Qual é a Natureza Humana?

Fotografia de Pierre Poulain / www.photos-art.org
Este texto de José Carlos Fernández foi inspirado na fotografia acima de Pierre Poulain, fazendo parte de um projeto intitulado FiloFoto.

Qual é a natureza humana? Fazer, dançar, viver, segundo os olhos que nos vêem? Para que nos olhem? Esperando que nos olhem? Abertos felizes como a cauda do pavão real ante a sua aprovação? Temerosos como a mimosa frente aos seus olhares sombrios, ou com pânico da sua indiferença?

Não, esse não é o verdadeiro ser humano, este segue as correntes do amor, as da criatividade. Ele não é um pedaço de mundo, alento de dragão; ele é o que faz o mundo — cada vez em maior harmonia com a natureza? — ele é o que luta e ainda vence o dragão. O cenário chama a ação, e a ação gera cenário; o leito do rio conduz as águas no seu seio pétreo, mas ao mesmo tempo as águas vão lavrando o seu curso, impercetivelmente. O caminho chama o caminhante, e o caminhante faz o caminho, mas não há caminho sem caminhante nem caminhante sem caminho. Os círculos e os terreiros chamam à dança, mas é a dança quem converte os terreiros em cenários. O amor, a chama inquieta do génio, a necessidade de criar beleza e de viver ao ritmo acorde da Beleza: assim avança a alma humana. O costume, a necessidade de aprovação sem ter em conta a estatura real de quem nos deve aprovar, o preconceito; detêm-na, estancam-na. Ah, mas quando alguém mostra a sua coragem de ser e criar e dançar segundo o ritmo espontâneo da sua própria alma, todos nos sentimos como aves sem asas, somente com cotos, que querem seguir o voo audaz de quem saúda o céu com a sua pujante liberdade!

Relacionados

As Categorias de Aristóteles, ordem divina ou mate... As Categorias de Aristóteles, fazem parte da matemática da linguagem e do pensamento humano, ou são realmente uma forma de ordem divina da Natureza, q...
Amanhã faço melhor… A Natureza, dizem-nos os grandes livros de Sabedoria Oriental, tem três características básicas, das quais participa também e em elevado grau, o homem...
Reflexo de árvores: a Arte da Natureza O artista, então, não só reproduz, como um ente mecânico. Depura e transmuta, como o alquimista, e através do crivo da sua imaginação e das suas mãos ...
A Mulher de Branco Os filósofos herméticos diziam que tudo aquilo que possamos encontrar fora, com os sentidos, vive como ideia dentro de nós, somos o microcosmos de um ...
A Festa do Trabalho Alimentar-se com cinza do sacrifício é não buscar, cego pelo desejo, o benefício na ação que realizas, mas banhar-te na alegria da própria ação, boa, ...

1
Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Constantino Romero

El ser humano, efectivamente, no es un ente mecánico, tiene en sí un poder que le permite imaginar y crear. Esto lo expresa el Islam diciendo que el primer Adán puede decir el nombre de los seres y cosas, algo que sólo puede hacer él y Dios, pero ninguno de los Ángeles. En la Biblia es el haber comido del fruto de la ciencia del bien y del mal. En Grecia disponer del fuego robado a los dioses por Prometeo. Pero luego sus creaciones le modelan, le limitan, le influyen y aún casi determinan. Como con las máquinas, que las… Read more »

%d bloggers like this: