Agni – o Fogo do sacrifício

Desde dos primórdios da presença humana, o fogo exerce um fascínio, enquanto que todas as outras criaturas fogem na sua presença, o homem conseguiu ultrapassar o seu medo e reconheceu nele o símbolo do poder. O fogo reanima o corpo em hipotermia, o fogo ilumina a obscuridade e desperta o conhecimento das coisas, o fogo no olhar é símbolo do brilho da vida interior.

Ler mais

Presente de Natal novo ou usado? Eis a escolha…

Para ti, amigo desconhecido, partilho este presente que foi mil e uma vezes usado e mil e uma vezes substituído, mas não te preocupes, o génio adormecido continua à tua espera, basta esfregares a lâmpada e o menino de ouro, que tanto quero ver renascer, aguarda para que te possa sussurrar ao ouvido: “Natal é quando tu quiseres!”.

Ler mais

Como a mente constrói e destrói a realidade

A Unidade é a presença do eterno em nós, o ponto de partida e o ponto de chegada da alma que regresse a casa. O mal e o sofrimento são a consequência da resistências do eu em colocar a sua luz sobre aquilo que permanece, o sofrimento nasce do contacto com o impermanente, o mérito e o desmérito são resultado das nossas acções pois a alegria segue o acerto e a dor a falta.

Ler mais

Do segredo da Natureza aos mistérios da existência

A consciência global que nos une hoje para navegar contra esta corrente de autodestruição é o melhor da nossa conquista, nasceu da capacidade que o homem tem de se levantar de novo, e isto se deve ao seu amor à vida, à sua identidade com a grande família humana, mas sobretudo o seu sonho infinito de eternidade.

Ler mais

A Sabedoria dos Animais

Se conseguirmos desenvolver a união entre a inteligência e o amor, a ciência da Natureza e a sabedoria da vida, estaremos mais perto de recriar um novo paraíso na Terra; os nossos voluntários de quatro patas, de barbatanas ou de asas estão connosco nesta imperiosa mudança para a Nova Era, e com eles aprenderemos com certeza a tornarmo-nos mais humanos.

Ler mais

Os Druidas e a sabedoria dos Celtas

Os Druidas das regiões celto-bretãs também eram chamados serpentes. “Eu sou uma serpente, eu sou um druida” – exclamavam. “O Grande Dragão só respeita as Serpentes de Sabedoria, as serpentes cujas tocas se encontram hoje debaixo das pedras triangulares” ou, por outras palavras, “sob as pirâmides nos quatro cantos do mundo”.

Ler mais