Mitos de Platão

É fácil verificar que os dois pilares básicos da civilização ocidental foram Platão e Aristóteles. O primeiro recompilando todo o saber iniciático dos filósofos pré-socráticos e dando asas à nossa mente; e o segundo vontade para capturar intelectualmente a natureza e poder assim dominá-la. Dominá-la sim, talvez, mas sem entender a sua alma, o que é a causa da desarmonia, de injustiças e portanto, sofrimentos. Já que, o que acontece na Natureza, ecoa na vida humana e vice-versa. “A ciência, com as suas prerrogativas crê que pode dominar até os elementos mais imponderáveis da natureza. A exigência é clara: explicar é dominar”. (1). E Aristóteles deu-nos uma estrutura mental para explicar, taxonomicamente o que nos rodeia.

Voltando a Platão, todos concordamos em que, se os filósofos seguiram com paixão os seus raciocínios e exemplos, o mundo inteiro rendeu-se à beleza e à sugestão dos seus mitos: o mito do Carro Alado (para explicar a visão da alma), o Anel de Giges (mostra a fraqueza da alma humana que não resiste às tentações), a Alegoria da Linha Dividida (ensina ideias filosóficas básicas sobre os quatro níveis da existência), o Mito de Er (vulgarmente conhecido como Purgatório pois fala de como os injustos pagam sempre a pena dos erros cometidos) e mais que tudo ao seu Mito da Caverna (pretende exemplificar como o ser humano se pode libertar da ilusão, que o aprisiona, por meio da luz da verdade). Durante mais de cem gerações, esta ultima alegoria, abriu as Portas da Filosofia, com maiúsculas, aos amantes da Verdade.

Platão usa a imagem de um carro puxado por dois cavalos para descrever a natureza tripla da alma. Desenho da tumba de Userhat, Egipto / wikipedia

Ainda hoje, vemos a actualidade destes mitos no imaginário do século XXI. O terror do poder egoísta no Senhor dos Anéis muito se deve ao Anel de Giges, da Républica. O Truman Show ou Matrix são versões “Big Brother” ou realidade virtual do Mito da Caverna. A fé actual na reencarnação – que tem muita pesquisa científica em estudos como os “20 casos que fazem as pessoas pensarem em reencarnação” por Ian Stevenson – bebe especialmente de todas as doutrinas orientais, mas tem as suas raízes em Platão e no Mito de Er.

A nova necessidade de exemplos vivos, ou seja, de uma aristocracia de almas, que guie as multidões – que se debatem, como animais feridos ou drogados nas suas angústias e medos, e são movidos como folhas secas pelos ventos da moda e manipulados por uma propaganda vazia – é um retorno ao mito, de Platão, da origem dos diferentes metais na alma humana.

Todos suspiramos por uma nova nobreza de alma, que seja incorruptível como o ouro, e que governe com sabedoria e justiça os assuntos humanos, sem os inextricáveis jogos de poder, somente com a honesta simplicidade do que é Bom, com maiúsculas. O retorno de homens e mulheres de ouro que nos permitam sair das mentiras do barro em que vivemos é um sonho cujas imagens nascem nesta mesma alegoria de Platão, na República.

E no mito do nascimento da Linguagem, hoje já estamos a sofrer o conselho que o Deus Rei (Amon-Tamus) deu ao Deus Escriba (Thot ou Teut). A escrita, o fácil acesso a ela, permite-nos o arquivo do conhecimento, mas não a memória da alma, pois deixamos de ter necessidade de guardar no coração aquilo que temos “à mão”. A “coisa” mata a “vivência”, satisfaz o desejo de ter, mas não a necessidade de ser, de Viver, com maiúsculas. Neste mito, no Fedro de Platão, lemos a seguinte resposta:

 “Dás aos teus discípulos a sombra da ciência, e não a própria ciência. Porque quando virem que podem aprender muitas coisas sem mestres, se julgarão sábios e não serão mais que ignorantes, na sua maior parte, e falsos sábios insuportáveis na aventura que é esta vida”. (2)

Na obra completa do Fundador da Academia encontramos também centenas de comparações, de símbolos, que chegam ou não ao status de alegoria, são janelas abertas para o infinito ao âmago da essência. Por exemplo, no livro das Leis, quando fala da alma humana como uma marioneta, empurrada por todo o tipo de forças caóticas (os seus desejos, temores, costumes, recordações, instintos…) que o puxam em direcções contrárias, que o agitam convulsivamente e o ferem. Só há um elo divino, de ouro, que é a Razão-Sabedoria, que lhe permite mover-se sem se ferir a si mesmo. E é somente essa luz divina que dá vida ao que somos, sem ela não passamos de autómatos, marionetas. Esse fio de ouro é a lei, a lei interior, a voz da consciência, aquilo que nos une à Ordem-Verdade-Justiça (MAAT), o Sutratma ou Fio da Vida da filosofia hindu:

 “Imaginemos que cada um de nós é uma máquina animada, que sai das mãos dos Deuses, e estes a tenham feito para se divertir, ou tenham em vista um plano mais sério, porque sobre este ponto nada sabemos. O que sabemos é que as paixões de que acabamos de falar, são outras tantas cordas ou fios que puxam cada um para seu lado, e que a consequência da oposição e dos seus movimentos nos levam a cometer as acções opostas; que é o que constitui a diferença entre o vício e a virtude. De facto, o bom senso diz-nos que é nosso dever obedecer só a um destes fios, seguindo sempre a sua direcção, e resistir com firmeza aos demais. Este fio não é, senão, o fio de ouro sagrado da razão, chamado lei comum do Estado. Os outros fios são ásperos porque são de ferro, enquanto este é suave porque é de ouro; ademais não tem mais do que uma forma, enquanto os outros têm muitas e são de muitas espécies.”

É preciso sujeitar e submeter todos estes fios à direcção perfeita do fio da lei porque a razão, ainda que excelente pela sua natureza, como é doce e estranha a toda a violência, tem necessidade de auxiliares para que o fio de ouro governe os demais.

E seguindo a alegoria de Platão, este é o fio de ouro que a nossa forma de viver irracional e egoísta parece empenhada em cortar, e é aquele que a verdadeira Filosofia quer fazer cada vez mais forte, até que o Pinóquio de madeira se converta numa Criança de verdade. Esta é a criança que vive em cada um de nós, é a criança dos Mistérios Dionisíacos, a promessa do que representa a Fada Azul, a Estrela do Amanhecer. Platão diz:

“Deuses sois, mas disso vos esquecestes”.

 

(1)  Ver o excelente artigo na revista “el vuelo de la lechuza”
https://elvuelodelalechuza.com/2018/01/18/anarquismo-metodologico-feyerabend-y-los-limites-de-la-ciencia/
(2) O Fedro nos “Diálogos de Platão” da Editora Kier, pág. 658

Relacionados

O mito de Gilgamesh – A Prova do Elo Gilgamesh terá sido uma figura real, ou, pelo menos, um mito que bebe da inspiração de uma figura real, já que as fontes lhe atribuem um reinado de 12...
O canto de Ullikummi Talvez nunca tenha sido tão claro como hoje, com as comunicações globais e o conhecimento atual da história, até que ponto a conduta das pessoas é gov...
Os Quadrados Mágicos na terapia antiga O uso destes quadrados foi de uso generalizado para a terapia, entre muitas outras finalidades, em muitas culturas espalhadas pelos diferentes contine...
O Sonho de Ravana Neste livro o discurso filosófico é de uma profundidade que dá vertigem, mas ao mesmo tempo a linguagem é tão bela e delicada, tão amável e cheia de t...
Mitos, ritos e símbolos – introdução à antropologi... A religião não foi um luxo dos que tinham o estômago cheio. A religião é o alfa e o ómega da condição humana. Existe desde o princípio da sua «humaniz...
Ísis, a Deusa dos mil nomes Os mil nomes são os que suspiram todos os seres vivos, amando a vida e as almas querendo regressar ao seio do Pai Invisível, que é representado como u...

1
Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Jose Alecrim

Hay mitos que engrandecen la condición humana, la educan, la guían a la luz entre las sombras, pero que no podemos perder su carácter de alegoría, o sea, de escalera hacia enseñanzas y vivencias sublimes. La interpretación literal de los mitos bíblicos o védicos o sobre Krishna niño, o incluso sobre el Buda ha llevado a mucho sufrimiento. Después hay mitos, grandes construcciónes aberrantes psicológicas creados para retener al alma humana en su ignorancia y en sus angustias, imposibilitándolo más y más, como el mito de la historia lineal de Comte, o el de el egoísmo y libertad de elección… Read more »

%d bloggers like this: