A Festa do Trabalho

Fotografia de Pierre Poulain / www.photos-art.org
Este texto de José Carlos Fernández foi inspirado na fotografia acima de Pierre Poulain, fazendo parte de um projeto intitulado FiloFoto.

Nos textos filosóficos e místicos hindus, como, por exemplo na Bhagavad Gita, diz-se-nos que o que busca Deus deve alimentar-se com a cinza do próprio sacrifício. E que este sacrifício é Sacro Ofício, ou seja, santo ritual. Na Índia, e em tantos outros povos isto era representado pelo que era oferecido a um Fogo Sagrado, cujas alegres chamas devoravam a oferenda para a converter em luz, para elevá-la ao céu, abrindo uma porta mágica pela qual se entrava na dimensão dos poderes que nele reinam.

O próprio trabalho era considerado não uma maldição, “ganharás o teu pão com o suor da tua testa”, mas um alegre sacrifício, uma santa festa de serviço, de criatividade. Uma oferenda cujos lampejos de mística luz, como ensina o professor Livraga (1930-1991), nasciam, radiantes, da boa vontade e eficácia na dita ação altruísta. Sri Ram, o sábio hindu, mestre deste último, recordar-nos-ia que o sacrifício não é dor nem privação, mas alegria e plenitude. Sofre a madeira que está a ser queimada, até que se dá conta que na realidade não era tal, mas luz, antes crucificada na matéria, agora livre. Sofre o ignorante quando é obrigado a cumprir um dever, até que este o faz mais livre e mais sábio e o preenche de alegria imortal, e toma consciência de que o caminho do dever, como o da madeira que se converte em luz, é um caminho de alegria.

Alimentar-se com cinza do sacrifício é não buscar, cego pelo desejo, o benefício na ação que realizas, mas banhar-te na alegria da própria ação, boa, útil, eficaz, em sintonia com a Roda de Ação que faz mover o universo. Ombro com ombro, mão na mão com os teus companheiros de vida ou de Ideal, na mais alegre e mais antiga de todas as cerimónias, a de trabalhar juntos, um rito de criatividade, que transforma a matéria e nos transforma a nós próprios, que nos irmana com a Natureza inteira, cujo canto e dança de trabalho é incessante. Não há maior tortura, e como tal aplica-se, que condenar alguém a não fazer nada, ou pior ainda, a fazer algo inútil, sem finalidade. Primeiro apodrece e estanca a alma, depois a saúde do corpo, que necessita movimento, trunca-se o vínculo com a finalidade que é intrínseca a tudo, esfuma-se pouco a pouco o sentido de pertença, pois tudo o que vive está unido por vínculos de ação, seja esta visível ou invisível. Mas o trabalho deve nascer de uma vontade livre, ou seja, não submetida escrava de ninguém, e menos do desejo do fruto da ação, que, como dizia a Bhagavad Gita, vai oxidando o metal da alma, vai cobrindo de fumo escuro a sua chama, fá-la isolar-se na sua ignorância, até a converter num ente repetitivo, um robot com forma humana.

E o melhor de todos os trabalhos, o mais feliz, é o iluminado pelo amor, o que se converte em luz no rosto e sorriso nos lábios; o que nos irmana, não já somente com a Natureza, mas com a sua alma e todas as suas potências angélicas, que amam estar com aqueles que amam o seu trabalho, e mais ainda com aqueles que trabalham impulsionados por um Ideal luminoso e de esperança.

As pessoas que trabalham com alegria, são as que redimem o mundo das suas misérias, benditas sejam!

Relacionados

Um Caminho Mas não cedamos à ilusão da matéria. Onde todos caminham há uma senda, ainda que esta divirja, se entrecruze, se perca, se confunda com um labirinto, ...
O perfume das flores temporãs É lógico que no meio destas aventuras e encontros de fraternidade surjam também conversações da alma, essas que deixam impressões inapagáveis e dão se...
Às vezes há que atrever-se Este texto de José Carlos Fernández foi inspirado na fotografia acima de Pierre Poulain, fazendo parte de um projeto intitulado FiloFoto.
A Escola de Chartres A Escola de Chartres uniu o pensamento simbólico ao pensamento científico procurando as marcas de Deus. O simbolismo que busca as semelhanças que prop...
Era uma vez um rio Era uma vez um rio – diz uma velha tradição oriental – que corria mansamente no seu cómodo leito de barro. As suas águas eram turvas e nelas viviam pe...
Viktor Frankl: como descobrir o sentido da vida Pelo amor e prática do que é, vejo e sinto como Verdadeiro posso libertar-me, conhecer-me e encontrar-me. Posso assumir um vínculo com a Vida que prem...

Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
Notificação de