Trânsito

Fotografia de Pierre Poulain / www.photos-art.org
Este texto de José Carlos Fernández foi inspirado na fotografia acima de Pierre Poulain, fazendo parte de um projeto intitulado FiloFoto.

Como uma sombra que passa, assim é a vida, assim é o tempo, assim é tudo quanto a nós chega, pois da mesma forma que vem, vai. Como disse um profeta: se permaneces vigilante, ou seja, se é Deus quem olha em ti, verás até as firmes montanhas, estáveis e permanentes, desfazerem-se como sombras na planície. E, porém, no jogo da vida o encontro de um ser humano com outro, sem importar a raça, o credo, a condição social, é sagrado; e desde o berço à tumba vamos sempre acompanhados, dos nossos pais, filhos, amigos, sócios e dessa rede de vínculos nasce a natural felicidade; e nada somos sem o outro; e o solitário vínculo com o Amigo Imortal que vive em nós é essencial, mas insuficiente salvo para almas excelsas.

Mas o que vemos hoje é que os monstros da nossa imaginação, vivificados pela tecnologia pujante e omnipresente, converteram-se no mundo que nos rodeia; onde o ser humano já não é o mais importante, pois a máquina substituiu-o. Como dizia o professor Jorge Angel Livraga (m. em 1991) desenhamos as máquinas e depois as máquinas desenham novos tipos humanos, que adaptem a elas as suas potências vitais e anímicas. Agora elas não são somente cenário, luzes de ribalta, atrativo principal, relógio que marca o ritmo da nossa existência; pouco a pouco convertem-se na própria personagem, e o ser humano, despojado, converte-se – num sentido menos filosófico, mais obscuro e vago – numa sombra que passa, perdendo-se a si mesmo e sem reconhecer o outro, verdadeiro espelho da nossa alma.

Como sombras que passam, vamos empurrados pelas rodas dentadas de um mundo que desenhámos com otimismo mas que agora nos é alheio, pois não nos deu a paz que prometia nem iluminou as nossas sendas com a sonhada felicidade.

Como sombras que passam, vamos carregados com as nossas recordações e experiências, que deveriam alimentar-nos e, em vez de isso, arrastamo-las. Como sombras que passam, é-nos difícil erguer, lançar um grito de desafio ao horizonte e avançar até onde realmente queremos chegar, em vez de dar voltas e voltas no ventre da baleia de Jonas deste mundo máquina.

Relacionados

Mais quatrocentos anos de antiguidade para o Zero? “O que é maior que o Universo e mais pequeno que o mais ínfimo átomo? O que é mais duradouro que a Eternidade e mais breve que um instante?” A respost...
A Mulher de Branco Os filósofos herméticos diziam que tudo aquilo que possamos encontrar fora, com os sentidos, vive como ideia dentro de nós, somos o microcosmos de um ...
Mar Outros vêem no mar o espelho de céu, pois este reflete-se seja no tenso e brunido metal, seja nas suas crispadas ondas, tersas e serenas sempre à dist...
H. P. Blavatsky e a procura espiritual de Elvis Pr... O que é menos conhecido é que o Rei do Rock era um autêntico apaixonado pela sabedoria antiga, motivado pela procura profunda do segredo da vida. Uma ...
As Categorias de Aristóteles, ordem divina ou mate... As Categorias de Aristóteles, fazem parte da matemática da linguagem e do pensamento humano, ou são realmente uma forma de ordem divina da Natureza, q...

1
Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Constantino Romero

Excelente reflexión y fotografía. Jamás el ser humano ha tenido acceso a tanto y ha estado tan desposeído al mismo tiempo, tan ajeno a la vida real, tan aislado, tan confundido y angustiado. La pirámide de Malthus yace en ruinas, y más allá de su promesa, el ser humano no se ha encontrado a sí mismo ni esa base de plenitud que llamamos felicidad. Entre sus ruinas y sombras letales, convertida en laberinto ríe el Minotauro, con una risa sarcrcástica y obscena, babeando la sangre de sus víctimas. Es necesario embanderarse a ideales que nos hagan vivir y constatar que… Read more »

%d bloggers like this: