Pressione ESC para fechar

Antropologia

Uma Terceira Via para a Evolução. A Grande Aposta de Máximo Sandín

Isabel Pérez Arellano 0 659

A biologia e a antropologia passaram por uma grande transformação nos últimos cinquenta anos. A biologia vem incorporando avanços em diferentes campos, como a genética, a biologia molecular, a biotecnologia… gerando um corpo de descobertas romanceadas que, por inércia, continuaram a ser incluídas dentro dos modelos teóricos existentes. A antropologia sofreu um aumento espectacular de descobertas e fósseis, o que dificulta a sustentação das teorias que nasceram no final do século XIX sobre a origem do homem, mais tarde englobadas dentro do neodarwinismo.

Continue lendo

Mitos, ritos e símbolos – introdução à antropologia do sagrado

José Carlos Fernández 1 3166

A religião não foi um luxo dos que tinham o estômago cheio. A religião é o alfa e o ómega da condição humana. Existe desde o princípio da sua «humanização» (o autor previne-nos que não devemos confundir com «hominização», que é somente morfológica), e persiste durante e enquanto sejamos tais e tenhamos a capacidade de assombro face ao mistério, tal como menciona Aristóteles na sua Metafísica.

Continue lendo

O Ser Humano como coisa

Henrique Cachetas 1 1740

Ver o Homem como coisa, como um pedaço de matéria animada, alterável, reprogramável, melhorável através do acrescento de peças ou da remoção e troca de partes, físicas ou psicológicas, é castrá-lo daquilo que realmente o faz humano: um ser com vontade, amor e inteligência, com um potencial infinito dentro de si, ainda por descobrir. Essa dimensão desconhecida, nas profundezas da sua subjectividade, esse mistério é aquilo que, tornado consciente, nos pode elevar desde sermos um pedaço de terra que olha o céu numa noite escura, até um pedaço céu que olha a terra para a iluminar.

Continue lendo

 O Kalachakra e a Doutrina Secreta de H.P. Blavatsky, uma nota sobre a origem da humanidade

Jose Carlos Fernández 0 1983

A evolução da vida humana na Terra entende-se em termos de uma “descida” de alguns destes seres celestiais, que esgotaram o seu karma positivo, que lhes proporcionava a causa e as condições para a sua pertença nos âmbitos superiores. Não houve um pecado original que provocara a queda, trata-se, simplesmente, da natureza da existência não permanente, da lei de causas e efeitos, que ocasiona a mudança de estados do ser, a sua “morte”.

Continue lendo