Os Quadrados Mágicos na terapia antiga

Conferência apresentada pelo Prof. José Carlos Fernández, Diretor da Nova Acrópole em Portugal, no Congresso de História das Ciências da Saúde – Phármakon.

O Prof. José Carlos Fernández na conferência intitulada “Los Cuadrados Mágicos en la Terapéutica antigua: en China, en el Islam, Edad Media y Paracelso” demonstrou como o uso destes quadrados foi de uso generalizado em muitas culturas espalhadas pelos diferentes continentes, desde o Islão, onde Al Gazzali expõe o seu efeito para ajudar ao parto, ideia que se volta a encontrar na Índia e na sua obra médica Siddhayoga de Vrinda. Na China encontramos a mais antiga referência ao uso destes quadrados mágicos, embora muito provavelmente importados da Índia, e que utilizaram num amplo domínio de aplicações: médico, adivinhatório, arquitectónico, ritual, mágico, metereológico, astrológico, filosófico e mesmo para o conhecimento da alma humana. Mas também o uso destes talismãs se encontrou em muitas tribos da África Ocidental, tanto para finalidades terapêuticas como apotrópicas nos mais variados suportes, desde os de uso pessoal à construção das casas. O Prof. José Carlos Fernández deu ainda destaque e uma profunda explicação relativamente ao famoso quadrado mágico “Melancolia” do pintor Albretch Durer.

Foi verdadeiramente um percurso fascinante sobre a concepção, valor e utilização dos quadrados mágicos e que podes assistir na integra no vídeo.

Comentários

Relacionados

Agni – o Fogo do sacrifício Desde dos primórdios da presença humana, o fogo exerce um fascínio, enquanto que todas as outras criaturas fogem na sua presença, o homem conseguiu ul...
As escolas médicas e filosóficas na Grécia antiga... A saúde é o resultado do equilíbrio das partes com o todo. Corpo, alma e sociedade eram considerados na Grécia como um todo inseparável, e portanto a ...
Dionísio: o Deus que regressa Os mitos gregos são um manancial de sabedoria e traduzem o desejo profundo do ser humano em conquistar a sua transcendência. Liberdade que Prometeu e ...