A arte de saber escutar

O que só se escuta a si mesmo, o que só aprecia as suas próprias ideias e se sente atraído pelo som da sua própria voz, o que não concede importância à existência das outras pessoas e as usa apenas como ecrã para reflectir as suas palavras, jamais poderá conversar, nem estabelecer uma relação humana saudável.

Há que saber escutar. Não é preciso ser mudo ou retraído, mas fazer gala de essa preciosa faculdade de quem toma em consideração aquele que tem à frente, aquele que procura uma relação tal como a procuramos nós próprios.

Escutar é uma arte: requer prestar atenção, valorizar o que os outros nos dizem, entender porque nos dizem as coisas que nos dizem, ler nos olhos do que fala tal como se escutam as suas palavras, colaborar em silêncio com gestos que indiquem a nossa activa participação no diálogo.

Escutar é compreender e compreendermo-nos.

Escutar é poder comparar com o que pensamos e ter a oportunidade de calibrar, através de essa comparação, o peso dos nossos pensamentos.

Escutar é saber intervir no momento oportuno, sem interromper bruscamente nem sem deixar de considerar o que o outro está a dizer. É responder partindo do que nos disseram e estabelecer um fio inteligente, para que a conversa tenha um sentido, quer dizer, um princípio, um meio e um fim.

Escutar é compreender e compreendermo-nos.

Aquele que é capaz de conversar, alternando engenhosamente as suas intervenções com as dos outros, aquele que escuta outra pessoa tanto ou mais que a ele mesmo, sabe recolher tesouros em todos os recantos e de todos os minutos da vida. Desenvolve a observação, a paciência, o respeito e a capacidade de pensar.

Saber escutar é a melhor maneira de saber falar.

1 The_Artist_in_the_Character_of_Design_Listening_to_the_Inspiration_of_Poetry_by_Angelica_Kauffmann
The Artist in the Character of Design Listening to the Inspiration of Poetry, de Angelica Kauffmann

 

Relacionados

Mais quatrocentos anos de antiguidade para o Zero? “O que é maior que o Universo e mais pequeno que o mais ínfimo átomo? O que é mais duradouro que a Eternidade e mais breve que um instante?” A respost...
Era uma vez um rio Era uma vez um rio – diz uma velha tradição oriental – que corria mansamente no seu cómodo leito de barro. As suas águas eram turvas e nelas viviam pe...
Fumando à janela Já não caminhamos livremente, mas arrastados com correntes como escravos, correntes de ferro ou de ouro, ou ainda de lágrimas, mas que nos afastam da ...
A obra literária de Helena Petrovna Blavatsky Não conseguimos saber plenamente quem foi o ser que o mundo conheceu como H.P.B... mas não é necessário compreender a essência da luz para seguir um s...

Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscrever  
Notificação de