Estudo lança mais luz sobre os “Hobbits”

Os investigadores franceses Antoine Balzeau e Philippe Charlier publicaram um estudo na revista Journal of Human Evolution no qual demostram que os restos de Homo floresiensis não são compatíveis com Homo fapiens, estando no entanto mais próximos ao Homo erectus. O “Hobbit”, como popularmente se denominou este hominídeo, causou sensação quando se descobriu em 2003 numa ilha do mar das Flores (Indonésia) porque tinha apenas 1,1 mt de altura, um crânio diminuto e uma idade muito recente (viveu há 12.000 anos) com indústria lítica que vai desde os 93.000 aos 13.000 anos de antiguidade. Houve teorias que sustentaram que os nove indivíduos encontrados numa gruta poderiam ser indivíduos modernos com algum tipo de microcefalia, mas este estudo trata de refutar completamente esta possibilidade.

Reprodução do crânio LB1. Ryan Somma, Wikimedia Commons.
Fonte
Comentários

Relacionados

Anatomia Oculta Tal como o corpo do homem é o reflexo e albergue perfeito da alma humana, seguindo as mesmas leis e proporções o templo era o receptáculo da alma do m...
João de Lisboa – O Amanhecer do estudo da De... O navegador João de Lisboa merece o reconhecimento de grande precursor dos estudo sobre o magnetismo terrestre que foram incrementados a partir de mea...
O primeiro homem na América? Tudo encaixava na perfeição, no final da última glaciação o mar tinha retrocedido o suficiente para que tivesse uma amplíssima passagem no atual estre...
Estudos anatómicos de Leonardo da Vinci Uma das características muito particulares da aplicação dos estudos anatómicos de Leonardo, o que demonstra o seu olhar profundo que busca não só o en...
Fundamentação científica dos costumes Estarão os princípios morais codificados no nosso DNA, no nosso cérebro, ou na própria realidade do mundo quântico? A investigação em biologia, neuroc...