O nome secreto de Roma

Muitos foram os investigadores que se dedicaram ao tópico do «nome secreto de Roma» e à divindade protectora da cidade, directamente relacionada com ele.[1] Como tal, não se pretende com este breve artigo dar uma resposta concreta à questão, desenvolve-la, nem negar todo o trabalho feito até aqui. Procuramos simplesmente informar o leitor sobre as principais fontes e indícios que sugerem que o nome secreto de Roma era, na realidade «Amor», e por onde devemos começar a investigar se o pretendermos compreender.

Na simbólica 12ª linha do Versus Romae (da segunda metade do séc. IX), Kantorowicz[2] viu o eixo (e a unidade) de todas as 24 linhas do poema,

Roma tibi subito motibus ibit amor.

Roma, o amor chegará até ti subitamente, com violência.

e sugeriu que o palíndromo ROMA-AMOR fosse muito antigo, facto atestado por um conjunto de moedas do período de Constantino com a inscrição ΕΡΩΣ.[3]

A informação mais detalhada que temos, é, no entanto, tardia (séc. VI), e surge-nos em Laurêncio Lido, no De Mensibus (4.73), onde lemos:

No 11º dia antes das Calendas de Maio [21 de Abril], Rómulo fundou Roma […]. Ele mesmo, pegando numa corneta sagrada – na sua linguagem os Romanos habitualmente chamavam-lhe lituus, de litḗ [gr. «oração»] – proclamou o nome da cidade, assumindo a liderança da iniciação sagrada. E a cidade tinha três nomes: um [nome] iniciático, um [nome] sagrado; e um [nome] político. O [nome] iniciático era Amor, ou seja, Amor [Érōs], de forma a que todos fossem firmemente mantidos em torno da cidade pelo amor divino – e por esta razão, o poeta [Virgílio] chama enigmaticamente à cidade Amaryllis [uma flor, do grego amarýssō, «brilhar»] na sua poesia bucólica. O [nome] sagrado era Flora [Phlō̂ra], ou seja, “Florescente” [ánthousa] – já que o festival das Antestérias [recebia o seu nome] de acordo com isto. O [nome] político era Roma. Ora, o nome sagrado era conhecido de todos, e era pronunciado sem medo, mas o [nome] iniciático foi confiado apenas aos altos sacerdotes para que o pronunciassem durante os ritos sagrados. E diz-se que um dos magistrados foi castigado porque se atreveu a pronunciar abertamente o nome iniciático na cidade, perante o povo.

Mapa de Roma Antiga / wikimedia

No Comentário à Eneida (1.277), Sérvio refere-nos a existência de um ritual do nome de Roma,  relatado por Varrão, onde se menciona a execução de Quinto Valério Sorano, por este ter revelado o nome secreto:[4]

urbis enim illius uerum nomen nemo uel in sacris enuntiat. denique tribunus plebei quidam Valerius Soranus, ut ait Varro et multi alii, hoc nomen ausus enuntiare, ut quidam dicunt raptus a senatu et in crucem leuatus est, ut alii, metu supplicii fugit et in Sicilia comprehensus a praetore praecepto senatus occisus est. hoc autem urbis nomen ne Hyginus quidem cum de situ urbis loqueretur expressit.

Ninguém pronuncia o verdadeiro nome da cidade, mesmo nos rituais. E de facto, certo tribuno da plebe, Valério Solano, diz Varrão e muitos outros, ousando pronunciar o seu nome, foi, como dizem alguns, preso pelo Senado e crucificado, outros dizem que fugiu com medo do castigo e foi apanhado na Sicília pelo governador e executado por ordem do senado. Nem mesmo Higino, quando fala da localização da cidade, dá este nome à cidade.[5]

E no Comentário às Geórgicas (1.498):

patri dii (…) indigetes (…) Vestaque (…) poetice: nam uerum nomen eius numinis, quod urbi Romae praeest, sciri sacrorum lege prohibetur

Os deuses da pátria (…) os Indigetes (…) e a mãe Vesta (…) [dizem] com licença poética, que o verdadeiro nome do poder da cidade de Roma está proibido de ser conhecido pela lei sagrada.[6]

Alto relevo do Arco do Triunfo de Marco Aurélio / wikimedia

Plínio (História Natural 3.65) e Solino (1.4-6) repetem a história, acrescentando que o culto à Diva Angerona foi propagado para introduzir e obrigar ao silêncio sobre o tema (como tal, a deusa era representada com uma faixa sobre a boca).[7] Plínio diz ainda:

nomen alterum dicere arcanis caerimoniarum nefas habetur optimaque et salutari fide abolitum enuntiauit Valerius Soranus luitque mox poenas.

o outro nome, devido ao segredo que envolve os rituais, é considerado um sacrilégio divulgar, e quando Valério Solano divulgou o segredo religiosamente guardado para o bem do estado, depressa pagou pena.[8]

Plutarco (Questões Romanas 61) acrescenta alguma factualidade a esta tradição, recebendo-a, provavelmente, de Valério Flaco, sobre a deusa secreta de Roma e o rito da evocatio, (fórmula que impedia os deuses protectores de abandonarem a cidade, com a promessa de lhes dedicar templos em Roma).[9] V. Basanoff[10] defende que a divindade tutelar de Roma era Pales, e o nome secreto Palatium. A. Brelich[11], ao contrário, defende que não é uma divindade isolada, e propõe Genius, Fortuna, Pales, Ops Consivia e Diva Angerona.[12]

Mosaico romano com cena de amor / KHM Viena

Outra evidência de que o nome secreto de Roma era Amor é um grafito de Pompeia, onde os nomes iniciático e político aparecem num quadrado[13]:

Esta ideia parece estar já presente, por exemplo, em Platão (que compara errṓménōs (rṓmē) «força» a érōs «desejo/amor»)[14], como tal seria uma relação de palavras antiga.[15]

Outro jogo de palavras encontra-se no templo duplo de Vénus e Roma em Vélia (121-137 d.C.) onde as duas estátuas de culto estão em absides, olhando em direcções opostas. Se substituirmos Vénus por Amor, subentende-se:

O templo estava relacionado com a transformação do festival dos Parilia (originalmente um rito à fertilidade da primavera) no festival Natalis Urbis, como tal, as estátuas sugerem um simbolismo semelhante ao de Jano, invocando o primeiro aspecto dos Parilia enquanto principium anni.[16]

A justificação faz-se igualmente no plano mitológico. É que os Romanos são aeneadae, como tal, filhos de Vénus.[17] E se a guerra de Tróia começou com a Discória no casamento de Peleu e Tétis, ela terminou, naturalmente, com a força oposta, o Amor, e com a sucessiva fundação de Roma por Eneias.[18] Aquilo que popularmente mais nos recorda Roma, é precisamente a unidade e a ordem que esta levou desde o seu eixo até às fronteiras do império. E o que nos ensina é que a conquista não se faz apenas pela força, mas sobretudo e simbolicamente pelo amor, que é a força unificadora mais poderosa do imaginário dos Antigos. Essa força secreta, sendo sagrada, não poderia ser revelada, pois no momento em que o foi, perdeu a sua força, e com ela também o império.

Afrodite / wikimedia
Notas:
[1]   Para uma listagem bibliográfica veja-se: Francis Cairns, “Roma and Her Tutelary Deity: Names and Ancient Evidence,” in Christina Kraus; John Marincola; Christopher Pelling, Ancient Historiography and Its Contexts: Studies in Honour of A.J. Woodman, Oxford, Oxford University Press, 2010, p. 245. Em particular: V. Basanoff, Evocatio: étude d’un rituel militaire romain, Paris, PUF, 1947, pp. 25–30; A. Brelich, Die geheime Schutzgottheit von Rom (“Albae Vigiliae, N.F. 6), Zurich, Rhein-Verlag, 1949; P. de Angelis, Roma: Il Nome Arcano, Roma, Casa Editrice Mediterranea, 1947, pp. 7–33; T. Köves-Zulauf, Reden und Schweigen: Römische Religion bei Plinius Maior, Munich, Wilhelm Fink Verlag, 1972, pp. 64–108; Skulsky, S. (1985) “Invitus, Regina…: Aeneas and the Love of Rome”, AJP 106, 1985, pp. 447–55.; T. M. Murphy (2004) “Privileged Knowledge: Valerius Soranus and the Secret Name of Rome”, in A. Barchiesi, J. Rüpke, and S. Stephens (edd.), Rituals in Ink: A Conference on Religion and Literary Production in Ancient Rome held at Stanford University in February 2002, Stuttgart, Franz Steiner Verlag, 2004, pp. 127–37.
[2]   E. H. Kantorowicz, The King’s Two Bodies: A Study in Mediaeval Political Theology, Princeton, Princeton University Press, 1957, p. 82 (99n); Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 237; L. Traube, Monumenta Germaniae Historica: Poetae Latini medii aevi, vol. III, Berlin, Weidmann, 1896, pp. 555-556; W. Hammer, “The Concept of the New or Second Rome in the Middle Ages”, Speculum 19, 1944, pp. 53-54.
[3]   Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, pp. 237-238.
[4]   Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 238.
[5]   Francis Cairns, “Roma and Her Tutelary Deity: Names and Ancient Evidence,” in Christina Kraus; John Marincola; Christopher Pelling, Ancient Historiography and Its Contexts: Studies in Honour of A.J. Woodman, Oxford, Oxford University Press, 2010, pp. 248-249.
[6]   Francis Cairns, “Roma and Her Tutelary Deity: Names and Ancient Evidence,” in Christina Kraus; John Marincola; Christopher Pelling, Ancient Historiography and Its Contexts: Studies in Honour of A.J. Woodman, Oxford, Oxford University Press, 2010, p. 249.
[7]   Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 238; P. Lambrechts, “Diva Angerona”,  AC 13, pp. 45-49.
[8]   Francis Cairns, “Roma and Her Tutelary Deity: Names and Ancient Evidence,” in Christina Kraus; John Marincola; Christopher Pelling, Ancient Historiography and Its Contexts: Studies in Honour of A.J. Woodman, Oxford, Oxford University Press, 2010, p. 246.
[9]   Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, pp. 238-239; sobre o rito, veja-se: V. Basanoff, Evocatio: étude d’un rituel militaire romain, Paris, PUF, 1947. Macróbio (Saturnália 3.9) apresenta o texto de uma evocatio, utilizada por Cipião o novo, perante as muralhas de Cartago em 146 a.C.
[10] Evocatio: étude d’un rituel militaire romain, Paris, PUF, 1947, pp. 92-111.
[11] Die geheime Schutzgottheit von Rom (“Albae Vigiliae”, N.F. 6), Zurich, Rhein-Verlag, 1949, pp. 49-56.
[12] Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 239.
[13] Inscriptiones Parietariae Pompeianae CIL IV, Sup. 3.1, 8297; Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 239;  P. de Angelis, P. Roma: Il nome arcano, Roma, Casa Editrice Mediterranea, 1947, p. 33.
[14] Platão, Fedro 238b–c.; veja-se também: Isácrates, Helena 55; Diodoro 8.9.1; Dionísio de Halicarnasso, Demóstenes 7; Filóstrato, Heroica, etc.
[15] Para a questão: Francis Cairns, “Roma and Her Tutelary Deity: Names and Ancient Evidence,” in Christina Kraus; John Marincola; Christopher Pelling, Ancient Historiography and Its Contexts: Studies in Honour of A.J. Woodman, Oxford, Oxford University Press, 2010, p. 264.
[16] Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 240; para Jano veja-se: L. A. MacKay, Janus, Berkeley, University of California Press, 1956, p. 173; para os Parilia: V. L. Johnson, “Natalis urbis and principium anni,” TAPA 91, 1960, pp. 109-119.
[17] Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 246.
[18] Keith Stanley, Rome, “Ἔρως, and the Versus Romae”, GRBS 4/4, 1963, p. 246.

Relacionados

Mahabharata, a grande epopeia da Índia O Mahabharata é uma das obras mais sublimes da Literatura e Religião de todos os tempos. Com os seus cem mil versos, a elevação e complexidade dos tem...
Herança Portuguesa em Malaca Se é verdade que o império português do oriente já não existe hoje, é também verdade que ainda é possível encontrar, nessas longinquas terras e de for...
O Sistema Vedanta Tudo o que esteja fora de Nirguna Brahman e de Saguna Brahman é ilusório, não tem uma realidade, porque a verdadeira realidade não pode ser efémera ne...
A construção dos monumentos megalíticos A forma como foram construídos os megálitos constitui realmente um dos seus grandes enigmas, mesmo que oficialmente as explicações sejam dadas de modo...
Novas Descobertas arqueológicas nos Açores Uma expedição realizada às ilhas do Pico e da Terceira, nos Açores, organizada pela Nova Acrópole Oeiras-Cascais contando com dois investigadores do I...

Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
Notificação de