delia Steinberg Guzmán 1 696

Talvez que a maior dificuldade com que se depara a Nova Acrópole seja a de propor uma via espiritual e prática no meio de um conjunto de ideias que tudo materializam em busca de resultados imediatos. As pessoas querem espiritualidade hoje, resultado já amanhã e pretendem ver as mudanças ainda antes de terem transformado o seu próprio ser interior.

Continue lendo

Tristão – o mito e os símbolos

Delia Steinberg Guzmán 0 1012

É difícil encontrar as raízes deste mito-história que se dilui no tempo e que bem conhecemos, pois converteu-se numa das tradições poéticas mais espalhadas na Europa da Idade Média, tendo inspirado narrativas e romances nas Ilhas Britânicas, França Alemanha, Espanha, Noruega, Dinamarca e Itália.

Continue lendo