Os perigos de ser individualista

No mundo dos idealistas existe um perigo que, agachado e dissimulado, se converte, mais cedo ou mais tarde, na própria destruição dos idealistas.

Esse perigo é o exagerado e mal entendido individualismo.

Entendemos que o individualismo dos idealistas é, no princípio, nada mais do que uma afirmação da busca do próprio Ser, infinitamente grande e infinitamente solitário perante o Mistério de Deus. No entanto, esse sentimento, multiplicado e derramado sobre o mundo exterior, faz dos idealistas seres solitários, seres que se julgam grandes por carregarem uma ideia, mas que não procuram fortalecer-se na União com Ideias irmãs.

Deste modo, os grandes sonhadores, os grandes inventores, os grandes visionários, perecem na solidão da incompreensão, sem chegar a transmitir as suas vivências, cortando toda a continuidade e progressão através dos tempos. Não é raro, pois, que a amargura e desencanto possuam estes seres, que de outra maneira estariam destinados a mudar os grandes desígnios da História.

Logicamente não é fácil transmitir na sua totalidade as grandes ideias dos grandes Homens, nem fazê-las serem compreendidas por todos. Mas as grandes ideias são como o Sol que ilumina por igual todas as coisas, mesmo que a distância faça com que algumas recebam mais ou menos os seus raios. Assim, como o Sol é benéfico, mesmo quando os seus raios são um tanto distantes e frios, e essa pouca luz e calor são preferíveis à obscuridade e ao gelo absolutos, também é preferível verter as ideias superiores sobre todo o mundo, deixando que elas vão banhando todas as coisas e seres à medida que estes crescem em direção a elas.

É aqui que a individualidade exacerbada do idealista deve transformar-se numa busca de almas afins e na unidade efetiva com essas almas. É aqui que a descoberta do ser interior deve servir como impulso para que muitos outros possam obter realizações iguais pelo caminho do exemplo vivo e prático.

O erro consiste em confundir separatividade com individualismo. Assim, os que temem perder as suas características pessoais, optam por permanecer separados, crendo que desse modo preservam o que, na realidade, se torna cada vez mais forte com quantos mais seres humanos for partilhado. Não se trata de deixar de se ser a si mesmo, mas sim de se ser mais na participação dos ideais. Como os pais se firmam nos seus filhos, como as árvores se fortalecem nas suas folhas e frutos multiplicados, como o Céu se engrandece na luz infinita das suas estrelas.

Hoje o Mundo pede União. A falsa individualidade é sinal de debilidade, e só a força da União poderá fazer frente aos inimigos da dissolução: o avanço do materialismo, a falta de Fé em Deus e em si mesmos, a rotura de todos os esquemas fundamentais da civilização.

Como um círculo mágico, onde é difícil assinalar o início e o fim, pois ambos coincidem num ponto, repetiremos mais uma vez que “A União faz a Força” e, pela mesma razão, “A Força faz a União”.

Apenas os Homens fortes sabem viver unidos sem deixarem de ser eles mesmos; apenas os que vivem unidos por um Ideal serão tão fortes quanto a própria ideia.

Relacionados

Problemas pessoais no caminho do conhecimento de s... Porque temos estes problemas pessoais, basicamente emocionais? Por falta de conhecimento dos próprios mecanismos emocionais e, por conseguinte, pela i...
O Valor do Trabalho A Vida é como uma corrente que flui, que está em movimento e nós não podemos estar fora da Vida. Assim, cabe-nos fluir, mover, actuar e trabalhar.
O perfume das flores temporãs É lógico que no meio destas aventuras e encontros de fraternidade surjam também conversações da alma, essas que deixam impressões inapagáveis e dão se...
A honestidade, verdadeira beleza A falta de honestidade no ser humano é um problema não só individual, como também social. Uma pessoa honesta inspira confiança enquanto que o contrári...

1
Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Miguel Tavares

Sim, sem dúvida. Penso que o individualismo muitas vezes se propaga na alma humana a coberto das boas intensões. Por exemplo, no querer alcançar um objectivo, centrando o foco no objectivo em si e descuidando quase por completo o processo educativo que decorre desde o começar até ao fim da empresa. Esta educação é aquela que liberta a vida tanto no director do projecto como na dos seus colaboradores. Às páginas tantas vêem-se os responsáveis ou responsável arrastando os colaboradores ao invés de emancipa-los na acção. Isto poderá ter origem nessa ânsia de fins ou na incapacidade de nos colocarmos… Read more »

%d bloggers like this: