Pressione ESC para fechar

Delia Steinberg Guzmán

Em Busca do Tempo Perdido

Evidentemente, referir-se a “tempo perdido” não é algo que nos permita fazer uma exposição científica detalhada, ou que nos permita oferecer muitos dados concretos, tal e como agora se usa. Há que estabelecer a diferença, e penso enfocar o tema com singeleza, como se me encontrasse naquelas classes mais reduzidas de discípulos. E como às vezes é difícil falar simplesmente, falar desde o coração, não deveríamos medir tanto os números que devem ser lembrados e, em vez disso, deixar correr um pouco mais essa inspiração interna que todos levamos dentro. Penso que falar do “tempo perdido” é referir-se a um tema que diz respeito, de maneira direta à nossa filosofia prática. Como filósofos, como seres ansiosos de saber um pouco mais, interessa-nos descobrir o valor que se encontra dentro de todas as coisas. Indubitavelmente, o tempo assume um valor muito importante e é sobre isso que devemos falar. Como filósofos não estamos apenas interessados em referirmo-nos aos valores que encerram as coisas, senão que queremos recuperar esses valores. Então, também queremos recuperar esse “tempo” que singelamente sabemos e sentimos que temos perdido…

Continue lendo

A Intuição

Além do pensamento racional que trabalha com as ideias, do qual falamos como estruturando a mente, existe no homem outra forma de pensamento mais subtil, que é a intuição. A primeira forma estende os seus fios para conhecer: o raciocínio; a segunda capta diretamente: é a intuição. Esta segunda possibilidade de conhecimento relacionamos diretamente com a inteligência. Maya, uma vez mais, trocou os fios do seu jogo, e faz-nos crer que inteligência é uma certa habilidade e destreza que vai desde o físico até ao espiritual. Ser “inteligente” é ser “desperto”, rápido, ágil nas reações e, portanto, os homens esforçam-se em desenvolver a inteligência como se se tratasse de uma competição atlética mental. Contudo, a inteligência é um dom de maior penetração; é mais que pensar e raciocinar; é muito mais que responder rapidamente aos estímulos; é poder captar a vida para além da superficialidade com que se nos apresenta. É reconhecer os factos e discernir sobre eles. Inteligência é saber escolher e, ainda mais importante: selecionar entre muitas outras oportunidades, separar o bom do mau, o útil do inútil. Tudo isso é inteligência, tudo isso é trabalhar com a intuição.

Continue lendo

A Conquista Interior

Delia Steinberg Guzmán 0 1263

Fazemos esta publicação como uma pequena homenagem a Delia Steinberg Guzmán, trata-se de um dos seus inúmeros artigos, sempre iluminado por uma clareza extraordinária e um sentido prático que, além disso, demonstrou claramente com o exemplo da sua própria vida. Neste caso, é um dos textos que integra o seu livro Filosofia para vivir (Editorial Nueva Acropolis. Madrid, 2019), e que transmite ensinamentos tão inspiradores como este: «A vida é um tesouro de sabedoria quando se aprende a vencer o medo em cada passo. Trata-se da tua vida, dos teus passos. Não tenhas medo».

Continue lendo

O Pensamento

Delia Steinberg Guzmán 0 724

É um fruto próprio do fogo, próprio da esfera humana, que se cristaliza na mente e na sua forma especial de atuar: o pensamento. Através desta ação podemos unir e relacionar as coisas, entre si e connosco. Nas profundezas do seu ser, onde raramente vive, o homem sente-se só e nota a necessidade imperativa de tomar contacto com as coisas que o rodeiam. Mas fá-lo como uma criança: toma contacto atraindo as coisas para si, procurando possuí-las, tocá-las, olhá-las fixamente… Os elos de ligação mais subtis que podemos ter para com o mundo e os seus objetos são, precisamente, estes elos mentais, que funcionam como ganchos que armadilham as coisas e as aproximam do “Eu”. Quando “pensamos” um objeto, queremos conhecê-lo; conhecê-lo é capturá-lo e interiorizá-lo em nós. Mas não é fácil trabalhar com a mente, pois a sua natureza de fogo torna-a ágil, mutável e fugidia; não é a mesma coisa apanhar uma pedra ou um pensamento, e por isso, no mundo de Maya, é mais fácil definir os metais que aquelas coisas que circulam através do pensamento. É mais fácil atar com cordas que com ideias; é mais fácil aproximar-se de uma alta montanha que do próprio mundo interior.

Continue lendo

A Grande Fuga

Delia Steinberg Guzmán 0 456

Como em todos os períodos críticos da história – e dizemos críticos no sentido de mudança – grandes massas humanas se deslocam de um lugar para outro em busca de um bem-estar indefinível que nem sempre se resume ao plano económico.
Certamente, há grupos que fogem da miséria, da falta de trabalho e, portanto, de meios de subsistência, e viajam milhares de quilómetros tentando encontrar algum paraíso sonhado. O alvo está geralmente nos países mais ricos e desenvolvidos; e a esperança é alcançar esse mesmo padrão de vida quando se chegar ao fantástico território. Acrescente-se a isso a quantidade desproporcional de propaganda que mostra satisfação de forma idealizada, e não é à toa que se produzam fantasias do cinza e preto para o dourado e o brilho. É uma pena que a realidade não corresponda ao que se esperava e novos êxodos recomecem.

Continue lendo

Informação ou Manipulação?

Delia Steinberg Guzmán 0 199

Desde há dezenas de séculos, filósofos de diferentes partes do mundo destacam que é caraterístico da mente conhecer as coisas através de oposições. Comparar, ainda que subconscientemente, o branco e o negro, o frio e o quente – para não citar mais exemplos – ajuda-nos a situar naquilo que podemos conhecer.
Hoje, mais do que nunca, o uso dos opostos é uma realidade, embora seja discutível se estas polaridades nos ajudam a obter um conhecimento adequado ou se, pelo contrário, nos confundem de tal maneira, que é impossível saber quando estamos diante da verdade, da mentira ou de uma nebulosa onde se diluem tanto uma como outra.

Continue lendo

Nova Acrópole como Exemplo de Filosofia Natural e Ativa

José Carlos Fernández 0 534

No Dia Mundial da Filosofia, todos os Centros ou Escolas da Nova Acrópole, internacionalmente, mais de 300, celebram o poder transformador “deste princípio luminoso da razão que recebemos do Céu”. Chamamos a isto Filosofia Natural, porque em vez de se perder de forma estéril nos labirintos da mente, quer ler e lê na natureza infinita que nos rodeia, nos acontecimentos e no seu significado (a que chamamos história), e nos mesmos véus da alma humana, no seu mistério sempre vivo.

Continue lendo

Hoje Vi Uma Estrela

Delia Steinberg Guzmán 0 908

Hoje vi uma estrela…
Eu vi-a com outras estrelas que Deus colocou nos homens: os olhos. E assim, entre os meus olhos e a estrela celeste, estabeleceu-se uma estranha relação de simpatia e um mesmo anseio de luz.
De imediato, apagaram-se da minha mente todos os extensos ensinamentos sobre os sóis que brilham no firmamento; sobre os anos-luz de distância que separam um astro do outro; sobre a matéria inconcebível que compõe esses mundos espaciais, e a estrela que vi assumiu a nova dimensão da Beleza. A sua mensagem não foi o simples facto matemático da sua existência dentro do grande universo.

Continue lendo

Sobre a Cordura

Delia Steinberg Guzmán 0 848

Entre tantos valores que faltam, a cordura ocupa um lugar muito especial. Se ser cordato é o oposto de ser louco, hoje há traços variados de loucura em todos os níveis humanos, ao ponto de ser difícil reconhecer quem é quem e onde está o limite subtil que diferencia uns dos outros.

Continue lendo

As Sete Leis da Natureza. Conselhos da Mãe Terra

Delia Steinberg Guzmán 0 824

Queremos ouvir os conselhos da Terra, e estes não podem ser ouvidos de qualquer maneira, mas devemos pôr em jogo alguns sentidos internos, uns sentidos muito especiais, que normalmente não usamos. Não é muito fácil ouvir a voz da Terra, o que ela nos diz através dos seus movimentos, através das suas acções e das suas reacções. Há algo na Terra que inclui linguagem implícita, e deve ser importante, porque se não fosse assim este dia não lhe teria sido especialmente dedicado. O que significa que ainda temos muito a aprender com o nosso próprio planeta. Desde sempre, os seres humanos foram muito atraídos pelos fenómenos do Universo em geral, e especialmente por aqueles relativos ao mundo em que vivemos. Muitos sábios da antiguidade e do presente têm em conta a precisão matemática que manifesta a Terra nas suas expressões de todo o tipo. E mesmo quando essa precisão é minimamente alterada, ainda a consideramos como parte da sua precisão. Além de toda a crença religiosa, há aqueles que reflectiram essa precisão nas leis matemáticas, e outros que a expressaram em motivos filosóficos.

Continue lendo

Uma Onda de Medo

Juntamente com as conquistas científicas que nos deslumbram todos os dias e mostram a grande capacidade intelectual do homem, vivemos situações psicológicas de terror que nada têm a ver com inteligência. Corre por toda a parte uma onda de medo face às epidemias e catástrofes que assolam o mundo sem que ninguém consiga descobrir as causas, não tanto das epidemias ou catástrofes, mas das raízes do medo. Como em qualquer época de decadência civilizacional, disseminam-se formas irracionais de pânico, como se predominasse o medo ancestral do castigo divino em vez da explicação lógica do que acontece. Costumamos observar duas formas de reação: a vaidade da ignorância que procura destruir os problemas pela força, atacando-os cegamente, ou o medo da ignorância que imagina uma mão vingadora atirando pedras e males dos céus, ou esse mesmo medo que nos faz fechar os olhos aos acontecimentos, como se não os víssemos significasse que não existem.

Continue lendo

Os Grandes Ciclos Estelares. Primeira Parte

O que é isto de falar dos grandes ciclos estelares em pleno século XXI? Isso soa a Astrologia e, de facto, quero referir-me hoje a alguns antigos princípios desta antiga ciência. Não será uma conversa sobre astrologia, nem sobre a forma como essa disciplina foi desenvolvida na antiguidade, ou sobre o que ela buscou ou pretendia em geral, uma vez que de tudo isso, mal ou bem, sabemos algo; mas vamos tocar noutros aspectos daquela antiga Astrologia que, embora não lhe chamemos assim, ainda nos interessa. Alguns destes aspetos foram mencionados no título desta conferência: ciclos, grandes ciclos, períodos maiores ou menores, repetições que nos levam ao longo da vida, tanto individual quanto histórica, a passar por situações semelhantes que poderíamos ou não prevenir de acordo com a maior ou menor habilidade com que focamos estes períodos.

Continue lendo

O Movimento

Delia Steinberg Guzmán 0 625

Tudo vibra. Todo o Universo está em movimento. Embora levados pela ilusão de Maya, às vezes acreditamos sentir quietude e falta de movimento, mas tudo o que está manifestado participa desta lei da ação. Já vimos que, sabiamente disposto por Maya, cada degrau da Natureza é afetado por uma particular forma de movimento. A terra move-se sobre si mesma, ao redor do Sol, dentro da galáxia; e milhares de movimentos afetam-na no seu próprio coração de planeta. A água, o ar e o fogo movem-se na Terra, correndo, soprando, queimando… e movem-se nos seus mundos especiais de vida, emoção e mente. As pedras movem-se resistindo ao movimento, e no limite das suas forças, dilatando-se e contraindo-se. As plantas movem-se crescendo, os animais fazem-no sentindo; e os homens demonstram uma ação onde se conjuga a resistência da pedra, o crescimento da planta, a emotividade do animal e o raciocínio exclusivamente humano.

Continue lendo

Entrevista Delia Steinberg Guzmán, Presidente Honorária da Nova Acrópole

Delia Steinberg Guzmán 0 726

Em 1991, Délia Steinberg tomou posse como Presidente da Nova Acrópole após o falecimento do professor Jorge Angel Livraga Rizzi, seu fundador, com quem colaborou muito estreitamente durante mais de vinte anos de discipulado. Actualmente é Presidente honorífica da Organização Internacional Nova Acrópole. Sob a sua direcção, a Nova Acrópole expandiu-se nos cinco continentes, levando a Filosofia à maneira clássica a todo o tipo de pessoas. Este desenvolvimento foi obtido através dos programas filosóficos, culturais e de voluntariado, dando novos enfoques e também aprofundando a identidade da Nova Acrópole definida nos seus princípios fundacionais. Milhares de membros acropolitanos, amigos, colaboradores, em todo o mundo, demonstram que as respostas filosóficas da Nova Acrópole para estes tempos complexos são válidas e necessárias, pois baseiam-se na sabedoria intemporal que iluminou a humanidade nos momentos mais difíceis.

Continue lendo

O Fogo

Delia Steinberg Guzmán 0 427

A Terra move-se com base em transformações que, embora não alterem a sua essência, modificam as suas apresentações. Mudanças químicas, físicas, fervilham continuamente no coração do planeta, e em conjugação com a água, o ar e mesmo o fogo, a Terra altera-se sem mudar o seu lugar no espaço. A água mostra-se dotada de uma maior mobilidade; para ela não há segredos no que diz respeito ao movimento horizontal; rios e mares deslocam-se, com maior ou menor ímpeto, e percorrem as suas bacias de um extremo ao outro, ainda que sempre apoiados na terra-mãe, no suporte necessário para poder mover-se. Só a água das chuvas assume uma atitude vertical, a que se aproxima de outro movimento de espiritualização vertical, como veremos a seguir. E o ar? Este movimenta-se na horizontal e na vertical, varrendo a superfície da terra, e sem necessidade de apoiar-se totalmente nela; não tem a sua origem nas bacias dos mares nem no leito dos rios. O fogo necessita apenas de um ponto de apoio na sua base, e daí em diante, todos os seus movimentos são verticais, uma eterna dança com aspirações à altura, o símile mais acabado da espiritualidade humana que busca o seu Deus acima, apoiando-se apenas no corpo que tem para se expressar.

Continue lendo

A Água

É um elemento tão fundamental no nosso planeta, como a parte sólida que denominamos de terra. É mais: há maior proporção de matéria líquida que de sólida na Terra, e não há parte sólida que, de certa maneira, não esteja embebida, trespassada – ou precise estar – de líquido. O protótipo do aquoso é, para nós, o mar. O mar é como o sangue do planeta, vital, salgado, cheio de energia e dador de força ao mesmo tempo. No mar estão resumidas todas as formas da água: o sal que o compõe, o doce dos rios que nele vão entrar e as chuvas verticais que nascem pela subida do vapor e a descida das gotas líquidas… Por isso os antigos falaram do mar como do sangue, e eles souberam que os seus muitos sais não eram motivo para fazer dele um ser inerte, pesado e quase denso nas profundezas do seu leito. Eles sabiam deste sangue vivo que, dentro dele, transportava várias correntes, frias e quentes, num e noutro sentido, para que essa enorme massa líquida não estivesse nunca em repouso, distribuindo sempre o seu rico caudal energético. Tal como o sangue que circula pelo corpo, usando canais, e dependendo muito das correntes de temperatura…

Continue lendo

O Dia e a Noite

São outra forma de ciclo, embora repetido num breve tempo que nós, humanos, calculamos como sendo de 24 horas. Este ciclo produz muito menos medo do que o outro maior das estações. Este é notado com mais assiduidade, e embora a nossa memória seja débil, pode recordar de um dia para o outro, de uma noite para a outra. Esta possibilidade de memória retira o medo.

Continue lendo

As Quatro Estações

Quando os cientistas tentam explicar o porquê das variações climáticas que periodicamente se produzem no nosso planeta, fazem referência à inclinação do eixo da Terra em relação ao plano que descreve à volta do sol. Isto, somado ao facto de haver momentos de maior ou menor proximidade ao Sol, faz com que haja diferentes mudanças ao longo de um ano, que agrupamos em quatro e que, tradicionalmente, denominamos estações.

Continue lendo

O Homem

Delia Steinberg Guzmán 0 721

O homem é, talvez, a criatura mais aprisionada pelos jogos de Maya. Isto acontece porque nele há, considerando a escala evolutiva, algo de pedra, algo de planta, algo de animal e algo que o define como homem. Das pedras, temos o corpo cuja constituição material não difere em nada da das rochas e da terra. Das plantas, temos a possibilidade de vida e crescimento. Com os animais partilhamos o mundo sensível. E o raciocínio aparece como propriamente humano, ainda que sem a perfeição do corpo, a vitalidade das emoções; a mente está a meio caminho de crescimento; a mente é jovem, débil em muitos aspetos, e deixa-se enganar facilmente, caindo, sem demoras, nas redes da ilusão.

Continue lendo

As Plantas

Delia Steinberg Guzmán 0 798

Também nelas há vida e um maravilhoso princípio de inteligência. E também Maya joga com elas, já que precisa fazer durar e multiplicar as formas deste reino do verde.

Assim como as pedras, as plantas são filhas da terra e do céu; em busca do mistério da terra, afundam-se nas raízes, e bebendo as influências estelares, surgem os ramos, as flores e os frutos.

Continue lendo

As Pedras

Delia Steinberg Guzmán 0 700

Desde a pedra que serve para construir casas e templos até à pedra que forma os caminhos, desde a pedra que se converte num utensílio prático para a vida até à pedra que, bem-talhada, é um adorno bonito e eficaz no corpo, todas elas foram consideradas frias e mortas, e dispomos delas como se a vida no-las devesse em vista dos nossos múltiplos trabalhos.

Continue lendo

A Vida e a Morte

Delia Steinberg Guzmán 0 973

– Alvíssaras, felicidade! Acaba de nascer um menino! O nosso filho chegou à vida!
Assim festejam os homens a aparição de um novo ser sobre a terra. Tudo parece pouco para este pequeno corpito que necessita da proteção mais absoluta e dos cuidados mais carinhosos. Beijos, presentes, lágrimas de alegria e emoção marcam o acontecimento da vida.

Continue lendo

A Solidão

Delia Steinberg Guzmán 0 830

Na sinusoide da existência, há momentos que sobressaem da linha média, aos quais chamamos momentos de vida; e há outros que ficam abaixo do horizonte: são os que chamamos morte. Na realidade, tudo é existência, seja de um ou do outro lado da linha divisória. O fundamental é a passagem dessa linha, seja para nascer ou para morrer.

Continue lendo

O Labirinto

Delia Steinberg Guzmán 0 3020

Muitas vezes, expõem-se as diferenças que existem entre o que é Mito e o que é História. Aceitamos facilmente como História todos aqueles factos que têm uma data, que aconteceram em algum lugar determinado da Terra e que se referem a personagens conhecidos; enfim, factos relevantes nos quais podemos crer porque provêm de historiadores dignos de fé. Por outro lado, falamos de Mitos como de relatos muito mais fantásticos, imprecisos no tempo, difíceis de definir e atribuídos não mais a personagens históricos e reais, mas a personagens fabulosos que, geralmente, não se sabe sequer se existiram.

Continue lendo

Pestes e Desastres

Delia Steinberg Guzmán 0 761

Hoje somos afetados, entre muitos outros males, por doenças novas e desconhecidas que podem ser comparadas às antigas pestes. Também como no passado, surgem questões inevitáveis: é Deus quem envia este castigo aos homens desorientados? São a ambição excessiva e a vaidade humana que criam vírus imbatíveis no anonimato cúmplice dos laboratórios? Maldição divina ou maldade humana? A verdade é que a peste se manifesta com a sua sequência de dor, morte e, como sempre, temor: temor de se ser o próximo, de não se conseguir escapar às suas garras. Imagem: Fiction Germany Honesty

Continue lendo