O Mestre da Música, de Gerard Corbiau

O filme de Gerard Corbiau, O Mestre da Música (Le Maître de Musique), eleva-se ao que poderá ser considerada uma obra de Arte, não só pela conjugação de várias formas de expressão artística – música, canto, texto/argumento, imagem – mas também pela mensagem humanista e filosófica que encerra. A harmonia destes vários aspetos do filme conduz, assim, ao cumprimento de uma função comum a qualquer obra de Arte digna de tal nome: despertar a necessidade de reflexão sobre o posicionamento do Homem na vida e no Universo, no sentido da realização do Bem, através da experiência do Belo.

A reflexão que aqui é apresentada incide sobre os aspetos da mensagem do filme que poderão contribuir para o nosso crescimento e enriquecimento enquanto seres humanos, ou seja, para o despertar do ideal filosófico que existe em cada um de nós, por vezes de forma inconsciente ou em potência.

É apresentado, em primeiro lugar, um breve resumo do filme, para melhor contextualização das ideias desenvolvidas posteriormente.

 

Resumo do Filme

Joachim Dallayrac (interpretado pelo célebre barítono belga Jose Van Dam), atinge o auge da sua carreira de cantor lírico. No final de um arrebatador espetáculo, na cidade de Londres, Dallayrac anuncia que aquela seria a sua última atuação em público.   A saúde debilitada leva-o a dedicar-se exclusivamente à formação de jovens cantores, abandonando os palcos onde cantara a beleza de obras imortais.

Seus discípulos são a bela Sophie e Jean, este um jovem vagabundo que encontrara nas ruas de Paris e que acolhera em sua casa, intuindo o potencial da sua voz. A ação centra-se, então, nas aulas de canto, permitindo a construção da personagem do dedicado professor. O amor pela música, a sensibilidade artística e, acima de tudo, o empenho na formação e desenvolvimento dos seus alunos de canto vão desvelando o carácter disciplinado do Mestre da Música que conduz os jovens no sentido da perfeição.

A mudança na ação acontece com a visita do tio de Sophie, anunciando um concurso de canto organizado pelo Principe Scott, um mecenas milionário que odeia o mestre Dallayrac e que ambicionara, outrora, o título de melhor cantor – “Ele considerava-se o melhor cantor”, afirma Joachim numa cena do filme – tendo desafiado o seu rival para um duelo de canto, durante o qual perdera irreversivelmente a sua voz, não tornando a pisar os palcos. O filme sugere, portanto, a intenção de vingança de Scott, acreditando colocar o seu protegido pupilo em competição vantajosa com os alunos de Joachim.

O concurso realiza-se e a bela Sophie e Jean arrebatam o público com a sua sublime performance. Porém, a semelhança das vozes do protegido de Scott, Françoise, e de Jean surpreende o publico e o júri, e aqueles são desafiados a cantarem em conjunto com os rostos tapados. Scott sugere um duelo de canto! Os dois concorrentes cantam fabulosamente até ao momento em que a voz de Françoise falha fatalmente! Sophie e Jean vencem inequivocamente o concurso e o que acontecera há muitos anos atrás repete-se naquela noite!

As cenas finais do duelo alternam com a morte de Joachim, num outro espaço, num mesmo tempo…

Para a Beleza deste filme contribuem as eternas composições de Mahler, Verdi, Bellini, Mozart, Offenbach, Schubert e Schumann.

José van Dam / Vimeo
José van Dam / Vimeo

Reflexões sobre O Mestre da Música – contributo para o despertar do verdadeiro filósofo

O conteúdo da mensagem do filme de Corbiau pode ser compreendido sob várias perspetivas, tal como um quadro pode ser apreciado a partir de diferentes pontos da tela e suscitar diferentes interpretações, de acordo com a sensibilidade e com o universo referencial de quem o aprecia.

A interpretação que aqui é apresentada assenta em dois conceitos filosóficos implicitamente incorporados na globalidade do filme e particularmente nas características e atitudes de cada uma das personagens. São, então, o conceito de sofista, tal como definido pelo escritor e filósofo Fernand Schwarz, e o conceito de filósofo, de Jorge Angel Livraga, filósofo e fundador da escola de filosofia Nova Acrópole.

Segundo Fernand Schwarz, o desenvolvimento de uma visão vincadamente utilitária da vida que caracteriza os sofistas está na base do modo como é perspetivado por estes o estudo da retórica, ou seja, “enquanto arte de advogar e argumentar para vencer o adversário.” A sua finalidade é, assim, “trazer aos jovens os meios necessários para vencerem em qualquer circunstância” (Schwarz, 2006:26) e, agnósticos, abandonam a ideia de pôr o saber em relação com a metafísica e fazem do homem um deus que não necessita de valores éticos, catárticos ou espirituais. O importante para eles não é vencer-se a si mesmo, mas vencer os seus opositores e obter os benefícios procurados pelas satisfações temporais (Schwarz, 2006:27).

O filósofo, pelo contrário, é movido pelo Amor à Sabedoria, buscando-a na “divina harmonia de meios que nascem na música da Natureza” (J.A.Livraga) (1), e “vai-se transformando à medida que conhece; o seu conhecimento, ao chegar ao fundo das coisas, converte-se num estilo de vida. Vive uma Filosofia Ativa, ou seja, pensa, sente e atua de maneira harmónica” (Délia Steinberg Guzmán, 1995:96).

À luz destes dois conceitos, é inequívoco o reconhecimento de princípios sofistas em Scott e no seu pupilo, Françoise, e dos ideais do verdadeiro filósofo em Joachim Dallayrac e nos seus discípulos, Sophie e Jean, tendo em conta o filme na sua globalidade.

A Beleza é a nota dominante do filme. Joachim e Scott, através dos seus pupilos, dão voz às mais belas e imortais composições de Mahler, Verdi, Bellini, Mozart, Offenbach, Schubert e Schumann, mas distingue-os o uso que cada um deles faz dessa forma de arte que é a música.

Em Dallayrac, o Amor à música e à perfeição do canto lírico são as estrelas que guiam o seu caminho de cantor e de mestre. Este assume assim o dever do verdadeiro filósofo, “o cuidado e a guarda de outras pessoas”, tal como proclamado por Platão.

Vemos aqui plasmado o Amor e o Bem como veículos de ascensão e é neste sentido que o mestre conduz os seus alunos no rigoroso trabalho de eternização das mais belas interpretações musicais. O facto de ter acolhido Jean como seu aprendiz sem qualquer vislumbre de retribuição material é um detalhe do filme que contribui para o entendimento da Arte como forma de ascensão ao Bem e à Beleza eternas. “Deixa que a música entre em ti e ela fará fluir a voz” são as palavras do mestre que instrui os jovens cantores a ouvir a música com o coração e a deixá-la entrar na Alma num perfeito equilíbrio com a Beleza transcendente que paulatinamente os vai transmutando. É colocado, assim, o saber em relação com a metafísica, tal como refere Schwarz.

“Qual o segredo de Joachim?” é a pergunta que Scott faz a Sophie num contexto que deixa perceber o carácter manipulador do milionário, ávido de riqueza e reconhecimento social. Numa das cenas finais do concurso de canto, após acesa aclamação dos jovens vencedores, Scott dá instruções a um dos seus colaboradores para a preparação dos contratos que lhe garantiriam a rentabilização das vozes de Sophie e de Jean, abandonando assim o seu protegido Françoise, pois não mais serviria os seus interesses pessoais.

Joachim, pelo contrário, e apesar de assumir perante sua paciente e compreensiva mulher que amava Sophie, não se desvia da sua missão de formador da voz e do carácter disciplinado dos seus jovens hóspedes. O sentido do dever de Joachim reconhece-se no rigor que exige dos seus alunos e no domínio que impõe a si próprio, não permitindo a Sophie o espaço que esta reclamava para expressão da sua inicialmente tímida e posteriormente declarada paixão. O desenlace do filme confirma a superioridade do carácter de Dallayrac – a harmonia entre Sophie e Jean, artística e afetiva, que o sensível professor anteviu como futuro brilhante para os jovens.

Scott, por sua vez, dá expressão ao seu desejo de vingança e tenta seduzir Sophie, perspetivando não só os benefícios pessoais que esta lhe traria, mas também a conquista de alguém que Joaquim estimava, manifestando, assim, uma “amizade” circunstancial como se de mais um objeto de consumo se tratasse – o objetivo sofista, portanto: vencer e satisfazer as necessidades e caprichos temporais.

É inquestionável o facto de este belo filme suscitar um movimento interior no sentido do conhecimento e da elevação da alma, despertando o que, segundo Jorge Angel Livraga, está em todos nós – o philo-sophos, isto é, “o apaixonado da sabedoria e da profundidade das coisas” (J.A.Livraga, 2007:51) e levando-nos a participar na Beleza manifestada através da música.

Um outro aspeto que poderá ser considerado nesta reflexão é o posicionamento do espetador em relação às personagens do filme e particularmente em relação a Scott e Dallayrac. O que acontece, por exemplo, na Literatura, é a frequente identificação do leitor com a personagem principal (Stephens, 1992). No cinema, poder-se-á considerar este mesmo processo de identificação. Em O Mestre da Música Joaquim Dallayrac encarna, assim, as características que suscitam a simpatia e a empatia do espetador, colocando em evidência virtudes morais e elevação de caráter que inspirarão certamente quem apreciar esta obra de arte. Esta ideia pressupõe o movimento inverso em relação a Scott – o processo de distanciamento do espetador, numa espécie de negação das características que esta personagem configura.

O que aqui se pretende sugerir é que a consciencialização deste processo de identificação / distanciamento do espetador poderá contribuir para o entendimento da importância de assumirmos não só a perspetiva da personagem principal, mas também da personagem da qual natural e irrefletidamente nos distanciamos. Por outras palavras, se em vez de recusarmos, nos aproximarmos também de Scott, reconheceremos não só o filósofo, mas também o sofista que existe em cada um de nós e sobre o qual deveremos trabalhar no cumprimento do movimento evolutivo da clareza. As palavras de Délia Steinberg Guzmán confirmam esta ideia:

Um dos males mais frequentes no jovem filósofo – que pode inclusive chegar a esterilizá-lo e a paralisá-lo – é pensar que já alcançou o seu tão desejado despertar consciencial, com o que detém o seu próprio progresso. Vê as coisas como gostaria que fossem; vê-se a si próprio como gostaria de chegar a ser e considera que esse sonho, essa visão errada é a realidade. Assim, para quê esforçar-se mais se já tem aquilo que desejava? A partir daí, deter-se-á sem se dar conta, anulará as suas possibilidades de desenvolvimento espiritual e olhará os outros com algum desprezo (D.S.Guzmán, 1995:17).

O Mestre da Música, um filme que nos convida a conduzir o pensamento na direção de belas notas musicais.

 

Delia Steinberg Guzmán / Nova Acrópole Brasil
Delia Steinberg Guzmán / Nova Acrópole Brasil

 

Referências Bibliográficas
Livraga, Jorge Angel. Manual de Filosofia Sabedoria do Oriente.
Guzmán, Delia Steinberg (1995). A Arte de Triunfar na Vida. Porto: Edições Nova Acrópole.
Livraga, Jorge Angel (2007). O Despertar do Homem Interior em pleno Século XXI. Lisboa: Edições Nova Acrópole.
Schwarz, Fernand (2006). A Sabedoria de Sócrates. Lisboa: Edições Nova Acrópole.
Stephens, John (1992). Language and Ideology in Children’s Fiction. UK: Longman.
Comentários

Relacionados

As Meninas de Velázquez Um dos quadros mais fascinantes e enigmáticos que encontramos ao visitar o Museu do Prado em Madrid, Espanha, é conhecido vulgarmente por As Meninas, ...
Arte Cisterciense – a construção da abadia i... A arte cisterciense tem três propósitos: orar a Deus, tornar presente o invisível ou o reino de Deus, afirmando assim o seu poder através da criação a...
Interpretação esotérica de “A Primavera̶... Não esqueçamos que, segundo os Alquimistas, a Primavera é a época do ano mais propícia para começar a Grande Obra: a transmutação do Chumbo em Ouro Es...
Fisionomias, de Henrique Medina Os portugueses devem elevar como uma bandeira, o orgulho espiritual de ser conterrâneos, da mesma pátria, de um dos melhores retratistas do séc. XX, t...
Bob Dylan, finalmente um Nobel aos novos trovadore... Nos tempos em que vivemos, em que é cada vez mais claro que nos precipitamos a uma Idade Média, um Nobel de Literatura a Bob Dylan é não só uma boa ho...
Isadora Duncan e a religião da dança Isadora já é um nome e uma figura quase mítica, o paradigma, para não dizer a Musa de todos aqueles que na dança encontram um sentido de vida, um cami...