Meditações sobre a humildade

Se entendermos a humildade como a carência de vaidades; como uma não sobrevalorização das coisas deste mundo passageiro; como uma atitude de vigília e respeito por todos os seres vivos, especialmente por aqueles mais virtuosos e sábios que nós; a humildade é, sem lugar para dúvidas, uma característica das Almas inclinadas a tudo o que é nobre e, sobretudo, à existência viva de Deus. Assim entendida, a humildade é a melhor pedra da coroa das virtudes e não podemos conceber um homem ou uma mulher que tenham passado de forma justa pela História sem o adereço da humildade.

A humildade é, então, a carência de fantasia insana, Amor por todos e Serviço para todos, pois o realmente humilde faz-se pequeno para que, mais comodamente, caibam os seus irmãos na sombra benéfica da Árvore da Vida. Sentindo a Divina Presença nele, reconhece – como faziam os Templários – que toda a boa acção tem a sua origem Divina, pois sendo O Divino como um raio de luz, ficar mais pequeno à sua frente permitiria uma melhor passagem para esta Terra. Toda a ostentação e personalismo seriam como um toldo insano que absorveria egoísta e inutilmente, os raios do sol-divindade.

O realmente humilde faz-se pequeno para que, mais comodamente, caibam os seus irmãos na sombra benéfica da Árvore da Vida.

Mas, como tudo em excesso termina numa aberração que nega o mesmo que diz afirmar, existem muitos “humildes” que têm feito da sua falsa humildade uma máscara, bela e sofisticada da sua imensa vaidade interior. Assim, o que podendo vestir normalmente e passar desapercebido numa reunião, o faz com roupas pobres e simples demais, subconscientemente procura somente destacar-se e humilhar os outros. Quem, numa conversa amistosa onde se fala muito naturalmente, emprega termos rebuscados ou palavras em Latim, Grego ou Sânscrito para os seus exemplos e desenvolturas temáticos, pratica a antítese mesma da humildade, pois deseja destacar-se no meio de todos e fazer que o admirem, mesmo que não o compreendam. Quem, enfim, faz tema todos os dias da humildade e rende um culto público aos humildes, e se diz – em voz bem alta – identificado com os que menos têm e menos são, com os viciosos, os depravados, débeis e fracassados, fá-lo por vaidade, tendo encontrado um caminho fácil para que o admirem com o menor risco para si mesmo. Postos à prova, notareis de imediato que o que parecia Caridade é uma subtil forma de afirmação de Si mesmo, pois, em privado, essas pessoas não se abstêm de nada e gastam enormes somas em coisas alheias à ajuda dos desamparados. Antepõem as suas fantasias às cruéis realidades do mundo e normalmente movem a língua mais frequentemente que os braços; comem bem e dormem melhor.

Outro perigo desta fingida atitude de humildade é a exaltação verbal do pior da sociedade; o desconhecimento da Glória e do Sacrifício directos. Com o tempo, a farsa retorcida torna-se uma monstruosa realidade, pois a autossugestão é a forma primitiva da hipnose. Então, quem se diz humilde sem o ser, confunde o raquítico com o enxuto; o cobarde com o prudente; ao miserável e frágil com o pequeno; à linguagem rude com a simples e directa; e, finalmente, às pessoas insignificantes com humildes santidades que refletiriam nesta Terra as virtudes queridas de Deus.

Devemos então saber distinguir entre a verdadeira e a falsa humildade; entre o humilde de Coração e o humilde teatral que utiliza a sua paródia em benefício do que acredita e, à falta de argumentos, força as portas das razões alheias com a chave-falsa da sensibilidade e piedade dos outros.

A falsa humildade é a imagem invertida e descolorida da verdadeira, que nos dá o grande espelho da ilusão dos sentidos. Filósofo: vale mais um fio de verdadeira humildade que um manto de pesadas malhas da falsa.

Relacionados

Realidade, alcance e poder das formas mentais Tem que haver algo em nós que procura a perfeição, mas tem que haver também algo, no plano interno que já tenha essa perfeição e não evolua: uma perfe...
Era uma vez um rio Era uma vez um rio – diz uma velha tradição oriental – que corria mansamente no seu cómodo leito de barro. As suas águas eram turvas e nelas viviam pe...
As aplicações espirituais da concentração O egoísmo e egocentrismo, assim como o instinto de poder mal dirigido, faz-nos qualificar essas sombras com os atributos do poder do real conhecimento...
Problemas pessoais no caminho do conhecimento de s... Porque temos estes problemas pessoais, basicamente emocionais? Por falta de conhecimento dos próprios mecanismos emocionais e, por conseguinte, pela i...
Como a mente constrói e destrói a realidade A Unidade é a presença do eterno em nós, o ponto de partida e o ponto de chegada da alma que regresse a casa. O mal e o sofrimento são a consequência ...

1
Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Isabel

Este artigo leva-nos a pensar que hoje vivemos a “moda” da caridade e da bondade. A necessidade de mostrar em tempo útil virtudes que o Ser Humano não possui pois o seu cultivo exige tempo, esforço e sacrificio. Mas sendo a caridade uma moda, e como todas as outra fugaz e passageira, surge como substituição a humildade teatral e ficticia. Mais rápida e imediata. No entanto, como refere Alipili, alquimista Árabe citado por H.P. Blavatsky “se não encontras dentro de ti o que buscas, tampouco o encontrarás fora de ti”

%d bloggers like this: