Presente de Natal novo ou usado? Eis a escolha…

Mais um ano que finda e à volta da árvore enfeitada de luz juntam-se as famílias para celebrarem o Natal, uma remota tradição celebrando o Sol Invicto, símbolo da luz que nunca morre e que no Solstício de Inverno chega ao seu ponto mais baixo do nosso horizonte.

Há mais de 2.000 anos atrás nasceu na Judeia Jesus, o menino de ouro, filho da Luz que irá erguer um novo império espiritual sobre os destroços de um mundo em decomposição. Já passaram muitos séculos e se bem que muitas gerações se esforçassem em superar os velhos temores, ódios e rancores, estes acabaram por contaminar o futuro que depois de muitas recaídas perdura o sonho com um admirável Mundo Novo.

A “idade do gelo” que se aproxima e da qual tanto se tem falado, não é mais que o frio do egoísmo que petrifica o fluir da vida, e se estamos em pleno inverno civilizatório é porque os nossos corações estão prisioneiros de um gelado egocentrismo.

Em cada Natal surge uma nova oportunidade de quebrar o gelo do separativismo e, junto das luzes que iluminam a noite escura, enchem-se os nossos olhos do brilho da esperança de um amanhã melhor. Abraçamos o futuro com o desejo de conseguirmos realizar os nossos sonhos embrulhados em papel enfeitado. O sabor por algo novo que pode acontecer invade o coração dos homens e na nossa tão forte sociedade de consumo o novo é sempre apetitivo. O novo traz a ilusão daquilo que ainda não conseguimos recriar em nós mesmos, cada vez mais machucados por esta sociedade alienada pelo materialismo e pela luta desenfreada por uma rivalidade de sobrevivência. Só nos resta por isso desejar o novo e rejeitar o usado, o velho e o desgastado. A expectativa da novidade, produto da constante insatisfação e do nosso vazio existencial, lança-nos no delírio dos excessos das festas natalícias, resultado de mais um ano de frustrações e restrições.

Sem querer ser antiquada, não posso no entanto deixar de recordar aquele tempo, talvez sonhado, onde o usado era restaurado para durar um ano mais, os móveis duravam gerações, as roupas eram adaptadas e “remendadas”. Não se falava naquele tempo de reciclagem porque tudo era naturalmente reutilizado. O trabalho manual era valorizado e não se deitava fora algo por uma mera avaria. Também a família se regenerava com amor e paciência, aprendia-se a dar novas oportunidades aos sentimentos devastados pelo tédio da rotina e das crises necessárias a cada ser humano para atravessar o seu caminho da vida. O valor da união predominava sobre a realização pessoal e, mesmo sendo aparência, mantinha-se o leme do barco no meio da tempestade porque acreditava-se na continuidade dos valores e na durabilidade dos sentimentos. Faziam-se sacrifícios e aprendia-se a perdoar, acreditando-se na superação pessoal em prole dos compromissos. Os mais velhos viviam no aconchego do ninho familiar porque envelhecer não era sinónimo de desprezo. A criança, o elo mais novo desta célula humana, representava a inocência que deve ser orientada para o bem e por isso os brinquedos serviam como modelo de encantamento e de crescimento. É curioso observarmos até que ponto hoje constituímos uma sociedade infantilizada que só valoriza o brinquedo novo que o consumismo promove para distrair a nossa atenção. Fazem-se longas filas para comprar o novo objecto de marca que invade o mercado das novas tecnologias. O luxo está na moda, mesmo disfarçado de calças rasgadas não consegue ocultar as tantas desigualdades sociais de que o mundo padece. Na companhia de smartphones, tablets, videojogos e facebook jantamos entre amigos virtuais que gostam de nós na confortável distância das redes sociais. As nossas vidas cada vez mais vazias de vivências e profundidade empurram-nos para a frente na busca da última moda ou novidade que o “Pai Natal” nos vende como prémio de felicidade.

Voluntários da Organização Internacional Nova Acrópole em Barcelona depois de uma recolha de bens para entregar no Natal.

Se eu tivesse o poder de Charles Dickens invocaria para todos nós uma noite de Natal como a do Sr. Scrooge para que junto à Árvore da Vida pudesse invocar os fantasmas das nossas memórias responsáveis pelo afastamento do Espírito de Natal. Como nos contos das “Mil e uma Noites”, tiremos do baú a velha lâmpada de Aladino e depois de muito a esfregarmos veremos de novo iluminar-se a noite. Para ti, amigo desconhecido, partilho este presente que foi mil e uma vezes usado e mil e uma vezes substituído, mas não te preocupes, o génio adormecido continua à tua espera, basta esfregares a lâmpada e o menino de ouro, que tanto quero ver renascer, aguarda para que te possa sussurrar ao ouvido: “Natal é quando tu quiseres!”.

Relacionados

La historia universal con un propósito cosmopolita... La unión de esfuerzos voluntarios podría suscitar, en todos los interesados en un mundo mejor, un sentido del todo que, después de muchas revoluciones...
Necessidade de homens bons Não houve nenhum filósofo nem pensador que pusesse em dúvida tal necessidade, embora com a queda do Mundo Clássico, isto, evidente em si mesmo, ficass...
Estação onze, um futuro apocalíptico duro, mas esp... Este romance vai mais além do seu argumento e do que está escrito, original e ambicioso; submerge-nos num mundo distinto e obriga-nos a refletir sobre...
Viagem à alma do Egipto na Coração Amarelo de Lisb... Quantas bênçãos do céu pode atrair então esta Associação, Coração Amarelo! Vê-se na bondade e atenção dos seus voluntários, no seu sorriso e paciência...
Nostalgia do Éden: a origem do movimento hippie Na memória da água como na memória da Alma humana encontramos a mesma vontade de voltar à sua Essência para fundir a parte com o todo, a gota no ocean...

Deixe um comentário

Deixar uma resposta