A Carta do Adeus de Ibn Bajja (Avempace), o Filósofo Português do Islão (Primeira parte)

“Ainda tenho que comunicar-te algo mais importante e mais necessário que é, por sua vez,
o que mais me agrada e o que mais desejo:
ensinar-te a coisa mais sublime que eu alcancei,
ou seja, a descrição do fim ao qual chega a natureza humana
percorrendo aquele caminho”.

Estas palavras, belas e profundas, foram escritas por Avempace, um dos sábios que mais influenciaram as linhas e direções do pensamento islâmico, primeiro no século XI, e depois durante toda a Idade Média; sendo citação obrigatória e repetida por Ibn Tofail (1105 – 1185), Ibn Rush (1126-1198 d.C., mais conhecido no Ocidente como Averroes), Maimónides (1135-1204); e depois por Santo Alberto Magno e Santo Tomás de Aquino. É, portanto, um dos pilares ideológicos do primeiro milénio da filosofia islâmica.

Nesta citação da “Carta do Adeus”, o autor indica um caminho, o da Sabedoria e um sistema de vida, o do Solitário; que correspondem à alusão platónica do caminho que faz a alma desde as sombras das opiniões, assentes no frágil e caótico mundo das sensações; até à pura luz do Conhecimento Perfeito, fora da escravidão da caverna que é o mundo objetivo.

Este Caminho é o da Filosofia no seu sentido clássico de “Amor à Sabedoria” e o da Iniciação ou renascimento espiritual da alma psíquica em comunhão com o Espírito, chama não criada, fonte e causa última de todo o conhecimento e virtude.

Miguel Asin Palácios, o grande arabista da língua hispana, comentando este parágrafo diz que se trata do método para conseguir a união do intelecto agente e do homem; isto é, o desenvolvimento do Fogo Mental que faz do homem a encarnação de um Deus, um Arquétipo, uma Forma Pura na Mente Divina (usando a linguagem aristotélica de Ibn Bajja).

Abu Bakr Ibn Muhammad Ibn Yahia Ibn al-Saig Bajja, conhecido simplesmente como Ibn Bajja ou melhor, com o seu nome latino de Avempace, nasceu de acordo com alguns (a maioria) em Saragoça, Alguns dizem que, em Córdova; e outros, apontando o patronímico Ibn Bajja (Beja) nestas nossas terras lusitanas e Portucalenses.

O ano? Pouco se sabe, embora se considere provável que seja entre 1085 e 1090. O nome al-Saig indica que a sua família era ourives e, talvez, ele mesmo tenha aprendido, desde criança, este ofício tão aparentado com a Alquimia.

Durante o último quarto do século X, o governo do amerita Almansur bil-Lah (o Vitorioso por Deus), mais conhecido como Almançor – um governo justo, equitativo e poderoso, imaculado – foi o canto do cisne do califado omíada. Depois da sua morte e da do seu filho (recordemos que governavam em nome da dinastia omíada), uma guerra civil despedaçou as terras do al-Andalus e começa o período instável dos reinos Taifa. O cordovês Ibn Hazm viveu este tempo crítico e turbulento; e relata algumas das suas impressões no “Colar da Pomba”, tratado sobre o amor de grande erudição e doçura.

Al-Mundir, da estirpe dos tuyibíes foi o primeiro a proclamar a sua independência em Saragoça, no ano de 1018, e ali governaria até 1038, quando foi removido (violenta remoção!) pelo clã dos Banu Hud. Os amiríes estabeleceram-se e fizeram-se senhores do reino de Valência, os Abaditas  em Sevilha, os yahwaríes em Córdova, e assim uma vintena mais de reinos cuja independência e fragilidade, portanto, permitiria o avanço das tropas cristãs, no norte, e dos exaltados almorávidas a partir das terras de Marraquexe, setenta anos depois.

Neste período, e antes que chegassem, como um vento do deserto, as legiões almorávidas, lideradas por Yusuf (famoso por combater o Cid Campeador), a cultura floresceu como um jardim encantado.

Por volta do ano 1100, encontramos Ibn Bajja em Saragoça, antiga Marca Superior, terra limítrofe do al-Andalus. O rei- Mutamin, e em geral a família dos hudíes, de origem árabe, promoveram artes e ciências e também a filosofia, que é a grande arquitrave e frontispício que as enlaça e justifica.

Cinquenta anos antes, encontramos também em Saragoça Ibn Gabirol (1020-1058), o grande filósofo e poeta da Árvore da Vida, que na sua obra Kether-Malkuth, nos comove intimamente com um hino à Divindade desconhecida e sem nome; um sublime canto, tão longe do sectarismo e rigidez das ortodoxias religiosas como o é o fogo do gelo. Recordemos os versos imortais deste poeta judaico, o Avicebrón de escolástica Medieval, que possivelmente serviram de fonte de inspiração ao nosso filósofo:

Tu és o Uno, o princípio de todo o cômputo
E a base de todo o edifício.
Tu és o Uno, e no mistério da tua Unidade,
 A razão dos sábios se confunde
Pois não conhecem nada sobre isso.
Tu és o Uno, e não diminui ou cresce a tua unidade;
Em ti não há nenhum défice ou excesso.
Tu és o Uno. Mas não como o uno de uma coisa
Que se adquire ou conta.
Pois é inconcebível em Ti a multiplicação ou a mudança.
Tu és Uno sem definição, sem perífrases.
Tu és Uno. Mas ao tentar estabelecer em Ti
Um limite ou uma determinação,
O entendimento desanima-se.
Assim que direi, eu me observarei
Para não cometer nenhum erro na linguagem.
Tu és Uno. Tua sublimidade e tua Transcendência
Não podem ser diminuídas ou rebaixadas.
Por acaso pode o Uno decair?

Estátua de Ibn Gabirol em Caesarea, Israel. Dominio Público

Nestas mesmas alturas, em Saragoça, o médico al-Kirmani dá a conhecer, por entre as almas mais selectas da cidade, as 52 cartas ou escritos esotéricos, chamados agora “Enciclopédia dos Irmãos da Pureza” (Ikwan al-Safa), todo um corpus de conhecimento iniciático, que combina a filosofia platónica, a matemática pitagórica, a astrologia dos caldeus e uma sábia interpretação, mais além da letra morta, do Corão. Esta fraternidade de natureza Ismaelita proclama também uma responsabilidade ativa para estabelecer um reinado de justiça na terra, sob a inspiração, a sabedoria, o amparo e o poder de um Imã oculto. Estamos, desde logo, perante uma Fraternidade Cavalheiresca Iniciática que serviria o Rei do Mundo e cujo ideal de vida e civilização seria muito semelhante ao dos Templários, e fundamentariam também toda a mística dos Assassine e o Velho da Montanha, na sua fortaleza de Alamut.

Esta “Doutrina Secreta do Islão” foi, quase certamente, conhecida por Ibn Bajja; porque na sua grandeza de conhecimento e no seu exemplo de vida descobrimos um Iniciado nos Mistérios. Pois são eles, os Iniciados, e não outros, as forças ocultas que fazem marchar a História em direção a um Ideal de Justiça e de Concórdia; ao reencontro harmonioso e frutífero de todos os seres humanos, numa união divina com a natureza.

A cultura é a flor aberta da alma humana, que assim perpetua o seu aroma e cor no mundo. A civilização é a cristalização poderosa e duradoura dessa cultura, é a pirâmide, que nascida da vontade e da necessidade histórica eleva ao céu como uma oração de trabalho e concórdia, de força e união, o esforço humano. Ambas, cultura e civilização são filhas do tempo, com as limitações e condições em que nasce tudo aquilo que deve morrer. No entanto, ambas, cultura e civilização, filhas, como sabemos, do tempo, deixam no seu seio uma semente ou uma pegada de permanência, tal é a natureza divina da alma humana!

Ambas, cultura e civilização, nascem da terra e elevam-se ao Céu (como uma flor de lótus, a cultura; como uma fortaleza, a civilização), ante um forte apelo, musical e inescapável. É Deus quem pulsa as cordas da História e da consciência humana, fazendo nascer tão belas criações? Chamemos-lhe Deus, Bem, Logos, Vontade-Amor-Inteligência Universal, Espírito e Alma da Natureza, ou, como fazia Paracelso, o íman que magnetiza toda a vida; o que importa? É a chamada do desconhecido e sem limites quem os toltecas chamaram “Noite e Vento” e os egípcios Ammon.

Portanto, tanto a cultura como a civilização dependem e subsistem em virtude de uma seiva mística, de uma chama espiritual, alentada pelas Escolas de Mistérios e pelas almas heróicas de todos os tempos.

Juntando as poucas peças que dispomos do puzzle histórico de al-Andalus, ou melhor, de Saragoça, no início do século XII, encontramos factos interessantes que assinalam um rio oculto de mística e conhecimento. No ano 1100, aproximadamente, o Sufi Ibn al-Arif, de Almeria, ensina em Saragoça a jovens aspirantes aos Mistérios. Entre eles devia encontrar-se, sem dúvida, Ibn Bajja, que com não mais de vinte anos, beberia, embriagado, os seus ensinamentos. Este sábio e místico, Ibn al-Arif, fundou uma escola esotérica em Almería, e amigo ou discípulo dele foi Ibn Qasi, o rei filósofo e mago dos Algarves, que se proclamou Mahdi (Enviado de Deus) e governou a partir do castelo de Mértola, na chamada “revolta dos Muridinos”. Discípulo dos discípulos deste último, encontramos a figura imponente e amável de Ibn Arabi (1165-1240), a tocha mística do Islão. Sábio que, segundo alguns historiadores, viajou até à cidade de Lisboa seguindo as pegadas de Ibn Qasi. Para saber, ou melhor, para imaginar o estado em que se encontrava a alma de Ibn Arabi, meditemos sobre as revelações sinceras que fez no seu livro Futuwah:

O meu coração tornou-se capaz de assumir todas as formas.
É prado de gazelas e convento de monges cristãos:
Templo de ídolos, Kaaba dos peregrinos,
Tábuas da lei judaica e o livro do Corão
Eu vivo na religião do amor, onde quer que se dirijam
As suas cavalgaduras, aí está a minha religião e a minha fé.

Ibn Arabi. Wikimedia Commons

Ibn Bajja apresenta-se como um filósofo; mas ao modo pré-socrático, manifestando um amplo saber em todas as ciências e artes.

Alma educada e dúctil, assombrosos eram os seus dotes musicais, tanto na canção como na interpretação, compondo obras ou dissertando sobre os próprios fundamentos teóricos da música. Recordemos Platão quando afirmava que a música é a expressão sensível da filosofia. Ibn Bajja escreveu, por exemplo, um extenso tratado intitulado “Sobre as Melodias Musicais”, infelizmente, hoje perdido. Compôs também um comentário sobre a música de al-Farabi, também hoje perdido, do qual se disse que fazia inúteis todas as obras anteriormente escritas sobre este assunto.

Inspirado e fecundo poeta, poucos dos seus versos chegaram até aos nossos dias. Alguns arabistas consideram que a ele se deve a forma lírica zéjel, fusão da poesia árabe clássica com os ritmos e melodias de canções cristãs.

Dos seus escritos sobre a Natureza, apenas chegou até nós um manuscrito que comenta a Física de Aristóteles e uma carta ao seu amigo Ibn Hasdai. Fundamenta-se no Timeu de Platão, nos Comentários de Alexandre de Afrodisia (século III) e nas ideias neoplatónicas de Juan Filipón (século VI).

Como botânico elaborou um “Livro de Experiências”, que completou o “Livro sobre os Medicamentos Simples” do Toledense Ibn Wafid (que morreu em 1075), o Abenguefiz dos eruditos farmacêuticos medievais. Mas desta obra, perdida, infelizmente, apenas conhecemos numerosas citações. E ainda que ali onde esteve, exerceu como médico, baseando-se num profundo conhecimento das propriedades curativas das plantas, e escreveu comentários às obras de Galeno, Hipócrates e al-Razi, embora pouco saibamos sobre essas obras. O seu livro Sobre as plantas também perdido, influenciou o tratado De vegetalibus de Alberto Magnus. Só se conservam dois pequenos tratados, Discurso de alguns livros sobre plantas e Sobre o nenúfar.

Como astrónomo escreveu um pequeno tratado sobre geometria e astronomia, utilizando o modelo de esferas excêntricas de Ptolomeu. Recordemos que para a cultura islâmica, tão universalista neste tempo, a Astronomia era o saber por excelência (só inferior à Filosofia, Ciência da alma), saber que era o fundamento da alquimia, da botânica e da astrologia. E que os árabes foram magistrais astrólogos. Valha, como exemplo, a seguinte anedota, relacionada com o califa omíada Abderrahmán III. Consultado um astrólogo, a título experimental, para que lhe dissesse o dia e hora, por qual das portas do salão do trono iria sair; o astrólogo, depois de fazer cálculos precisos, deu-lhe a resposta num documento lacrado. No dia e hora designadas Abderrahmán ordenou, como tinha planeado, abrir uma nova porta no salão, derrubando o muro. E qual foi a sua surpresa quando descobriu que tal ação tinha sido prevista pelo astrólogo. Os sábios astrólogos árabes especializaram-se numa forma muito prática, chamada de astrologia horária, que era de consulta obrigatória para reis e generais.

Ibn Bajja foi também um mestre da arte política e dedicou reflexões importantes sobre esta disciplina fundamental que é uma ciência e uma arte; e que este sábio relacionou com a práxis da filosofia.

Qual seria o seu saber e presença, que em 1110 foi proclamado vizir de Saragoça pelo rei Almorávida Ibn Tifilwit. Durante o vizirato foi encarregado de uma embaixada ao rei deposto Hudi que, na época, ainda conservava a sua independência em Ruta (Rueda de Jalon). Este último declarou-o um traidor e fê-lo prisioneiro durante vários meses. Depois de ter sido libertado Ibn Bajja não retornou a Saragoça – ignoramos os motivos – mas sim para Valência, onde tomou conhecimento da morte do rei Ibn Tifilwit (1117). Em Dezembro de 1118, as tropas cristãs, comandadas por D. Afonso o Batalhador entram em Saragoça. O nosso filósofo dirigiu-se para o oeste de Espanha, mas foi capturado e preso em Játiva pelo almorávida Ibrahim b. Yusuf, acusado (como não?) de heresia. Libertado, possivelmente graças à influência do célebre Qadi Ibn Rush (o avô de Averroes) dirige-se para Almeria, Granada e Sevilha (onde o encontramos em 1135). No mês de Maio de 1139, morrerá em Fez, possivelmente envenenado.

No que diz respeito à política, são os virtuosos, diz Ibn Bajja, os que devem assumir as responsabilidades históricas, o peso do mundo. E os governantes perfeitos, à maneira platónica, serão, unicamente aqueles que tenham conquistado a verdade; aqueles que tenham saído da caverna da ignorância e do egoísmo. Eles, porque se sustêm a si mesmos, podem suster o mundo e podem guiar aqueles que conduzem a História até um horizonte de Luz.

“Sabe, para além disso, que o homem que consegue alcançar este último grau, encontra-se já num estado em que nem a natureza física o combate nem a alma bestial lhe faz guerra. Mas, o conhecimento deste estado, no qual atinge a libertação destes dois assaltantes, quero dizer, da natureza e da alma bestial; é o conhecimento de um estado que não pode revelar, exceto naquilo que eu disse, pois é um estado inefável que vai mais além da linguagem humana pela sua grandeza, pela sua beleza e ainda pelo deleite que produz”.

Das quarenta obras, aproximadamente, que lhe são atribuídas, conservaram-se frequentes comentários aos tratados de lógica de al-Farabi, e é claro que, para ser vizir, teve que conhecer as Leis, a arte militar, a economia, etc., etc.

O caminho e a vida de pessoas como Ibn Bajja é uma vida e um caminho que não fere a terra e sim, deixa atrás de si um rastro de luz e frutos de beleza e bondade. Benditos aqueles que se aproximam dos sábios, quando libam das suas palavras a seiva da vida! Embora a verdadeira união e o verdadeiro encontro não seja neste cenário limitado e mascarado dos sentidos; mas no âmbito das almas. Isto diz, ternamente, ao seu amigo Ibn Abde Alazis, ministro das Finanças de Sevilha dos Almorávidas, a quem dirige a sua Carta do Adeus:

Pois bem. Sobre como, onde e quando eu me encontrarei contigo, se me vejo privado da morte deste corpo com o qual me movo, vou dizer o seguinte: os atos humanos só se diferenciam uns dos outros na sua moralidade, pelas intenções ou fins. Assim, por exemplo, o devoto sincero e o hipócrita realizam ambos um ato exatamente igual, sem outra diferença que não esta: o fim do devoto é fazer-se grato a Deus enquanto que o fim do hipócrita é conseguir que as pessoas acreditem que ele é um devoto sincero. Assim, o ato dum é a virtude e do outro o pecado. Isto mesmo é transparente em todos os atos humanos, por pouco que se observem. Agora, o encontro é um ato humano que às vezes ocorre per accidens, como por exemplo, quando Zaide encontra Amr no caminho sem se ter proposto a isso; mas não é este o encontro que agora estão a tentar procurar. Pode também acontecer que Zaide o tenha proposto com antecedência e se tenha colocado em marcha para consegui-lo. Se assim for, o fim a que Zaide se propôs foi simplesmente deleitar-se com o encontro com Amr – e este será um encontro de natureza animal, uma vez que as bestas participam em comum com o homem neste tipo de encontros – ou procuram um encontro para que qualquer um daqueles que se encontram retire dele um proveito; e este será o encontro desiderativo. Pode ser também que o encontro seja procurado por ambas as partes, a fim de se ajudarem mutuamente a alcançar um bem comum; e este é um encontro próprio dos homens na sociedade política. E o encontro pode ser, por fim, para ensinar e aprender; e este é o encontro intelectual porque se realiza com o entendimento especulativo e teórico. Mas como o conhecimento teórico é de várias classes, também será de várias classes este encontro. O encontro metafísico ou divino, será pois o que tem por objetivo adquirir ou comunicar este ramo da ciência especulativa, razão pela qual é o mais nobre ou sublime de todas as classes de encontro.

Este encontro é, portanto, um meio enquanto a comunicação desta ciência, isto é, o seu ensinamento ou a sua aquisição (a aprendizagem) constituem um fim. Ora bem, uma vez que se alcançam os fins, sobram os meios. Assim, quando este conhecimento seja em ato, o encontro será supérfluo e desnecessário. Contenta-te, pois, em procurar o encontro mais longínquo se por ventura não se possa realizar o encontro corpóreo, uma vez que eu tenha perdido o corpo e não possa por isso mover-me, dado que todo o móbil está dotado de corpo e é, por isso, divisível. Dedica-te, então, a procurar esta espécie de encontro à distância, estudando a ciência especulativa. De modo que sempre que queiras encontrar-te comigo e aqueles que viveram antes de mim, como eu os encontrei, e encontrares tu mais tarde com aqueles que vieram para a vida depois de ti no tempo futuro, consagra-te inteiramente a este grau de ciência e nela encontrarás os teus antepassados em quem Deus se comprazeu, como eles se comprazeram com ele. Essa será a maior vitória.

Avempace. Wikipedia

Esta Carta do Adeus é uma das suas poucas obras íntegra que ainda conservamos, estando dirigida a uma figura pública de Sevilha é fácil pensar que a conheceu durante a sua estadia nesta cidade (o que, desde logo, não é garantido), pois ele já estaria em Fez ou a caminho desta cidade, onde iria encontrar a morte. Dada a natureza e a sabedoria de Ibn Bajja, e o título, tão claro, de Carta do Adeus, quem sabe já teria previsto a chegada deste mensageiro do destino que é a morte.

Nesta Carta desenvolve vários temas em relação com o caminho da filosofia, a senda para os invisíveis e reais arquétipos. A linguagem e as estruturas conceptuais são aristotélicas, a inspiração e as ideias, platónicas e todas as imagens e ensinamentos apontam para uma mística de conhecimento. Em cada linha deste pequeno tratado é evidente a grandeza da sua alma e a penetração da sua inteligência.

Pouco depois de começar, coloca uma equação simples pela qual sabemos que a sua idade é a metade da do destinatário da carta. Diz:

Assim, pois, como talvez não volto a encontrar-te novamente e na minha alma pulsa um ardente desejo de conversar contigo sobre alguns temas gerais dos mais necessários e dignos de preocupar todos os homens; como, além disso, já percorri, do caminho da vida, o espaço que medeia entre a minha idade e a tua, oxalá seja a tua tão longa que vivas mais anos do que os que tenho eu agora…

Aqui está a expressar uma simples equação algébrica y – x = x, que se converte em y = 2x. Onde x é a idade do aluno e y a do professor, a do Mestre Ibn Bajja. E oxalá possas viver y mais. Ou seja, devem ter mais ou menos 30 e 60 anos, respetivamente. Este simples detalhe deve-nos levar a uma importante meditação. Para a filosofia islâmica, assim como para a grega e a renascentista, na verdade, para todas as civilizações antes da mecanização cartesiana do conhecimento, as fórmulas algébricas não estão mortas, mas vivas, como o está a trigonometria (onde percebemos a sabedoria arquetípica dos ângulos ou goniosofía). Não está morta a lógica aristotélica, pois expressa os modos do ser, da realidade; as estruturas mentais vibrantes, vivas que servem de base para a realidade; de acordo com o aforismo egípcio de que “o todo é Mental”. Cada ramo do conhecimento expressa um modo desta vida, laço de união que permite unir na consciência todas as disciplinas científicas. Assim, quando aprendemos, transmutamo-nos na nossa intimidade. Todo o conhecimento reflecte-se naturalmente na vida, que é a sombra da sabedoria, verdadeira vida e luz do conhecimento.

Esta dicotomia entre a realidade pensada e a realidade vivida (em última análise, a res extensa e res cogitans de Descartes), esteriliza a nossa alma, pois submerge-a numa empresa onde todos os caminhos se separam e se quebram. E como a alma, e a vida, é em essência, união e continuidade, desfaz assim, a sua imagem, na escuridão.

Toda a atividade que não faz vibrar a nossa alma mais profunda torna-se estéril e está condenada ao esquecimento e aborrecimento. O estudo da história mostra esta verdade infinitas vezes.

Fim da primeira parte.
José Carlos Fernández

José Carlos Fernández

Director Nacional da Nova Acrópole

Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
Notificação de